Universidade Federal de Pernambuco

Centro de Educação

Programa de Pós–Graduação em Educação

Inácio José Feitosa Neto

O ENSINO JURÍDICO: uma análise dos discursos do MEC e da OAB no período de 1995-2002.

Recife

2006

4

Inácio José Feitosa Neto

O ENSINO JURÍDICO: uma análise dos discursos do

MEC e da OAB no período de 1995-2002.

Dissertação apresentada como requisito

complementar para obtenção do grau de Mestre em

Educação, do Programa de Pós-Graduação em

Educação da Universidade Federal de Pernambuco

Orientador: Prof. Dr. Alfredo Macedo Gomes

Recife

2006

5

6

7

No céu, ao meu pai João Feitosa Santa Cruz (i.m.),

homem de enormes qualidades morais. Tenho certeza

que onde estiver estará feliz e transmitindo sua alegria

para todos.

Na terra, a minha querida mãe, Bernadete Torres Feitosa,

um ser iluminado a quem Deus me brindou tê-la como

mãe.

No coração, a minha linda esposa Bel, que me ensinou a

importância de construir uma família e o amor.

8

Agradecimentos

O destino é a mão de Deus em nossas vidas. Por muitas vezes ele intervém em

nossas existências sem entendermos suas intenções. Só o tempo nos possibilita

conhecermos nossas missões. Por isso não poderia deixar de agradecer.

a Deus em primeiro lugar e aos meus irmãos e a minha família pelas lições diárias e

as oportunidades de aprendizado;

ao meu amigo de muitos anos, irmão e eterno professor José Janguiê Bezerra Diniz

e sua esposa Sandra Cristina;

ao grande mestre Edvaldo Ferreira, amigo de todas as horas e de todas as

correções;

a Jânyo Diniz e Jonaldo Janguiê, companheiros de muitas lutas e de grandes

vitórias;

ao Prof. Alfredo Macedo Gomes, umas das pessoas mais dignas e competentes que

já conheci, agradeço a confiança em mim depositada;

agradeço a imensa colaboração e gentileza dos entrevistados da minha dissertação:

Ministro Paulo Renato Souza (MEC); Ministro Bresser Pereira (MARE); Paulo

Roberto Medina (OAB); Iara de Xavier (INEP); Celso Frauches (CFE); e a Edson

Nunes (CNE). A todos esses protagonistas, meu muito obrigado;

não poderia deixar de agradecer o auxílio de João Maurício Adeodato; Ruyter

Bezerra; Conceição Torres; Gorete Chaves, Flávia Cavalcanti, Raquel Rodrigues,

Cláudio Vasconcelos, Maria Carolina Tavares, colaboradores de meus estudos; e a

todos que fazem a Faculdade Maurício de Nassau, e aos que contribuíram direta ou

indiretamente para o sucesso desse trabalho.

e, por fim, ao povo de Monteiro/PB, cidade que considero minha pátria e onde

sempre retorno para abastecer-me da cultura popular, que tanto bem faz a minha

vida.

9

Chega sempre a hora em que não basta apenas

protestar: após a filosofia, a ação é indispensável.

(Victor Hugo “Os miseráveis”)

10

Resumo

Nesta pesquisa, de natureza qualitativa, procuramos contribuir para o entendimento

dos discursos do MEC e da OAB sobre o ensino jurídico no Brasil, durante o governo

de Fernando Henrique Cardoso (FHC) no período de 1995 a 2002. Buscamos

compreender e explorar até que ponto uma política de Estado - como foi o Plano

Diretor de Reforma do Aparelho do Estado (MARE, 1995) - influenciou na construção

de uma nova estrutura jurídica para o ensino superior brasileiro, mediante os

princípios consagrados pelo neoliberalismo, tais como: eficiência, avaliação,

flexibilização e regulação. Em seguida, relacionamos as divergências do Ministério

da Educação (MEC) e da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) para o ensino

jurídico partindo da análise de Portaria MEC n. 1.886/94, defendendo o currículo

mínimo, com o Parecer CES/CNE/MEC n. 146/02, tratando das Diretrizes

Curriculares Nacionais, ambos relacionados ao ensino jurídico. Somente assim

conseguimos entender toda a relação de poder que envolve o MEC e a OAB acerca

do tema “ensino jurídico”, desde a autorização de um novo curso, passando pela

definição da política curricular, até a avaliação dos cursos que se deu pelo “provão”

do MEC e pelo selo “OAB RECOMENDA”, da Comissão de Ensino Jurídico da OAB.

A metodologia aplicada reúne um exaustivo levantamento de fontes bibliográficas,

documentais, acompanhada da aplicabilidade de entrevistas com atores do ciclo

político brasileiro, que desempenharam papel fundamental nas tomadas de decisão

sobre a questão. A análise do discurso destes atores aliada à premissa teórica

permite uma ampla análise do ensino jurídico contemporâneo. Consideramos de

forma conclusiva que o tema denota importância e continuidade de discussões,

sobretudo na questão voltada para o ineditismo na literatura educacional brasileira.

Palavras -chave: Reforma do Estado. Educação Superior. Ensino Jurídico.

11

Abstract

In this research, of qualitative nature, we look for to contribute for the agreement of

the speeches of the MEC and the OAB on legal education in Brazil, during the

government of Fernando Henrique Cardoso (FHC) 1995 the 2002. We search to

understand and to explore, until point one politics of State - as it was the Managing

Plan of the Reformation of the Device of the State (MARE, 1995) - influenced in the

construction of new structure legal for Brazilian superior education, by means of the

principles consecrated for the neoliberalismo, such as: efficiency, evaluation,

flexibilization and regulation. After that, we relate the divergences of the MEC and of

the OAB for legal education leaving of the analysis of It would carry MEC n. 1.886/94,

defending the minimum resume, with Appearance CES/CNE/MEC n. 146/02, treating

to the National Curricular Lines of direction, both related to legal education. Thus we

only obtain to understand all the relation of being able that it involves the MEC and

the OAB concerning the subject "legal education", since the authorization of a new

course, passing for the definition of the curricular politics, until the evaluation of the

courses that if gave, for "progo" of the MEC and for stamp "OAB IT RECOMMENDS",

of the Commission of Legal Education of the OAB. The applied methodology

congregates an exhausting survey of bibliographical sources, registers, folloied of the

applicability of interviews with actors of the cycle Brazilian politician, who had played

basic role in the decision taking on the question. The analysis of the speech of these

actors allied to the theoretical premise allows to an ample analysis of legal education

contemporary. We consider of conclusive form that the subject denotes importance

and continuity of quarrels, over all in the question directed toward the ineditismo in

Brazilian educational literature.

Key –words: State. The reformation of the State. Higher Education. Legal Education.

12

Lista de Tabelas

Tabela 01 - Ações do Reino Unido 37

Tabela 02 – Matrículas em cursos de graduação presenciais

no Brasil entre 2000 e 2004

59

13

Lista de Quadros

Quadro 1- Competências do novo CNE em comparação com o

extinto CFE.

53

Quadro 2 – Categorização das DCN 108

Quadro 3 – Sistematização das Diretrizes do Currículo Mínimo 119

14

Lista de Siglas e Abreviaturas

ABMES Associação Brasileira das Mantenedoras

de Ensino Superior

ADIN Ação Direta de Inconstitucionalidade

APG Administração Pública Gerencial

BID Banco Interamericano de Desenvolvimento

CAPES Coordenação de Aperfeiçoamento de

Pessoal de Nível Superior

CES Câmara de Educação Superior

CEJ/CEJU Comissão de Ensino Jurídico

CF Constituição Federal

CFE Conselho Federal de Educação

CNE Conselho Nacional de Educação

DCN Diretrizes Curriculares Nacionais

ENC Exame Nacional de Cursos

FHC Fernando Henrique Cardoso

IES Instituição de Ensino Superior

IFES Instituições Federais de Ensino Superior

IN Instruções Normativas

INEP Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas

Educacionais Anísio Teixeira

LDB Lei de Diretrizes e Bases da Educação

Nacional

MEC Ministério da Educação

MP Medida Provisória

MS Mandado de Segurança

NAP Nova Administração Pública

OAB Ordem dos Advogados do Brasil

OS

PNE

Organizações Sociais

Plano Nacional de Educação

PPC Projeto Pedagógico de Cada Curso

PPE Planejamento Estratégico

PUC Pontifícia Universidade Católica

SEGES Secretaria de Gestão

SESU Secretaria de Educação Superior

STF Supremo Tribunal Federal

STJ Superior Tribunal de Justiça

TCU Tribunal de Contas da União

UFAL Universidade Federal de Alagoas

UnB Universidade de Brasília

15

Sumário

1 Introdução 12

2 Procedimentos Metodológicos 17

3 O Estado brasileiro no governo FHC 22

4 A Educação Superior no Brasil 51

5 O Ensino Jurídico 81

6 Análise discursiva dos atores no cenário OAB x MEC 123

7 Conclusões 144

Referências 149

12

1 Introdução

A presente pesquisa tem por objetivo analisar comparativamente as propostas

do Ministério da Educação (MEC) e do Conselho Federal da Ordem dos Advogados

do Brasil (OAB) em torno das diretrizes curriculares do curso de Direito. Busca-se,

ao analisar o tema, O ENSINO JURÍDICO: uma análise dos discursos do MEC e da

OAB no período de 1995-2002, compreender o processo de formação e

reformulação da política curricular no período em apreço.

Nosso estudo tem como referencial empírico o governo1 do Presidente

Fernando Henrique Cardoso (1995 a 2002), focalizando as relações entre a reforma

do Estado, o campo da educação superior e o ensino jurídico.

É importante relembrar que, ao assumir a Presidência da República em

Janeiro de 1995, Fernando Henrique Cardoso (FHC) inicia em seu governo um

processo de reforma administrativa do Estado, cujas diretrizes máximas são

oriundas do Ministério da Administração Federal e da Reforma do Estado (MARE),

órgão responsável pela reforma do Estado, comandado por Bresser Pereira.

Este passa a coordenar o processo de desenvolvimento de um novo modelo

de Estado, que se volta para reestruturação da administração pública, tornando-a de

caráter gerencial. Passa-se a conhecer, desde então, um novo perfil de

administração do Estado, denominado pelos próprios formuladores de administração

pública gerencial (BRESSER PEREIRA, 1998, p. 205).

A capacidade do Estado de reestruturar-se para atender as demandas do

mundo contemporâneo é a principal justificativa da “reforma” que, segundo o seu

1 Para fins metodológicos vamos chamar de “governo FHC” o período compreendido de 1995 a 2002,

sempre no singular.

13

maior fiador, procurou assegurar que o Estado não deve concentrar-se na ação

direta para a produção de bens e de serviços (CARDOSO, 2003, p.15).

O Estado brasileiro nesse período passa por transformações em sua estrutura

administrativa para o exercício de suas competências constitucionais2, verdadeiras

reformas do Estado, em uma concepção mais abrangente, e terá repercussões

profundas no setor da educação superior.

Os princípios norteadores da administração pública gerencial (destaque para

a flexibilização e eficiência) passam a ser tratado no setor das atividades nãoexclusivas

do Estado (saúde e educação). Novos parâmetros são definidos dentro

do Plano Diretor da reforma do aparelho estatal (BRASIL, 1995b, p. 13), que dispõe:

“Deste modo, o Estado reduz seu papel de executor ou prestador de

serviços, mantendo-se, entretanto, no papel de regulador e provedor ou

promotor destes, principalmente dos serviços sociais como educação e

saúde, que são essenciais para o desenvolvimento, na medida em que

envolvem investimento em capital humano”.

