COMENTÁRIOS NA PÁGINA: http://conjur.estadao.com.br/static/comment/62971

 

Prezado Dr. Régis,

(Régis C. Ares (Advogado Autônomo 16/01/2008 - 12:51)

 

O Dr. vai me permitir que eu comente, mais diretamente, a sua opinião. Na verdade, eu nunca vi uma repercussão tão grande, quanto a desta notícia do Conjur. Parece que todos os advogados, de repente, resolveram lançar a sua “opinião jurídica”. Infelizmente, porém, a maioria desses advogados parece nem saber do que se trata. Eu nunca vi, na verdade, tantos advogados dizerem tanta bobagem, em tão pouco tempo, sobre um mesmo assunto.

Veja bem, colega: não se trata de “abrir o mercado” para os “pseudo-bacharéis”. Não se trata de que os “despreparados tenham o sagrado direito de trabalhar”, como você afirma, insultando a todos os bacharéis, a todos os professores universitários e ao MEC, que afinal é o responsável pela fiscalização das IES que diplomaram esses bacharéis.  Não vou responder, no mesmo nível, dizendo que essa opinião parece revelar o medo que alguns advogados podem ter da concorrência dos novos bacharéis. Seria uma falta de respeito do mesmo quilate.

Mas ridículo, Dr., é que tantos advogados “opinem” a respeito da inconstitucionalidade do Exame da OAB, sem saberem ao menos do que se trata. Será que os ilustres Drs.  tiveram ao menos a pachorra de perderem alguns minutos do seu precioso tempo lendo os nossos argumentos JURÍDICOS? Não acredito.

Vejam o meu último artigo em: http://www.profpito.com/OSBACHAREISEOSADVOGADOSOABSURDODOEXORD.html

Se tiverem argumentos JURÍDICOS, estarei à disposição para o debate.

Um abraço do

Fernando Lima

 

 

(Régis C. Ares (Advogado Autônomo 16/01/2008 - 12:51)

Colegas,

 

É muito justo!

Que se abra o mercado, oras!

 

Viva o "Movimento"! Abaixo o malvado e "rigidíssimo" exame da O.A.B. que impede que pseudo-bacharéis formados em duvidosas instituições de ensino jurídico se tornem advogados!

 

Isso está certíssimo! Não concordam?

 

Mas que não permaneça apenas nisso! Que se erradique, ainda, o exame de admissão às carreiras da Magistratura e do Ministério Público!

 

ABAIXO OS EXAMES, que cometem a injustiça de selecionar apenas àqueles que tem o devido preparo básico para exercer a profissão!

 

Ora, os DESPREPARADOS também tem o sagrado direito de trabalhar! E os clientes? Ora, quem se importa?...

 

Que se abra o mercado, que se proliferem como coelhos às faculdades de Direito, que sejam admitidos na Ordem os denominados "Paralegais" e que sejam erradicados todas e quaisquer formas de exame!

 

E que o Caos, finalmente, reine soberano em nossa já tão castigada advocacia!

 

É ridículo!...

 

 

MAIS UMA PROVA DE QUE O EXAME DA OAB NÃO SELECIONA COISA NENHUMA:

Vejam os comentários desta "Advogada".

E ela ainda tem a coragem de falar em "despreparo intelectual" e dizer: "vão estudar meus filhos"!

Na verdade, tem gente que não se ENCHERGA.....

 

Flavia (Advogado Autônomo 17/01/2008 - 00:36

Meus caros, o que é isso? banalização? Tais membros fundadores deste "movimento", aspirantes à advocacia inconformados com o seu despreparo intelectual resolvem lançar a mão,por via contrária a naturalidade, que é fazer o exame da ordem e passar, forçar a justiça a enchergar que a capacidade da caneta do juiz vale mais que a capacidade intelectual que 5 anos de estudos não lhe deram!? Com a devida data venia, aqueles que me lêem: vão estudar meus filhos! E a gente acha q já viu muita coisa...

 

 

 

 

 

 

 

Prezado Dr. Felippe Mendonça,

(Felippe Mendonça- Com. Def. da Repúbl. e da Demo. da OAB/SP (Advogado Associado a Escritório 16/01/2008 - 01:42)

Até que enfim, uma opinião coerente,  e vinda de um Conselheiro da OAB!

Veja bem, Dr.:

Ninguém está dizendo que o Exame deve acabar, pura e simplesmente. Você tem razão.

O que nós queremos, e já apresentamos um anteprojeto, para essa finalidade, é que o Exame da OAB seja extinto, mas seja substituído por um Exame do MEC.

O Exame da OAB deve acabar,  porque é inconstitucional, por inúmeras razões, que constam de uma dúzia de artigos meus e de muitas dúzias de  artigos, de outros colegas, inclusive alguns do Dr. Vital Moreira, um dos mais renomados constitucionalistas de Portugal, que estão publicados na minha página: http://www.profpito.com/exame.html

A sua idéia da avaliação semestral talvez seja um pouco exagerada, mas o certo é que, na minha opinião, o acadêmico somente deveria ser diplomado se fosse aprovado no Exame, ou nos Exames, do MEC, e nas provas da sua faculdade. Quem deve reprovar o acadêmico é a faculdade e o MEC. E cabe ao MEC, evidentemente, fechar as faculdades que não tenham o mínimo de condições para formar um bacharel em Direito.

Depois de diplomado, evidentemente, o acadêmico poderia obter a sua inscrição na OAB.

Esse é o absurdo, que hoje está ocorrendo: não compete à OAB avaliar o ensino nem os bacharéis, mas mesmo assim o diploma da faculdade não vale nada, se o bacharel não for aprovado no Exame da OAB, que ninguém fiscaliza e que tem sido marcado por inúmeras fraudes, que envolveram até mesmo dirigentes da OAB, como em Goiás e no Distrito Federal.

Se existem faculdades de baixa qualidade, isso não transfere a competência, que é do MEC (Constituição Federal, art. 209), para a OAB.

Um abraço do

Fernando Lima

 

 

Felippe Mendonça- Com. Def. da Repúbl. e da Demo. da OAB/SP (Advogado Associado a Escritório 16/01/2008 - 01:42

Nem pensem em insinuar que esses jovens bacharéis são incapazes de serem aprovados nos exames da OAB/RJ e, só por isso, criaram esse grupo.
Longe disso ser verdade, viu colegas?

Agora quanto ao Exame.
Não deveria existir mesmo. Assim como não deveriam existir alunos aprovados em faculdades incapacitadas, incompetentes, fracas etc.
O Exame da Ordem é um remédio a um problema maior que é a falência educacional.
Prego há tempos que deveria existir uma avaliação semestral dos acadêmicos por uma instituição formada por representantes da OAB, da Magistratura, da Procuradoria, Defensoria e Ministério Público.
Durante 5 anos de faculdade de Direito, dez provas sérias, feitas por profissionais sérios e resguardadas por pessoas sérias (como qualquer concurso), ao final de cada semestre, com a obrigatoriedade de nota 7 para aprovação e acesso ao semestre posterior. Só assim se formaria um bacharel em Direito, que, se assim escolhesse, poderia inscrever-se na OAB.

Enquanto as faculdades não forem sérias e jogarem no mercado inúmeros profissionais incapazes, quero que o Exame seja cada vez mais difícil, isso sim.

Felippe Mendonça