Paralelamente ao Ministro Bresser Pereira, assumira o MEC Paulo Renato

Souza, ex-gerente de operações do Banco Interamericano de Desenvolvimento

(BID) e ex-reitor da Unicamp, presente nos dois mandatos de FHC. É a partir do

MEC que irão ser operadas variadas medidas de política que mudarão

consideravelmente a educação superior no Brasil.

É interessante observar que no mesmo período em que eram realizadas

reformas no Estado entra em vigor a Lei. 9.394/96, Lei de Diretrizes e Bases da

Educação Nacional (LDB), e outras normas ordinárias, medidas provisórias,

portarias etc., reformulando a Educação Superior brasileira, adequando-a, pois, ao

novo modelo de Estado que estava sendo construído.

2 Constituição da República Federativa do Brasil, Art. 18, trata da Organização do Estado.

14

As mudanças educacionais advindas da reforma do aparelho do

Estado produzidas no governo FHC interferem na organização da

educação superior, particularmente no ensino jurídico, encontrando

resistências3 na OAB, entidade de classe com perfil conservador que

intenciona exercer um papel de “guardião do ensino jurídico”.

Neste momento, é possível vislumbrar que o MEC elabora para a educação

superior modelos mais flexíveis de gestão, onde o Estado, representado pelo

Ministério da Educação, passa a exercer políticas de coordenação, de avaliação e

de supervisão (GOMES, 2003), como é o caso das Diretrizes Curriculares Nacionais

(DCN).

O Parecer CES/CNE/MEC n. 146/20024, da Câmara de Educação Superior do

Conselho Nacional de Educação, que instituiu as Diretrizes Curriculares Nacionais5,

revogou o currículo mínimo6 do curso de Direito, possibilitando que a duração do

curso se limitasse há três anos.

Uma análise mais detalhada do Parecer CES/CNE/MEC n. 146/02 evidencia a

presença de conceitos da administração pública gerencial esculpidos no referido

documento, como será tratado nessa pesquisa.

A revogação do currículo mínimo do curso de Direito provoca na OAB, por

meio do seu Conselho Federal, protestos veementes que, não sanados na esfera

administrativa vão findar no Poder Judiciário7. O Parecer CES/CNE/MEC n. 146/02

torna-se o centro das discussões entre o MEC e a OAB.

3 Esse tema será desenvolvido adiante em uma análise mais específica.

4 Publicado em 13 de maio de 2003 no Diário Oficial da União.

5 Estabelece as diretrizes curriculares nacionais dos cursos de graduação em direito, ciências

econômicas, administração, ciências contábeis, turismo, hotelaria, secretariado executivo, música,

dança, teatro e design.

6 Portaria MEC n. 1.886, de 30 de dezembro de 1994, do MEC, fixou as diretrizes curriculares e o

conteúdo mínimo do curso de Direito.

7 Mandado de Segurança n. 8.592/DF (2002/01074990-7), STJ – Superior Tribunal de Justiça,

Assunto: Ensino Superior. Impetrante: Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil.

15

Para conhecermos com mais profundidade a temática relativa ao ensino

jurídico, visitamos, em 2003, o Conselho Federal da OAB, em Brasília/DF, e

constatamos essa acirrada discussão entre o MEC e a OAB.

Assim, observamos a necessidade de aprofundar a discussão acerca do

assunto, como forma de elucidarmos as seguintes perguntas de pesquisa:

1. A revogação do currículo mínimo do curso de Direito (Portaria MEC

n. 1.886/94) pelo Parecer CES/CNE/MEC n. 146/2002 foi um reflexo

da Reforma do Estado, do governo de FHC?

2. Quais as propostas do MEC e da OAB para o ensino jurídico?

3. Qual o papel da OAB no ensino jurídico? A OAB pode ser um

regulador dos cursos jurídicos?

4. Quais as conseqüências gerenciais e ideológicas dos

posicionamentos do MEC e da OAB, respectivamente?

Trata-se de um estudo que traduz as inquietações anteriormente levantadas,

projetando um cenário propenso para pesquisarmos a dimensão educacional, a

política estatal do governo de FHC e sua repercussão no ensino jurídico.

Trabalhar um objeto de estudo que envolve cenários historicamente

estruturados (OAB e MEC) nos leva a uma grande aventura, pautada pela ousadia e

curiosidade científica, no sentido de esclarecer fatos, que no decorrer da nossa

pesquisa ofereceram a intenção de expor um quadro verossímil da realidade que

circunda atores em potencial conjugados da época e as conjecturas e possibilidades

de um provável equilíbrio da melhoria da qualidade do ensino jurídico. Iniciamos aqui

nossa proposta nos moldes metodológicos de uma investigação científica sobre

Impetrado: Ministro do Estado da Educação. Distribuído em 09/09/2002, Relator: Ministro Franciulli

Netto.

16

diferentes discursos, que nos permitiram fortes reflexões mencionadas nos próximos

capítulos.

17

2 Procedimentos Metodológicos

Para execução deste trabalho, tivemos como ponto de partida a análise

especificamente da relação entre o caso real e as hipóteses mais prováveis. Desse

modo, seguimos uma visão sistêmica do objeto de estudo, ordenada segundo

princípios lógicos necessários ao rigor científico.

Buscamos, assim, primar pelos procedimentos metodológicos e critérios

adotados, antecedendo o tópico sobre os resultados obtidos e recomendações.

Dando, assim, visibilidade para a compreensão da problemática tratada.

Esta pesquisa caracteriza-se por ser de análise interpretativa acerca do

ensino jurídico e as perspectivas do MEC e da OAB.

Para lograrmos êxito no presente trabalho, recorremos a um caminho lógico,

exaurindo os caminhos estabelecidos. A metodologia compreende:

1. levantamento documental, onde foram analisados e relacionados

documentos do período do governo FHC oriundos do MARE, a legislação

selecionada de acordo com a proposta deste estudo para Educação Superior,

provindo do MEC, do CNE e do Congresso Nacional e, por último, o Mandado de

Segurança (MS n. 8.592), que compreende as posições da OAB e do MEC para o

Ensino Jurídico, assim como outros documentos da OAB.

Dessa feita, a coleta de dados inicial baseada na fundamentação teórica

mencionada propiciou a análise das informações necessárias ao desenvolvimento

do estudo.

2. realização de entrevista semi-estruturada, direcionada aos testemunhos

privilegiados envolvidos diretamente com o tema em apreço, os atores sociais. Para

tanto, entrevistamos:

a) o Sr. Paulo Renato Souza, ex-ministro da Educação (MEC) no governo FHC;

18

b) o Sr. Paulo Roberto Medina – Presidente da Comissão de Ensino Jurídico do

Conselho Federal da OAB;

c) o Sr. Celso Frauches, consultor educacional e ex-secretário geral do CFE –

Conselho Federal de Educação;

d) o Sr. Edson Nunes, atual Presidente do Conselho Nacional de Educação – CNE;

e) a Sra. Iara Moraes de Xavier, Coordenadora do Instituto Nacional de Estudos e

Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira – INEP.

O representante das instituições de ensino privado designado em nosso

projeto de pesquisa tinha sido o Sr. José Carbonari, vice-presidente da ABMES –

Associação Brasileira de Mantenedoras do Ensino Superior. Porém, devido a fatores

burocráticos, não logramos êxito na entrevista. Fato este que não causou prejuízo à

conclusão da presente pesquisa.

A entrevista semi-estruturada orientou-se para as seguintes indagações:

1. A revogação do currículo mínimo do curso de Direito (Portaria MEC n.

1.886/94) pelo Parecer CES/CNE/MEC n. 146/02 foi um reflexo da Reforma do

Estado, do governo de FHC?

2. O modelo de administração pública gerencial (de FHC) encontra-se

presente nas atividades do MEC? E do Inep?

3. Qual o papel da OAB no ensino jurídico? A OAB pode ser um regulador dos

cursos jurídicos?

4. Existe interferência da OAB no processo de organização da educação

superior no Brasil?

5. Quais suas sugestões na articulação entre o MEC e a OAB?

19

Esses dados foram coletados no primeiro semestre de 2006, nas cidades de

Recife/PE, Brasília/DF e São Paulo/SP após contatos pessoais com os

entrevistados. Em seguida, procedemos com a categorização das entrevistas.

Mister se faz mencionarmos que a conclusão deste segundo momento deu-se

com o tratamento qualitativo dos dados, expondo e analisando as posições dos

atores sociais sobre as relações entre os fatos descritos acerca da reforma do

Estado, da educação superior e seus desdobramentos no ensino jurídico.

Para efeito, pois, da referida análise interpretativa, tomamos como marco

metodológico a corrente teórica denominada Análise do Discurso, preconizada pela

Escola Francesa, e suas releituras, notadamente baseados no trabalho de Norman

Fairclough (2001), que, tal quais todos os teóricos da referida corrente elegeram o

texto como objeto empírico da análise do discurso:

“(...), realmente nunca se fala sobre os aspectos de um texto sem

referência à produção e/ou interpretação textual. Por causa dessa

sobreposição, a divisão dos tópicos analíticos entre análise textual e

análise da prática discursiva (...) não é nítida, onde os aspectos formais

do texto são mais destacados, os tópicos são aí incluídos; onde os

aspectos produtivos e interpretativos são mais destacados, os tópicos

são incluídos na análise da prática discursiva, mesmo que envolvam

aspectos formais dos textos” (FAIRCLOUGH, 2001, p. 101).

Ora, para o referido autor, a análise do discurso é uma poderosa ferramenta

de investigação quando sua função foi a de elencar as construções ideológicas que

estão presentes nos textos, notadamente através dos sujeitos enunciadores:

“Essa visão da relação entre sujeito e enunciado é elaborada por meio

de uma caracterização de formações discursivas constituídas por

configurações particulares de modalidades enunciativas. Modalidades

enunciativas são tipos de atividades discursivas, como descrição,

formação de hipóteses, formulação de regulações, ensino e, assim por

diante, cada uma das quais tem associada suas próprias posições de

sujeito” (FAIRCLOUGH, 2001, p. 68).

20

Na mesma linha acrescentamos o pensamento de Rocha e Deusdara ( 2005)

ao trabalhar conceitos diferenciais entre a Análise de Conteúdo e Análise de

Discurso, enaltecendo que o surgimento da Análise do Discurso se caracteriza não

só por uma reorientação teórica da relação entre o lingüístico e o extralingüístico,

como também por uma mudança da postura do observador em face do objeto de

pesquisa. A linguagem, de um ponto de vista discursivo, não pode apenas

representar algo já dado, sendo parte de uma construção social que rompe com a

ilusão de naturalidade entre os limites do lingüístico e os do extralingüístico. A

linguagem não se dissocia da interação social.

Em nossa pesquisa, essas posições compreendem o arcabouço normativo

defendido respectivamente pelo governo de Fernando Henrique Cardoso, no tocante

às Diretrizes Curriculares Nacionais para os Cursos de Direito no Brasil, e sua

contraposição normativa preconizada pela OAB, no tocante às condições mínimas

necessárias para o ensino jurídico brasileiro, sobretudo referente ao currículo

mínimo da Portaria MEC n. 1.886/94.

Nesse sentido, e, em linhas gerais, procedemos à análise de ambos os

textos, tomando-os enquanto discursos nos quais estão encravadas as intenções

ideológicas de cada órgão destes, tentando enxergar neles as regularidades

ideológicas e/ou as construções ideológicas que só poderão ser analisadas nos seus

contextos histórico-sociais, visto que, de acordo com o autor, esses discursos

refletirão, necessariamente, a visão de mundo dos proponentes de suas políticas e

que tais textos normativos refletem esses valores ideologizados.

Por outro lado, e do ponto de vista metodológico, cumpre-nos lembrar que

esse contexto ideológico são os discursos neoliberais ou as modalidades

21

enunciativas do neoconservadorismo, respectivamente, sustentados por ambos,

bem como suas conseqüências no ensino jurídico brasileiro.

Após a aplicação da metodologia adotada, partiremos para o capítulo de

resultados obtidos e recomendações, expressando nossas conclusões

fundamentadas com os dados comprobatórios citados anteriormente.

22

3 O Estado brasileiro no governo de FHC

Escrever sobre Estado não é tarefa das mais prazerosas, principalmente

quando buscamos compreender o seu significado diante do fenômeno da

globalização8. Também é verdade que a dinâmica vivenciada nas últimas décadas

tem contribuído para a formação e integração dos povos e dos Estados.

Ao mesmo tempo é possível vislumbrarmos um processo de

“desregulamentação das atividades econômicas e sociais pelo Estado, baseada na

superioridade da ‘eficiência do mercado’ em relação ao ‘Burocratismo do Estado”

(FERNANDES, 1995, p. 57).

Portanto, os Estados estreitam suas relações no contexto político

internacional, integrando suas atividades econômicas, comerciais e diplomáticas,

incorporando ao seu ordenamento jurídico novas políticas do cenário internacional.

Não podemos esquecer que o Estado tem como finalidade precípua organizar

sua sociedade, em um território, com a fixação de regras de comportamento, sendo

o executor de sua soberania. Tais regras de comportamento vão estar presentes no

Direito e na Política (DALLARI, apud RANIERE, 2000).

Alguns autores destacam que:

“Estado é uma sociedade humana estabelecida num território que o

corresponde, estruturada e regida por um ordenamento jurídico, o qual

é criado, definido e aplicado por um soberano, para obter o bem

público temporal, formando uma instituição com personalidade moral e

jurídica” (PERÉZ, 1979. p. 22).

8 JOHNSON (1997, p. 117) explica que a globalização “é um processo no qual a vida social é cada

vez mais afetada por influências internacionais com origem em praticamente tudo, de laços políticos e

de comércio exterior à música, estilos de vestir e meios de comunicação de massa comuns a vários

países. (...)”.

23

A perspectiva de Maluf (1998, p. 22) é de que “O Estado é o órgão executor da soberania nacional”, mas verificaremos que

devido à crise9 fiscal vivenciada em nível global, principalmente nas décadas de 1970 e 1980, o Estado passará de executor a regulador de

suas atividades ligadas, sobretudo, aos direitos sociais, como a educação. Preservará sua soberania, mas sua ordem jurídica nacional terá que

se adequar a um novo modelo de organização administrativa influenciada pelo mercado, através do modelo neoliberal que se concretiza nos

governos de Thatcher e Reagan.

Nessa perspectiva encontramos em Afonso (2001, p. 3) um entendimento interessante sobre Estado:

“ (...) O Estado será aqui genericamente entendido como a organização

política que, a partir de um determinado momento histórico, conquista, afirma

e mantém a soberania sobre um determinado território, aí exercendo, entre

outras, as funções de regulação, coerção e controle social – funções essas

também mutáveis e com configurações específicas, e tornado-se, já na

transição para a modernidade, gradualmente indispensáveis ao funcionamento,

expansão e consolidação do sistema econômico capitalista” (Grifo do autor).

A idéia de que o Estado é obra da “inteligência e da vontade de seus

membros do grupo social, ou dos que nele exercem o governo”, conforme defende

Azambuja (1968, p. 5), é complementada pelo fenômeno da globalização. Na

atualidade, o Estado passa a ser também o epicentro das disputas de poder, em

quaisquer de suas variações: político, social, acadêmico, funcional e econômico, por

exemplo.

No caso brasileiro, podemos verificar que a presença “de receitas econômicas

e programas políticos que começaram a ser propostos nos anos 1970 (THERBORN

apud SADER; GENTILI; 1995, p. 139)” - como foi o caso do neoliberalismo -

influenciaram as políticas voltadas para a reforma do Estado e conseqüentemente

para a educação superior durante o governo de FHC. Não podemos esquecer que o

neoliberalismo prega o Estado mínimo e que o mercado funcione livremente.

Para Dias Sobrinho (2005, p. 62):

“O neoliberalismo tem como objetivo central o lucro; é ao mesmo

tempo uma ideologia e um conjunto de práticas próprias do mercado e

do mundo dos negócios”10.

9 Para Paula (2005, p. 38) as reformas promovidas por FHC tiveram como insurgência a questão da

crise do Estado e as críticas ao patrimonialismo e ao autoritalismo do Estado, sendo traçadas

estratégias neoliberais para promoção da estabilidade econômica do país.

10 Adotaremos essa orientação ao nos referirmos ao neoliberalismo.

24

Contextualizando nossas idéias, julgamos importante citarmos Holanda (1998,

p. 9):

“No final da década de 80, no limiar do século XXI, um ciclone

varreu o simbólico Muro de Berlim e desencadeou uma avalanche

de acontecimentos que, como Caronte, conduziu o fantasma do

comunismo que, segundo Karl Marx, rondava a Europa no século

XIX, para o Aqueronte11. O fenômeno tem repercussão em todo o

planeta; mudanças profundas na vida dos homens, povos e blocos

políticos colocaram em dúvida a esperança por um mundo melhor.

Não chegou a ser o apocalipse, todavia o fim da história foi

anunciado e uma ‘Nova Ordem Mundial’ começou a ser

estabelecida”.

O surgimento de políticas neoliberais tem seu ápice no governo de FHC que

promoveu a reforma do Estado, objetivando afastar o Estado da produção de bens e

serviços “para se transformar, sobretudo, em regulador do processo de mercado”

(AFONSO, 2001, p. 8).

Os princípios da reforma de FHC estão presentes no documento denominado

de Plano Diretor de reforma do aparelho estatal (BRASIL, 1995b), onde este buscou

implantar a administração pública gerencial face ao modelo de administração

burocrática existente na administração pública. Para melhor compreensão do tema,

necessário se faz contextualizarmos aquele momento histórico que antecede a FHC.

Os primeiros ensaios da reforma do Estado, dos quais trataremos neste

estudo, se deram inicialmente no governo Collor de Melo, quando da abertura

comercial, refletida na implementação do modelo neoliberal da economia brasileira;

na abertura às importações com incentivo de redução tarifária; na privatização de

empresas e serviços públicos, entre outros aspectos.

11 O autor assevera: “Caronte era o barqueiro que, segundo Dante, tinha como missão transportar

para o inferno as almas dos condenados às penas eternas. Aqueronte era o rio do inferno onde se

achava o terrível Caronte”.

25

Entretanto, o intitulado Plano Collor não chegou a ter êxito, visto que a crise

do governo relativa à corrupção, que imperou naquele momento político, estagnou o

processo de estabilidade econômica, que, segundo Alcoforado (1998, p. 17):

“A inexistência de um projeto claramente definido para o País

inviabiliza, por sua vez, a mobilização dos agentes econômicos

internos e a atração de capitais externos”.

Sobre o governo Itamar Franco, podemos considerar que este não trouxe

nenhuma contribuição significativa em relação à elaboração de políticas voltadas

para o Estado e sua reestruturação econômica. Nenhum fato novo, ou mesmo,

qualquer iniciativa ou continuidade de projeto de desenvolvimento econômico

tentado por Collor de Mello foi observado. Foi um governo de transição política, em

um momento delicado de nossa História. Como bem assentado por Silva Júnior e

Sguissardi (2001, p. 27), o processo de reforma do aparelho estatal foi “relaxado”

nesse período.

Em relação à educação superior, é importante observarmos que foi no

governo de Itamar Franco que houve a extinção dos mandatos dos membros do

Conselho Federal de Educação (CFE) e a criação do Conselho Nacional de

Educação (CNE) pela MP de n. 661/94, por suspeita de corrupção, tráfico de

influências e, principalmente, por “privilegiamento de instituições privadas de ensino

superior” (SILVA, 2002, p. 122).

O governo FHC inicia-se após um período de turbulência política marcada

pelo impeachment de Collor12, e a tentativa frustrada de planos de estabilidade

econômica que culminaram com FHC sendo o ministro da fazenda do governo de

Itamar Franco.

12 FERNANDES (1995, p. 61) acredita que o impeachment de Collor representou uma importante

vitória contra a consolidação do projeto neoliberal no Brasil.

26

O país buscava a estabilidade em todos os sentidos: na política, na economia,

nas finanças. Existindo ainda o sentimento de mudanças advindo dos “caras

pintadas”, e de outros movimentos sociais à época. O país clamava por mudanças.

Ao assumir a Presidência da República em Janeiro de 1995, Fernando

Henrique Cardoso inicia o processo de reforma13 administrativa do Estado, cujas

diretrizes máximas são oriundas do Ministério da Administração Federal e da

Reforma do Estado (MARE), órgão responsável pela reforma do Estado,

comandado por Bresser Pereira.

Este passa a coordenar o processo de desenvolvimento de um novo

modelo de Estado, que se volta para reestruturação da administração pública,

tornando-a de caráter gerencial. Passa-se a conhecer, desde então, um novo

perfil de administração do Estado, denominado pelos próprios formuladores de

administração pública gerencial (BRESSER PEREIRA, 1998, p. 205).

O desmantelamento do aparelho do Estado sob o argumento da crise fiscal,

econômica e social institucionalizada abaliza FHC a promover suas reformas. Como

diz Sader (1995, p. 35): “O neoliberalismo na América Latina – como na Europa – é

filho da crise fiscal do Estado”.

Em 1995, várias ações são produzidas com vista a implementar as reformas

administrativas no Estado brasileiro. Uma tentativa de reorganizar o aparelho estatal,

antes de tudo, para execução das políticas neoliberais que FHC objetivava instalar

no Estado.

A capacidade do Estado de reestruturar-se para atender as demandas do

mundo contemporâneo é a principal justificativa da “reforma” que, segundo o seu

13 O tema reforma do Estado não fazia parte dos temas de campanha de FHC em 1994. Passa-se a

receber tratamento especial quando FHC transforma a Secretaria da Presidência no MARE

(PEREIRA; SPINK, 2003, p. 21).

27

maior fiador, procurou assegurar que o Estado não deve concentrar-se na ação

direta para a produção de bens e de serviços (CARDOSO, 2003, p.15).

O Estado brasileiro nesse período passa por transformações em sua estrutura

administrativa para o exercício de suas competências constitucionais. Surge daí a

implementação da concepção da administração pública gerencial.

Nesse sentido,Trosa (2001, p. 19) afirma que:

"O Estado em todos os países é pressionado pela

administração pública a prestar contas. Não as contas

tradicionais, os longos relatórios autojustificados, mas a

prestar conta dos serviços prestados aos cidadãos, com quais

custos e com que eficácia (positivo ou negativo)”.

Os princípios norteadores da administração pública gerencial concentram-se

principalmente no setor das atividades não-exclusivas do Estado (por exemplo,

saúde e educação). Novos parâmetros são definidos dentro do Plano Diretor da

reforma do aparelho estatal (BRASIL, 1995b, p. 13), que dispõe:

“Deste modo, o Estado reduz seu papel de executor ou prestador de

serviços, mantendo-se, entretanto, no papel de regulador e provedor

ou promotor destes, principalmente dos serviços sociais como

educação e saúde, que são essenciais para o desenvolvimento, na

medida em que envolvem investimento em capital humano”.

Defende Bresser Pereira (2005, p.50):

“Enquanto a administração pública burocrática controla por

regulamentos detalhados, supervisão e auditoria, a gestão pública14

reduz esses controles e aumenta o papel da administração por

resultados, da concorrência administrada por excelência e do controle

ou responsabilização social”.

14 Bresser Pereira (2005, p. 50) equipara gestão pública à administração pública gerencial. A citação

é nesse sentido.

28

Para Bresser Pereira (2003, p. 23), a década de 1980, haja vista à crise do

endividamento mundial, foi marcada pelo ajuste fiscal e pelas reformas orientadas para o

mercado. Já nos anos 1990, mesmo permanecendo o ajuste estrutural, “figurou-se entre os

principais objetivos (do Estado)” a promoção de reformas.

Para Johnson (1997, p. 144) o mercado é um mecanismo social para a troca de bens e

serviços, e ainda: “Os mercados baseiam-se em certos princípios, como COMPETIÇÃO,

‘negócio justo’, lucro e obtenção de vantagens sobre outras pessoas (...)”sic.

Em relação à nossa pesquisa, esse quadro evidencia o afastamento do Estado no setor

educacional. O governo FHC afirma que a crise do Estado o impossibilita de responder

sozinho pela educação superior no Brasil. O Plano Diretor de reforma do Estado (1995)

confirma essa tese. É preciso passar para a iniciativa privada a oferta da educação superior,

sob o argumento de que a educação não é um serviço exclusivo do Estado. O mercado é

colocado como mecanismo que por si só coloca em ordem todo o sistema social (HOLANDA,

1998, p. 58).

Em resumo e em conformidade com o pensamento do então Ministro, a

reforma passava a ser vista como uma necessidade crucial (BRESSER PEREIRA,

2003, p. 22), mesmo sendo entendida, por Oliveira (2001,p.10), como “puro

malabarismo intelectual para esconder a proposta de simples privatização”

Para o governo FHC a reforma do Estado é antes de tudo uma oposição ao

sistema burocrático de gestão onde se prestigia o processo em prejuízo da eficiência

do serviço prestado (BRESSER PEREIRA, 2003, p. 241). A administração pública

burocrata já foi um avanço em relação à administração patrimonialista, presente nas

monarquias absolutistas, onde não se distinguia o patrimônio público do privado.

Ao mesmo tempo em que a administração burocrática apresenta-se esgotada

diante dos anseios da sociedade, ela também emerge como um símbolo do atraso,

29

da ineficiência e do engessamento da administração pública que impede o Estado

de avançar, de se desenvolver diante das questões sociais, sobretudo.

Para FHC, a administração burocrata representava o que havia de mais

retrógrado no Estado. Seu caráter rígido comprometia a iniciativa, a criatividade e a

capacidade de gestão (BRESSAN , 2002, p. 369).

Outra característica do sistema de administração burocrática é em relação ao

modelo centralizador das decisões e ao excesso de normas de controle, que deixava

a sociedade distanciada do Estado, relegada a segundo plano. A prioridade do

Estado era satisfazer a si próprio. Dessa forma, a reforma estatal haveria de

envolver principalmente a diferenciação dos serviços exclusivos e os não-exclusivos

do Estado, de forma que a atuação estatal brasileira não viesse a se distanciar da

sua “real” função, ou seja, o desenvolvimento das atividades exclusivas do Estado.

Daí a proposta do governo FHC de que o Estado passasse a funcionar apenas como

ente regulador, tanto na economia de mercado, como no campo de políticas sociais,

incluindo-se a educação.

Neste sentido assevera Gomes (2003, p. 841):

“A política de reforma oficial é no sentido de equipar e fortalecer

o potencial de coordenação, controle e regulação do Estado (ou

governamental) e estabelecer mecanismos para aumentar o

poder de controle do mercado, (grifo nosso) objetivando diminuir,

nesse movimento, a força coordenadora da comunidade

acadêmica”.

Defende FHC na apresentação do Plano Diretor da reforma do aparelho do

Estado (BRASIL, 1995b):

“Um dos aspectos centrais desse esforço é o fortalecimento do

Estado para que seja eficaz sua ação reguladora, no quadro de

uma economia de mercado, (grifo nosso) bem como os serviços

básicos que presta às políticas de cunho social que precisa

implementar”.

30

Apesar de toda proteção que o legislador constituinte15 de 1988 dedicou ao

tema Educação, inclusive na própria LDB, a proposta de reforma do ministro Bresser

Pereira previa claramente a transformação de universidades, escolas técnicas e

centros de pesquisas, em Organizações Sociais (OS), mediante celebração de um

contrato de gestão com o Poder Executivo e autorização do legislativo federal, para

a participação das mesmas, no orçamento público (BRESSER PEREIRA, 2003, p.

263).

A reforma do Estado foi formatada sobre a influência da auto-regulação das

atividades não-exclusivas do Estado pelo mercado, dentre elas, a educação. Daí a

necessidade de se estabelecer políticas flexíveis de controle, regulação e

coordenação das atividades não exclusivas do Estado, como defende FHC em seu

projeto piloto de reforma do Estado (BRASIL, 1995b). Este tópico será desenvolvido

posteriormente.

Cabe analisarmos até que ponto um direito social como a educação deveria

ser objeto da reforma do Estado promovida pelo governo FHC. É certo que a

reforma teria um pressuposto ideológico básico: o mercado.

Em seu texto “Universidade em Ruínas”, Chaui (1999)16 assevera que o fim

do Estado do Bem-Estar social se deu com o neoliberalismo, que é o responsável

pela reforma do Estado.

15 O Art. 6º da Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 assevera os direitos sociais.

São eles a educação, a saúde, o trabalho, a moradia, o lazer, a segurança, a previdência social, a

proteção à maternidade e a infância, a assistência aos desamparados (...); No Art. 205, enuncia a

educação como direito de todos e dever do Estado e da família (...); no Art. 208, estabelece que o

dever do Estado com a educação será efetivado mediante a garantia de: (...) Inciso V – acesso aos

níveis mais elevados do ensino, da pesquisa e da criação artística (...) e, o Parágrafo 1º do mesmo

artigo dispõe que o acesso ao ensino obrigatório e gratuito é direito público subjetivo.

16 No mesmo texto Chauí (p. 215) esclarece: “(...) a reforma do Estado transforma a educação de

direito em serviço e percebe a universidade como prestadora de serviços. Confere um sentido

bastante determinado à idéia de autonomia universitária, e introduz o vocabulário neoliberal para

31

Nesse mesmo sentido a autora citada reforça: “O mercado passa a ser o

portador de racionalidade sócio-política e agente principal do bem-estar da

República” (CHAUÍ, 1999, p. 211).

Realizadas as observações acima, cabe-nos indagar: deveria o Estado

ultrapassar os limites da produção econômica e invadir a seara dos direitos sociais

do cidadão, conquistados ao longo dos anos?

Pela visão do governo FHC a resposta seria positiva, posto que o Estado

mediante a setorização17, constante no Plano Diretor da reforma do Estado, não

teria condições de continuar assumindo as atividades não-exclusivas. Aprofundando,

ainda mais, as precárias condições do nosso estado de “mal-estar social”

(AZEVEDO, 1997, p. 2).

Seguindo ainda a proposta do governo FHC, a implantação da referida

reforma exigia a descentralização da administração pública, através da concessão

de agências administrativas e de organizações sociais. Veremos que a reforma do

Estado passa pela reforma da educação superior à medida que precariza este direito

social.

A legislação educacional que passa a ser produzida pelo MEC, principalmente

no primeiro mandato de FHC, articula as políticas do MARE. Analisemos:

“A proposta do MARE de extinção das atuais IFES e sua

transformação nas organizações sociais, fundações públicas de

direito privado, casa-se perfeitamente com o contido no caput do

artigo 54: as universidades “gozarão, na forma de lei, de estatuto

jurídico especial para atender às peculiaridades de sua estrutura,

organização e financiamento pelo Poder Público, assim como dos

seus planos de carreira e do regime jurídico do seu pessoal” e,

ainda, como o que prevê o inciso I do § 1º: ‘propor o seu quadro de

pessoal docente, técnico e administrativo, assim como um plano de

cargos e salários, atendidas as normas gerais pertinentes e os

recursos disponíveis” (SILVA JÚNIOR; SGUISSARDI; 2001, p. 54).

pensar o trabalho universitário, como transparece no uso de expressões como “qualidade

universitária”, “avaliação universitária” e “flexibilização da universidade”.

17 A idéia de setorização trazida é sob a ótica do Plano Diretor de reforma do Estado (BRASIL,

1995b).

32

Com a setorização do aparelho do Estado - proposta no Plano Diretor -

destacamos que a educação passa a integrar a classe de atividades não-exclusivas

do Estado, podendo atuar em conjunto com outras organizações públicas nãoestatais

e privadas, privilegiando-se, assim, os princípios da administração pública

gerencial que passam a ser os pilares da reforma de FHC presentes na educação

superior.

Para lograr o êxito esperado acima, é necessário desatrelar da educação

superior alguns entraves normativos por meio de leis ordinárias, medidas

provisórias, decretos, resoluções e até mesmo de Portarias ministeriais. É possível

verificar-se no governo de FHC que o Estado passa por transformações profundas,

sobretudo em relação à educação superior. O seu sistema normativo é reconstruído

sob a égide de uma nova LDB, bem como de normas esparsas que passam a ser

produzidas.

As novas demandas econômicas impostas pela globalização fazem alterar os

conceitos estabelecidos de Estado, sendo sua existência no mundo contemporâneo

uma verdadeira adequação aos paradigmas da modernização conservadora:

racionalização, privatização, descentralização, flexibilização, eficiência e controle.

Observemos, pois, o destaque abaixo:

“Vivemos hoje num cenário global que traz novos desafios às

sociedades e aos Estados nacionais (...). É imperativo fazer uma

reflexão há um tempo realista e criativa sobre os riscos e as

oportunidades do processo de globalização, pois somente assim

será possível transformar o Estado de tal maneira que ele se adapte

às novas demandas do mundo contemporâneo (...). Reformar o

Estado não significa desmantelá-lo” (CARDOSO, 2003, p. 15).

33

O governo FHC propugnou reformar o Estado com uma idéia de regulação de

suas atividades, privatizando suas ações. A reforma foi apresentada como a saída

para um Estado falido, sucateado e mal-administrado.

Na visão de Chauí (1999, p. 211), no entanto:

“O pressuposto da reforma do Estado é o assim chamado ‘colapso da

modernização’, ou declínio do Estado do Bem-Estar que deve receber

a ação racionadora trazida pela economia política neoliberal (...)”.

Com o enxugamento do aparelho estatal, os direitos sociais passam a ser

reavaliados por uma nova perspectiva, a do mercado. O Estado passa a ser gerido

sob ótica neoliberal, destacando-se o mercado como um regulador das relações

entre o Estado e a Sociedade. Assim,

“O neoliberalismo econômico acentua a supremacia do mercado

como mecanismo de alocação de recursos, distribuição de bens,

serviços e rendas, remunerador dos empenhos e engenhos,

inclusive. Nesse imaginário o mercado é matriz da riqueza, da

eficiência e da justiça (MORAES, 2002, p. 13)”.

O neoliberalismo confere ao mercado o “status” de protagonista perante o

novo modelo de Estado que propõe nas palavras de Leher:

“A ideologia neoliberal celebra a auto-organização do mercado: é

uma ideologia do equilíbrio, da auto-regulação do sistema de

autonomia (aqui compreendida como desconexão em relação ao

Estado)” (LEHER, 2001, p. 158).

Para tanto, Dourado (2002, p. 237) esclarece:

“O Estado brasileiro, historicamente caracterizado como ente

partidariamente vinculado aos interesses do setor privado,

configura-se por uma enorme dívida social no sentido de

alargamento dos direitos sociais e coletivos, ou seja, da esfera

pública (...) A perspectiva neoliberal é, nesse contexto,

ideologicamente difundida como reformulação da gestão do

desenvolvimento capitalista, na qual a desigualdade é aceita como

34

norma, e o desemprego, como contingência necessária ao

desenvolvimento do capital”.

Portanto, é possível vislumbrar-se que o argumento central da reforma do

Estado brasileiro seria a gradual deteriorização dos serviços públicos, agravamento

da crise fiscal e as altas taxas de inflação durante a década de 1980 e início dos

anos 1990 (BRASIL, 1995b).

Configura-se a proposta central da reforma do Estado Brasileiro: organizar o

Estado; diminuir custos; aproximar-se da sociedade e buscar a eficiência de suas

ações. Nessa perspectiva, o Estado passaria a promover uma administração pública

gerencial, como será visto a seguir.

Paula (2005)18 aduz que para compreensão da administração pública

gerencial brasileira é necessário verificar a relação dela com o gerencialismo do

governo de Margareth Thatcher, Inglaterra, e Ronald Reagan, Estados Unidos

(PAULA, 2005, p. 37).

A reforma da administração pública gerencial defendida pelo governo FHC

fundamenta-se nas políticas neoliberais de Thatcher e Reagan, sendo o

gerencialismo uma conseqüência do afastamento do Estado das atividades de

execução, assumindo o papel de regulador.

“Em 1979, Margaret Thatcher, ao assumir a chefia do governo

conservador britânico, consolidou também sua liderança mundial no

desenvolvimento do neoliberalismo. Os anos 1960 prenunciaram a

profunda crise que se instalava, e que se agravou em 1973 com as

rupturas de preços e matérias primas. Em 1980, assumia a

presidência dos Estados Unidos o conservador Ronald Reagan. Em

1981, a Alemanha inaugurava o mandato de Helmut Kohl. Pouco a

pouco, vários países de distintas partes do mundo foram aderindo

18 Outra fonte sobre o assunto seria Ferlie (1999). Citamos PAULA (2005, p. 37) que, ao comentar o

governo Tatcher, informa que vários estudos foram realizados no campo de empreendedorismo,

resgatando-se valores “Vitorianos”. Esses valores apresentam-se no contexto de nosso estudo. São

eles: “(...) esforço e o trabalho duro, cultivando-se também a motivação, a ambição criativa, a

inovação, a excelência, a independência, a flexibilidade e a responsabilidade social” (PAULA,

2005, apud MORRIS, 1991) (grifo nosso).

35

ao neoliberalismo. Em 1987, sobreveio o grande abalo do mundo

financeiro. Na América Latina, o Chile de Pinochet já servira de

laboratório do neoliberalismo antes mesmo do Reino Unido de

Thatcher. A partir de 1989, em obediência ao Consenso de

Washington19, vários países latino-americanos, depois do Chile,

incorporaram sistematicamente o neoliberalismo, a começar por

Peru, México, Bolívia, Argentina e Brasil” (DIAS SOBRINHO, 2003,

p. 101).

O gerencialismo tem sido o “fio condutor” da reforma da máquina do governo

para Clarke e Newman (1997, p. 15). Esses autores esclarecem que o

gerenciamento promete proporcionar a disciplina necessária para uma organização

eficiente.

Para combater o colapso econômico e social, principalmente em relação ao

desemprego, da década de 1980, o Reino Unido adotou ações muito semelhantes ao que

vimos no governo FHC.

Essas ações, para Felier (1999, p.17), seriam as seguintes, que passamos a apresentar

de forma sintetizada para facilitar nossa compreensão:

TABELA 1 – Ações do Reino Unido

Ações Instrumentos

1. Extinção do setor público direto. Privatização

19 O Consenso de Washington para Fiori (2002, p. 85) foi : “Um consenso construído durante a

década de 1980 e que condensava e traduzia as idéias neoliberais, já hegemônicas nos países

centrais, na forma de um ‘pacote terapêutico’ para crise econômica da periferia capitalista”.

36

2. Orientação gerencial e de mercado

para as funções sociais que

permanecessem no setor público.

Criação de agências autônomas

3. “fazer o mais com o menos”. Uso de indicadores comparativos de

desempenho

4. Investimento na aprendizagem

organizacional.

Formar lideranças no setor público para

dar visibilidade a essas ações

Portanto, a idéia trabalhada no governo FHC de promover uma reforma no aparelho do

Estado, que tinha como pressuposto básico a transformação do Estado burocrata em uma

administração gerencial, não é inédita.

Registre-se que, mesmo durante toda crise vivenciada no Reino Unido, na década de

1980, verifica-se que o setor público continuou a financiar os bens sociais como saúde,

educação e pesquisa (FERLIE, 1999, p. 16).

Em relação ao desmonte do Estado brasileiro, Frigoto (2002, p. 59) defende que este

não chegou a níveis perversos como na Argentina e Chile, por terem existido20 “forças sociais

organizadas” que se contrapunham aos “processos de dilapidação do fundo público pelos

interesses privados”.

Retornando a Ferlie (1999, p. 26), este apresenta quatro modelos de “Nova

Administração Pública - NAP”, surgidos durante a década de 1980 na organização e

administração dos serviços públicos britânicos. Tais modelos da nova administração

pública se distanciam dos modelos clássicos de administração pública,

20 O autor indica como “forças sociais organizadas” o PT (Partido dos Trabalhadores), CUT (Central

Única dos Trabalhadores) e “outras forças de esquerda”. Registre-se que o artigo foi escrito em 2002.

37

apresentando diferenças e características distintas. Os quatro modelos são: o

impulso para a eficiência; downsizing21 e descentralização; em busca da excelência

e, por último, orientação para o serviço público.

O primeiro modelo de NAP (denominado de impulso para eficiência – de 1980

a 1985) buscou introduzir o elemento da iniciativa privada no setor público. Era uma

tentativa de tornar o setor público “mais parecido” (FERLIE, 1999, p. 26) com a

iniciativa privada, estabelecendo um controle administrativo direto. Esse modelo veio

a ser considerado inadequado por não levar em consideração as características

específicas das organizações do setor público. Tal modelo previa uma maior

delegação de poder para uma administração menos burocrática e mais

empreendedora, guardando semelhanças ao Plano Diretor (BRASIL, 1995b) de

FHC.

O segundo modelo (downsizing e descentralização) objetivou dar maior

flexibilidade ao setor público, descentralizando responsabilidades em busca de uma

maior eficiência. Para Ferlier (199, p.27) trouxe como resultados “abandono do alto

grau de padronização; o aumento na descentralização da responsabilidade

estratégica e orçamentária; o aumento da terceirização”; e por fim esse modelo22

realizou a separação entre um núcleo estratégico e um núcleo operacional.

Lembrando a setorização do Estado realizada por FHC.

21 O autor usa esse termo para expressar que o mesmo tem sido utilizado “na literatura organizacional

para conceituar processos de reestruturação organizacionais associados com a redução da

diferenciação vertical e de quadros”.

22 Ferlie (1999, p. 30) apresenta entre outros elementos chaves da NAP 2: “ênfase na mentalidade

voltada para o mercado; mudanças da gestão hierárquica para gestão por contrato; criação, em nível

local, de organizações mais autônomas; redução de pessoal tanto nos escalões mais altos como na

base das organizações; troca na forma de gestão do tipo “comando e controle”,associada à

NAP/modelo 1, para estilos gerenciais, tais como gerenciamento por influência; aumento no papel das

formas de organização em rede; ênfase nas alianças estratégicas entre organizações com uma nova

forma de organização; tentativa de mudança das formas padronizadas de serviços para um sistema

de serviço caracterizado por mais flexibilidade e variedade”.

38

O terceiro NAP (busca a excelência na prestação de serviços da

administração pública), dá ênfase à importância da cultural organizacional, rejeitando

a abordagem racional da NAP 1, enfatizando “o papel dos valores, cultura, ritos e

símbolos na moldagem da maneira como as pessoas realmente se comportam no

trabalho” (FERLIE, 1999, p. 31). Esse modelo associa-se a modelos administrativos

mais humanísticos, com programas intensivos de treinamento corporativo.

Já o quarto modelo de nova administração pública intenciona adaptar as

experiências privadas positivas ao serviço público, delineando uma missão de

serviço público diferente, de alta qualidade. O usuário do serviço é considerado um

cliente no processo de gestão; o gerenciamento da qualidade do serviço se dá pelo

gerenciamento voltado para a qualidade total, por exemplo.

Verificamos uma relação entre os modelos de NAP de Ferlie e a reforma do

Estado no governo FHC, construída em seu primeiro mandato. Relata Bresser

Pereira (2003, p. 23) que, ao assumir o cargo de Ministro, propôs que a reforma

administrativa fosse incluída no rol das reformas prioritárias do novo governo,

juntamente com as reformas constitucionais: reforma fiscal, reforma da previdência

social e eliminação dos monopólios estatais.

Intencionando diferenciar a reforma do Estado de FHC, em relação ao

neoliberalismo britânico, Bresser Pereira (2003) argumenta que a proposta de

reforma do Estado é social democrata, não tendo vinculação com uma nova

proposta de liberalismo advindo da Europa e da América. Defende que a

administração pública gerencial busca “aumentar a governança do Estado”. Este

intervirá somente nos casos em que o mercado não tiver condições de regular a

economia:

39

“A diferença entre uma proposta de reforma neoliberal e uma social

democrática está no fato de que o objetivo da primeira é retirar o

Estado da economia, enquanto o da segunda é aumentar a governança

do Estado; é dar meios financeiros e administrativos para que ele

possa intervir efetivamente, sempre que o mercado não tiver condições

de coordenar adequadamente a economia (BRESSER PEREIRA;

SPINK, 2003, p. 237 - 238)”.

O Ministro Bresser Pereira não aceita tratar a reforma do Estado como sendo

uma proposta neoliberal23. Posicionando-se contra este entendimento24, esboçando

uma crítica ao neoliberalismo:

“A premissa neoliberal que estava por trás das reformas – de que o

ideal era um Estado mínimo, ao qual caberia apenas garantir os

direitos de propriedade, deixando com o mercado a total

coordenação da economia – provou ser irrealista (BRESSER

PEREIRA, 2003, p. 22)”.

As tentativas de separar o modelo brasileiro de reforma do Estado com as

propostas neoliberais da década de 1980 evidenciam-se no discurso do Ministro:

“As técnicas de gerenciamento são quase sempre introduzidas ao

mesmo tempo em que se implantam programas de ajuste estrutural

que visam a enfrentar a crise fiscal do Estado (BRESSER PEREIRA,

2003, p. 31)”.

Ferlie (1999, p. 25), ao analisar as reformas na administração pública da Grã-

Bretanha na década de 1980, justifica seu surgimento, como sendo:

“A reação necessária seria cortar o ‘desperdício’ do governo por

meio do desmantelamento dos sistemas de corrupção e

cartelização, da introdução de regulamentos externos, do

23Achamos importante registrar a observação de Azevedo (1997, págs. 9-10) sobre as raízes da

corrente neoliberal, expressado pelo ideário do liberalismo clássico: “(...) os fundamentos da liberdade

e do individualismo são tomados aqui para justificar o mercado como regulador e distribuidor da

riqueza e da renda, compreendendo-se que, na medida em que potencializa as habilidades e a

competitividade individuais, possibilitando a busca ilimitada do ganho, o mercado produz,

inexoravelmente, o bem-estar social (...)”.

24 Em sentido aposto ao entendimento de Bresser Pereira, indicamos a leitura de Silva Júnior (2002).

40

downsizing e da tercerização, e dar incentivos mais fortes para o

desempenho”.

Verifica-se que as mesmas técnicas colocadas em prática no período FHC

foram as realizadas nas administrações de Thatcher e Reagan, mesmo que Bresser

Pereira não aceite a vinculação de sua reforma do aparelho estatal com o

neoliberalismo.

Bresser Pereira, segue:

“O neoliberalismo surgiu de uma reação contra a crise fiscal do

Estado e, por isso, passou a ser identificado com cortes nos gastos

e com o projeto de reduzir o ‘tamanho” do Estado’. (BRESSER

PEREIRA, 2003, p. 32)”.

Para Sader (1995, p. 147) o neoliberalismo “interpreta o processo histórico de

cada país”, da seguinte maneira:

“Os vilões do atraso econômico passam a ser os sindicatos, e junto

com eles as conquistas sociais e tudo o que tenha a ver com a

igualdade, com a eqüidade e com a justiça social. Ao mesmo tempo

a direita, os conservadores, se reconvertem à modernidade na sua

versão neoliberal, via privatizações e um modelo de Estado Mínimo

(SADER, 1995, p. 147)”.

A essência da discussão não é sabermos se a administração pública

aproximou-se do mercado, utilizando seus conceitos como desempenho, eficiência e

flexibilidade. Ou se as práticas neoliberais estão ou não presentes na reforma do

Estado brasileiro. A questão mais profunda é entendermos até que ponto esse

modelo gerencial repercutiu no processo de formulação de políticas curriculares para

educação superior, sobretudo no ensino jurídico.

Que o Estado no governo de FHC realizou tentativas no sentido de promover

a administração pública à luz das reformas realizadas no modelo inglês e americano

41

da década de 1980, não nos resta dúvida25. Com essa tese, corrobora Dias

Sobrinho (2003, p. 113):

“Em toda parte, a modernização do Estado neoliberal privilegiava

claramente o mercado. As reformas da educação superior são

praticadas para que as instituições ganhem mais eficiência e se

ajustem às novas realidades do mercado”.

A reforma do Estado poderá receber quaisquer denominações que seus fundadores desejarem, mas jamais deixará de ter

institucionalizado o sistema neoliberal no Brasil.

O Plano Diretor da reforma do aparelho do Estado (BRASIL, 1995b) trata de

temas que contradizem o ministro, tais como: administração gerencial; crise fiscal; o

aparelho do Estado e as formas de propriedade; os setores do Estado; organizações

sociais e publicização; sistemas de gestão pública (controle e informações

gerenciais), entre outros. Este documento apresenta políticas de cunho neoliberal,

onde são descritos, por exemplo, os setores do Estado e as formas de propriedade

que se almejam (BRASIL, 1995b, p. 43), dando-se ênfase ao papel do mercado e da

iniciativa privada.

A reforma realizada por FHC buscou transformar o Estado em uma agência

controladora dos serviços não-exclusivos do Estado, deixando sob a tutela do

Estado o setor das atividades exclusivas formulado no Plano Diretor de reforma do

Estado (BRASIL, 1995b).

A reforma estatal promovida por FHC almeja ainda a aplicação no aparelho

do Estado dos princípios empresariais, tais como eficiência, produtividade, gestão,

resultados e controle. Portanto, o Estado volta-se amplamente para o mercado.

No documento citado acima (BRASIL, 1995b, p. 16), podemos observar

como característica do neoliberalismo: “Adicionalmente, pratica-se a competição

25 Sobre o assunto recomendamos a leitura do debate travado entre Bresser Pereira e Paula, na

revista de Administração de Empresas, vol. 43, n. 01, Jan./mar., de 2005. O tema do debate dos

autores respectivamente é “Réplica: comparação impossível” e “Tréplica: comparação possível”. Os

autores discutem a administração pública gerencial e o neoliberalismo, entre outras divergências.

42

administrada no interior do próprio Estado, quando há a possibilidade de estabelecer

concorrência entre unidades internas”; “A administração pública gerencial inspira-se

na administração de empresas”.

O Plano Diretor da reforma do aparelho do Estado – do governo de FHC

defende claramente nos objetivos para os serviços não-estatais (BRASIL, 1995b, p.

46) a transferência destes serviços (educação e saúde) através de um programa de

“publicização”, transformando as atuais fundações públicas em organizações sociais,

ou seja, em entidades de direito privado.

A reforma do Estado tem uma conceituação neoliberal, mesmo não sendo

este o entendimento de seus criadores, posto que retira do Estado a proteção

constitucional dada aos direitos sociais, em específico a educação, quando confere

ao mercado um papel de destaque nesse cenário, concedendo-lhe liberdade de

atuação.

Ao tratar do tema reforma do Estado, Bresser Pereira (2003, p. 23 ) reforça:

1. “A reforma provavelmente significará reduzir o Estado, limitar

suas funções como produtor de bens e serviços e, em menor

extensão, como regulador”;

2. “A nova administração pública não basta ser efetiva em evitar o

nepotismo e a corrupção”;

3. “A administração pública terá que ser eficiente ao prover bens

públicos e semi-públicos, que caberia ao Estado diretamente

produzir ou indiretamente financiar”.

Portanto, a administração pública gerencial apresenta-se como uma solução

ao modelo tradicional de administração pública burocrática, para ser posto em

prática em uma estrutura administrativa reformada.

Em relação à educação superior, pode-se afirmar que FHC “buscou remover

os mecanismos de controle de natureza predominantemente burocrática e, em seu

lugar, introduziu as funções avaliadoras do Estado avaliador” (GOMES, 2002, p. 10).

43

Apresentamos abaixo uma síntese das características da administração

pública gerencial para Bresser Pereira (2003):

a) uma resposta à crise do Estado, para o enfrentamento da crise fiscal;

b) uma Estratégia para reduzir o custo do Estado;

c) buscar a eficiência da administração pública;

d) ser um instrumento de proteção do patrimônio público;

e) ser contrária aos interesses privados e à corrupção;

f) orientar-se para o cidadão e para a obtenção de resultados;

g) a pressuposição de que políticos e funcionários públicos são

merecedores de um grau limitado de confiança;

h) servir-se estrategicamente da descentralização e do incentivo à

criatividade e inovação;

i) utilização do contrato de gestão como instrumento de controle dos

gestores públicos;

j) descentralização, delegação de poderes e autoridade ao gestor

público;

k) buscar um rígido controle sobre o desempenho aferido mediante

indicadores acordados e definidos em contrato.

Bresser Pereira (2003) contrapõe-se à administração pública burocrática por

ela concentrar seus esforços no “controle de procedimentos” e não na busca de

resultados através de indicadores de desempenhos para as agências do Estado,

pois sua ação não dispõe de objetivos definidos.

Para entender o modelo que o governo FHC buscou implementar à frente do

MARE, temos que entender a estrutura desenhada para a administração pública

gerencial (APG).

44

Quanto à setorização do Estado e a APG, faremos uma demonstração ou

exposição didática dos seus principais elementos que permitirá compreender melhor

o projeto de Reforma Estatal. Para o Plano Diretor o aparelho do Estado teria os

seguintes setores (BRASIL, 1995b, p. 41 - 42):

A) NÚCLEO ESTRATÉGICO: onde são definidas as leis e políticas públicas

estratégicas em última instância. Setor composto pelos Poderes Executivo,

Legislativo e Judiciário 26. Sendo sua propriedade somente estatal, são

atividades exclusivas de Estado.

B) ATIVIDADES EXCLUSIVAS DO ESTADO: aquelas em que o “poder do

Estado” é exercido. Para Bresser Pereira “o poder de legislar e tributar”,

incluindo a polícia, as forças armadas, órgãos de fiscalização e de

regulamentação e os órgãos responsáveis pelas transferências de

recursos, como o sistema unificado de Saúde, o sistema de auxílio

desemprego, sendo propriedade estatal, pois seus serviços só podem ser

prestados pelo Estado.

C) SERVIÇOS NÃO-EXCLUSIVOS OU COMPETITIVOS DO ESTADO: setor

em que o Estado poderá atuar simultaneamente com organizações

públicas não-estatais e privadas. Compreende os serviços de educação,

saúde, cultura e de pesquisa científica. Quanto à propriedade, seria

pública não-estatal27.

D) PRODUÇÃO DE BENS E SERVIÇOS PARA O MERCADO: são realizados

pelo Estado através de empresas públicas, que operam em setores

públicos e ou estratégicos. A propriedade privada é a regra.

26 Existindo níveis estratégicos correspondentes nos Estados e Municípios.

27 Bresser Pereira (2003, p. 34-35) afirma: “(...) não há razão para serem privados. Por outro lado, na

medida em que não implicam o exercício do poder do Estado, não há razão para que sejam

controlados por ele. Se não tem necessariamente de ser propriedade do Estado ou propriedade

privada, a alternativa é adotar-se o regime da propriedade pública não-estatal (...)”.

45

Para a continuidade da compreensão da APG, passa-se a estabelecer a

necessidade de se identificar na setorização do Estado acima definida o tipo de

propriedade (pública, privada ou pública não-estatal) e o tipo de administração

pública mais adequada: gerencial ou burocrática. Sobre esse tópico devemos

observar que o governo FHC defendia a aplicação, como visto anteriormente, da

administração pública gerencial em todos os setores28.

A reforma do Estado seguia tal raciocínio: O núcleo estratégico do Estado -

utilizando-se de um instrumento denominado “contrato de gestão” - definiria os

objetivos das entidades executoras do Estado (atividades exclusivas) e os

respectivos indicadores de desempenho, garantindo a essas entidades os meios

humanos, materiais e financeiros para sua consecução. As entidades executoras

seriam as “agências autônomas”, e as “organizações sociais”, no setor de serviços

não-exclusivos do Estado.

“As atividades exclusivas de Estado deverão em princípio ser

organizadas através do ‘sistema de agências autônomas’. O

dirigente da agência autônoma deverá ser nomeado pelo respectivo

Ministro, com o qual será negociado o contrato de gestão. Uma vez

estabelecidos os objetivos e os indicadores de desempenho, não

apenas qualitativos, mas também quantitativos, o dirigente terá

ampla liberdade para gerir o orçamento global recebido; poderá

administrar seus funcionários com autonomia no que diz respeito à

admissão, demissão e pagamento, e também realizar compras

apenas obedecendo aos princípios gerais de licitação” (BRESSER

PEREIRA, 2003, p. 259).

Já o conceito de propriedade pública não-estatal vem adequar-se ao setor do

Estado definido como “atividades não-exclusivas”, chegando-se a confundir se seria

determinada ação desenvolvida pelo Estado e pelo setor privado.

28 Bresser Pereira (2003, p. 34) adverte que “no núcleo estratégico, no qual a eficácia é sempre mais

relevante que a eficiência, ainda há lugar para algumas características burocráticas devidamente

atualizadas”.

46

O que se vê na proposta em tela é a busca do fim da dicotomia públicoprivada,

com o surgimento de uma terceira via: a propriedade pública não-estatal.

Contrariando a divisão clássica do direito: entre público e privado, e também entre a

propriedade pública e propriedade privada.

Bressser Pereira (2003, p. 261) afirma que o público não se confunde com o

estatal: “(...) o espaço público é mais amplo que o estatal, já que pode ser estatal ou

não-estatal”.

Ao asseverar que a propriedade pode ser pública não-estatal, defende-se a

finalidade da ação, qual seja, o fim público a que se propõe. Não-estatal por ser

realizada por uma instituição fora da definição clássica de Estado, mas com um fim

público.

Portanto, a alternativa para propriedade estatal não é a privada apenas, mas

a pública não-estatal, que se apresenta para as atividades não-exclusivas do

Estado.

“Não cabe ser estatal porque não envolve o uso do poder do Estado.

Deve ser pública para justificar os subsídios recebidos pelo Estado.

O fato de ser pública não-estatal, por sua vez, implica a necessidade

de a atividade ser controlada de forma mista pelo mercado e pelo

Estado” (BRESSER PEREIRA, 2003, p. 263).

O subsídio pode ser dado diretamente à organização não-estatal, mediante

dotação orçamentária. Instituições chamadas de Organizações Sociais. Não sendo

um tipo de entidade pública não-estatal, mas uma qualidade dessas entidades,

declarada pelo Estado (BRESSER PEREIRA, 2003, p. 263).

“O projeto do MARE, embutido no Plano de Reforma do Estado, de

transformar as IFES em organizações sociais, num primeiro

momento, se pareceu seduzir os planificadores do MEC, aos

poucos, dadas as reações negativas que começaram a se

manifestar junto à comunidade acadêmicas, tanto das IFES, quanto

47

das IES estaduais paulistas. Passou a ser visto com reservas, como

possível instrumento de reforma da educação superior pública”

(SILVA JÚNIOR; SGUISSARDI; 2001, p. 60).

Para que ocorra a transformação dos serviços não-exclusivos de Estado em

propriedade pública não-estatal e declará-los uma organização social, será preciso

um “programa de publicização” dessas entidades, que não deve ser confundido com

o programa de privatização, na medida em que as novas entidades conservarão seu

caráter público, mas de direito privado, assegurando, assim, uma autonomia

administrativa e financeira maior (BRESSER PEREIRA, 2003, p. 265).

A administração gerencial nos encaminha para a composição dos seguintes

princípios qualificadores de sua existência:

- Princípio da eficiência: a administração pública deve ter como fim a

eficiência dos serviços prestados à sociedade. É inaceitável um Estado ineficiente,

que não funciona em favor da coletividade e que não define indicadores de

desempenho para as agências estatais;

- Princípio da descentralização: para se ter um Estado eficiente é necessário

descentralizar, delegar seus poderes e autoridade ao gestor público, ou a terceiro

que desenvolve uma atividade não-exclusiva do Estado;

- Princípio da flexibilidade: é preciso, ao descentralizar as ações do Estado,

flexibilizar seu sistema normativo para adequá-lo às novas demandas sociais;

- Princípio da regulação: o Estado passa a ser um agente de regulação e

controle das atividades descentralizadas, promovendo uma avaliação da eficiência;

Assim, o Estado à luz do Plano Diretor (BRASIL, 1995b, págs. 12-13), reduz

seu papel a executor ou prestador de serviços, deixando de ser o “responsável

direto pelo desenvolvimento econômico e social pela via da produção de bens e

48

serviços”, redefinindo seu papel para “regulador ou provedor”, dos serviços sociais,

tais como a saúde e a educação.

Diante do que foi apresentado, podemos concluir que a reforma do Estado

promovida no governo de FHC buscou instituir a administração pública gerencial.

Para tal, fez-se necessária a setorização do aparelho estatal e a inclusão dos

direitos sociais na categoria de serviços não-exclusivos do Estado29.

Cabe-nos indagar se os princípios da administração pública gerencial se

fazem presentes na educação superior. É necessário identificarmos ou não a

presença desse alicerce da reforma do Estado para que possamos responder as

nossas inquietações iniciais. Para tanto, faz-se necessário o estudo da educação

superior no Brasil.

29 BRESSAN (2002, p. 383) registra no livro “A Era FHC – Um balanço”: “A incorporação do Mare ao

Ministério do Planejamento fez com que todo projeto perdesse não só a liderança intelectual do

Ministro Bresser, mas também o apoio político indispensável do Presidente da República. A reforma

ficou sem “cara” nem “voz”, caindo em uma rotina de burocracia e casuísmo. Nada mudou

oficialmente, é verdade, mas também nada mais de novo aconteceu”. Esclarecemos que o MARE foi

extinto no segundo mandato de FHC e suas atribuições remanejadas para a Secretaria de Gestão

(SEGES).

49

4 A Educação Superior no Brasil

Com a nomeação do Ministro Paulo Renato Souza30 para o MEC em 1995,

várias mudanças na educação superior passam a ser realizadas mediante a

definição e planejamento de políticas educacionais gerenciais, como será tratado

nesse capítulo. Para FHC, iniciava-se naquele instante uma “Revolução Silenciosa”

na educação brasileira (SOUZA, 2005).

A Educação como elemento essencial para tornar a “sociedade mais justa”

(BRASIL, 1995b) necessitava ser adequada ao novo modelo de Estado proposto por

FHC.

As políticas educacionais formuladas pelo Ministro Paulo Renato Souza

tiveram um grande auxílio do ex-Presidente Itamar Franco, quando extinguiu o

Conselho Federal de Educação (CFE), criando o Conselho Nacional de Educação

(CNE) por meio da Medida Provisória (MP) n. 661/94, depois convertida na Lei n.

9.131/0531.

Ao assumir o governo, o Itamar Franco passou a ter embates com o CFE,

devido à grande autonomia e independência que o Conselho Federal de Educação

possuía em relação ao ensino superior. Enquanto isso, o MEC se encontrava

31 Para Neves (2002, p. 198), o ano de 1995 “marcou uma nova etapa na difusão do neoliberalismo”.

Essa “nova etapa” evidenciou-se, sobretudo, na educação superior com a promulgação da lei em

discussão.

50

esvaziado em suas atribuições, ficando o executivo privado de executar suas

políticas educacionais.

Outro fato que agravou bastante a relação entre o Planalto e o CFE foram as

denúncias de corrupção dentro do conselho, que aumentavam a cada dia. Tais fatos

ocasionaram a extinção dos mandatos de seus membros, ficando com o MEC,

provisoriamente, o exercício das atribuições do CFE.

Quando da criação do novo CNE, este passa a ter suas atribuições reduzidas

a mero órgão de assessoramento e de deliberação do MEC (GOMES, 2003).

Comunica a MP n. 661/94:

“Art. 3º Ficam transferidas ao Conselho Nacional de Educação

as atribuições e competências do Conselho Federal de

Educação previstas na legislação”.

A extinção do CFE na prática facilitou a implantação de políticas reformistas

do Estado na educação superior brasileira, pois o CFE32 exercia um excessivo

controle burocrático sobre a expansão e a organização do setor privado (DURHAM;

SAMPAIO; 1995).

Com a publicação da MP n. 661/04, inicia-se um processo de transferência

das atribuições do CFE para o MEC. O auge se dá em 1995, com a Lei n. 9.13133,

em seu Art. 6º. Dá ao MEC o exercício das atribuições do poder público federal em

matéria de educação: “cabendo-lhe formular e avaliar a política nacional de

educação, zelar pela qualidade do ensino e velar pelo cumprimento das leis que o

regem (BRASIL, 1995c)”.

32 Sugerimos a leitura do artigo “Conselho Nacional de Educação: de aparelho estatal de Estado a

agência de empresariamento do ensino superior”, de autoria de SILVA, Andréia Ferreira da. In:

NEVES, 2002.

33 Altera os dispositivos da Lei n. 4.024, de 20 de dezembro de 1961.

51

O quadro abaixo apresenta as competências do novo CNE em comparação

com o extinto CFE.

QUADRO 1 – Competência do novo CNE em comparação com o CFE

CNE CFE

LEI N. 9.131, DE 24 DE NOVEMBRO DE 1995. Altera

dispositivos da Lei n. 4.024, de 20 de dezembro de

1961, e dá outras providências.

Art. 1º Os Arts. 6º, 7º, 8º e 9º da Lei n. 4.024, de 20 de

dezembro de 1961, passam a vigorar com a seguinte

redação:

LEI N. 4.024, DE 20 DE DEZEMBRO DE

1961.

Fixou as Diretrizes e Bases da Educação

Nacional, criando o CFE.

LEI N. 5.540, DE 28 DE NOVEMBRO DE 1968. Revogada

pela Lei n. 9.394, de 1996, com exceção do artigo 16, alterado

pela Lei n. 9.192, de 1995. Fixou normas de organização e

funcionamento do ensino superior e sua articulação com a

escola média, e dá outras providências.

Art. 7º O Conselho Nacional de Educação, composto

pelas Câmaras de Educação Básica e de Educação

Superior, terá atribuições normativas, deliberativas e

de assessoramento ao Ministro de Estado da

Educação e do Desporto, de forma a assegurar a

participação da sociedade no aperfeiçoamento da

educação nacional.

§ 1º Ao Conselho Nacional de Educação, além de

outras atribuições que lhe forem conferidas por lei,

compete:

a) subsidiar a elaboração e acompanhar a execução

do Plano Nacional de Educação;

b) manifestar-se sobre questões que abranjam mais de

um nível ou modalidade de ensino;

c) assessorar o Ministério da Educação e do Desporto

no diagnóstico dos problemas e deliberar sobre

medidas para aperfeiçoar os sistemas de ensino,

especialmente no que diz respeito à integração dos

seus diferentes níveis e modalidades;

d) emitir parecer sobre assuntos da área educacional,

por iniciativa de seus conselheiros ou quando

solicitado pelo Ministro de Estado da Educação e do

Desporto;

e) manter intercâmbio com os sistemas de ensino dos

Estados e do Distrito Federal;

f) analisar e emitir parecer sobre questões relativas à

aplicação da legislação educacional, no que diz

respeito à integração entre os diferentes níveis e

modalidade de ensino;

g) elaborar o seu regimento, a ser aprovado pelo

Ministro de Estado da Educação e do Desporto.

§ 2º O Conselho Nacional de Educação reunir-se-á

ordinariamente a cada dois meses e suas Câmaras,

mensalmente e, extraordinariamente, sempre que

convocado pelo Ministro de Estado da Educação e do

Desporto.

§ 3º O Conselho Nacional de Educação será presidido

por um de seus membros, eleito por seus pares para

mandato de dois anos, vedada à reeleição imediata.

§ 4º O Ministro de Estado da Educação e do Desporto

presidirá as sessões a que comparecer.

(...)

Art. 7º Ao Ministério da Educação e Cultura

incumbe velar pela observância das leis do

ensino e pelo cumprimento das decisões do

Conselho Federal de Educação.

Art. 9º Ao Conselho Federal de Educação,

além de outras atribuições conferidas por lei,

compete:

a) decidir sobre o funcionamento dos

estabelecimentos isolados de ensino superior,

federais e particulares;

b) decidir sobre o reconhecimento das

universidades, mediante a aprovação dos

seus estatutos e dos estabelecimentos

isolados de ensino superior, depois de um

prazo de funcionamento regular de, no

mínimo, dois anos;

c) pronunciar-se sobre os relatórios anuais

dos institutos referidos nas alíneas anteriores;

d) opinar sobre a incorporação de escolas ao

sistema federal de ensino, após verificação da

existência de recursos orçamentários;

e) indicar disciplinas obrigatórias para os

sistemas de ensino médio (artigo 35,

parágrafo 1º) e estabelecer a duração e o

currículo mínimo dos cursos de ensino

superior, conforme o disposto no artigo 70;

f) vetado

g) promover sindicâncias, por meio de

comissões especiais, em quaisquer

estabelecimentos de ensino, sempre que

julgar conveniente, tendo em vista o fiel

cumprimento desta lei;

h) elaborar seu regimento a ser aprovado pelo

Presidente da República;

i)conhecer dos recursos interpostos pelos

candidatos ao magistério federal e decidir

sobre êles;

j) sugerir medidas para organização e

funcionamento do sistema federal de ensino;

l) promover e divulgar estudos sobre os

sistemas estaduais de ensino;

m) adotar ou propor modificações e medidas

que visem à expansão e ao aperfeiçoamento

do ensino;

n) estimular a assistência social escolar;

o) emitir pareceres sobre assuntos e questões

de natureza pedagógica e educativa que lhe

sejam submetidos pelo Presidente da

República ou pelo Ministro da Educação e

Cultura;

p) manter intercâmbio com os conselhos

estaduais de educação;

q) analisar anualmente as estatísticas do

ensino e os dados complementares.

1º Dependem de homologação do Ministro da

Educação e Cultura os atos compreendidos

nas letras a, b, d, e, f, h e i ; (...)

Art. 10. O Ministério da Educação e Cultura, mediante proposta

do Conselho Federal de Educação, fixará os distritos geoeducacionais

para aglutinação, em universidades ou federação

de escolas, dos estabelecimentos isolados de ensino superior

existentes no País.

Art. 24. O Conselho Federal de Educação conceituará os

cursos de pós-graduação e baixará normas gerais para sua

organização, dependendo sua validade, no território nacional,

de os estudos neles realizados terem os cursos respectivos,

credenciados por aquele órgão.

Art. 26. O Conselho Federal de Educação fixará o currículo

mínimo e a duração mínima dos cursos superiores

correspondentes a profissões reguladas em lei e de outros

necessários ao desenvolvimento nacional.

Art. 27. Os diplomas expedidos por universidade federal ou

estadual nas condições do artigo 15 da Lei n. 4.024 (*), de 20

de dezembro de 1961, correspondentes a cursos reconhecidos

pelo Conselho Federal de Educação, bem como os de cursos

credenciados de pós-graduação serão registrados na própria

universidade, importando em capacitação para o exercício

profissional na área abrangida pelo respectivo currículo, com

validade em todo o território nacional.

Art. 36. Os programas de aperfeiçoamento de pessoal docente

deverão ser estabelecidos pelas universidades, dentro de uma

política nacional e regional definida pelo Conselho Federal de

Educação e promovida através da CAPES e do Conselho

Nacional de Pesquisas.

Art. 46. O Conselho Federal de Educação interpretará, na

jurisdição administrativa, as disposições desta e das demais

leis que fixem diretrizes e bases da educação nacional,

ressalvada a competência dos sistemas estaduais de ensino,

definida na Lei n. 4.024, de 20 de dezembro de 1961.

Art. 47. A autorização ou o reconhecimento de universidade ou

estabelecimento isolado de ensino superior será tornado

efetivo, em qualquer caso, por decreto do Poder Executivo,

após prévio parecer favorável do Conselho Federal de

Educação, observado o disposto no artigo 44 desta Lei.

Art. 47. A autorização para funcionamento e reconhecimento

da Universidade ou estabelecimento isolado de ensino superior

será tornada efetiva, em qualquer caso, por decreto ao Poder

Executivo Federal, após prévio parecer favorável do Conselho

de Educação competente. .

Art. 48. O Conselho Federal de Educação, após inquérito

administrativo, poderá suspender o funcionamento de qualquer

estabelecimento isolado de ensino superior ou a autonomia de

qualquer universidade, por motivo de infringência da legislação

do ensino ou de preceito estatutário ou regimental,

designando-se Diretor ou Reitor pró tempore.

Art. 51. O Conselho Federal de Educação fixará as condições

para revalidação de diplomas expedidos por estabelecimentos

de ensino superior estrangeiros, tendo em vista o registro na

repartição competente e o exercício profissional no País.

(...)

52

Fonte: 1. BRASIL, 1995C; 2. BRASIL, 1961; e 3. BRASIL, 1968.

Como pode ser verificado, o MEC incumbia cumprir as decisões do CFE à luz

das Leis n. 4.024/ 61 e n. 5.540/ 68. O CFE era considerado um órgão “executor”

com diversas competências que não foram renovadas após a criação do CNE. Este

passou a realizar a função de um órgão colaborativo, deliberativo e de

assessoramento do Ministro de Estado da Educação.

A partir de então, o MEC delega maior responsabilidade pela expansão do

ensino superior à esfera privada (CORBUCCI, 2004, p. 681). Fato este que facilitou

bastante a ingerência de FHC na educação superior, posto que não existia mais a

subordinação do MEC ao CNE.

Para o Ministro Paulo Renato Souza34, em sua gestão foi realizada uma

“Revolução Gerenciada” (SOUZA, 2005), que estava associada aos seguintes

fatores, que para ele, “caracterizavam a moderna administração empresarial

privada”, sendo:

“Metódos de gestão moderna em que o planejamento

estratégico e a atuação em equipe foram centrais; formulação

de uma proposta coerente alicerçada em um diagnóstico

adequado da situação; montagem de uma equipe que

permaneceu coesa ao longo dos oito anos de governo; atuação

interativa e participativa com diversos segmentos sociais”

(SOUZA, 2005, 23).

Qualquer semelhança com o discurso do Ministro Bresser Pereira não é mera

coincidência. A valorização da administração privada era a mesma que

34 Economista, ex-gerente de operações do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e exreitor

da Unicamp, esteve presente nos dois mandatos de FHC.

53

fundamentava o Plano Diretor de reforma do aparelho estatal, daí a semelhança dos

discursos dos ministros do MARE e do MEC.

O primeiro passo da gestão do Ministro Paulo Renato Souza foi a de elaborar

o planejamento político estratégico (PPE) do MEC para 1995-1998 (BRASIL, 1995a).

Este documento elencava os princípios básicos que norteariam a ação do governo,

as metas, a estrutura operacional e os meios, as novas formas de atuação e os

resultados esperados.

As linhas centrais do PPE eram: planejar; promover a modernização

gerencial; e, principalmente, “transformar o MEC num mecanismo eficaz de

formulação, coordenação e acompanhamento de políticas públicas na área

educacional, e a redução de seu papel executivo” (BRASIL,1995b).

Os princípios da administração pública gerencial passam a ser observados na

educação, com a edição do PPE. O MEC passa a desempenhar, ou pelo menos

almeja um “papel político estratégico na coordenação de educação (PPE, 1995)”.

Daí nasce a idéia do MEC ser a agência de regulação da educação nacional, cuja

materialização torna-se possível com a extinção do CFE e a criação do novo CNE.

O governo procurava redefinir a essência da relação entre o Estado e o

sistema de ensino superior (SOUZA, 2005, p. 174).

Sobre o conceito de “regulação” aplicado à educação, encontramos em

BARROSO (2005, p. 3) a seguinte observação35,

“A actual difusão, no domínio educativo, do termo ‘regulação’ está

associada, em geral, ao objectivo de consagrar, simbolicamente, um

outro estatuto à intervenção do Estado na condução das políticas

públicas. Muitas das referências que são feitas ao ‘novo’ papel do

regulador do Estado servem para demarcar as propostas de

‘modernização’ da administração pública das práticas tradicionais de

35 O autor é de nacionalidade portuguesa, por isso mantivemos as expressões em seu texto original.

54

controlo burocrático pelas normas e regulamentações que foram (e

ainda são) apanágio da intervenção estatal. Neste sentido, a

‘regulação’ (mais flexível na definição dos processos e rígida na

avaliação da eficiência e eficácia dos resultados) seria o oposto da

‘regulamentação’ (centrada na definição e controle a priori dos

procedimentos e relativamente indiferente às questões da

qualidade e eficácia dos resultados)” (Grifo do nosso).

Portanto, não podemos confundir a regulação com a regulamentação. Esta

sendo uma espécie do gênero regulação, onde o Estado passa a promover uma

regulação de mercado, como aconteceu no governo FHC. A regulação flexibiliza o

processo normativo, por exemplo, e concentra suas ações de forma mais “rígida na

avaliação de eficiência e eficácia dos resultados”. A regulamentação limita-se na

fixação de regras, normas e regulamentos previamente definidos.

Já o PPE (BRASIL, 1995a) tem por diretriz máxima para o ensino superior a

busca da qualidade36 pelo aproveitamento das potencialidades das IES, devendo o

MEC adotar critérios relativos ao desempenho das atividades de ensino, pesquisa e

extensão.

É visível a presença do modelo de APG no PPE. O arcabouço jurídico para

incentivar a inovação na seara educacional, segundo o PPE (1995a), implica em:

“(1) retirar da Constituição dispositivos que engessam a gestão

do sistema educacional; (2) aprovar uma nova lei de Diretrizes

e Bases que possibilite a diversificação institucional: novos

cursos, novos programas, novas modalidades; (3) instituir um

novo Conselho Nacional de Educação, mais ágil e menos

burocrático; (4) modificar regulamentações para garantir maior

autonomia à escola; (5) transferir a ênfase dos controles

36 Sobre “qualidade” julgamos importante destacarmos: “Se existe hoje uma palavra em moda no

mundo da educação, essa palavra é, sem dúvida ‘qualidade’. Desde as declarações dos organismos

internacionais até as conversas de bar, passando pelas manifestações das autoridades educacionais,

as organizações de professores, as centrais sindicais, as associações de pais, as organizações de

alunos, os porta-vozes do empresariado e uma boa parte dos especialistas, todos coincidem em

aceitar a qualidade da educação ou do ensino como o objetivo prioritário ou como um dos muito

poucos que merecem consideração” (ENGUITA, 2002, p. 95).

55

formais e burocráticos para a avaliação de resultados”

(BRASIL, 1995a).

Essas seriam as estratégias do MEC (para a educação) contidas no PPE.

Vislumbra-se que as políticas para educação superior são minuciosamente

planejadas pelo Ministro Paulo Renato Souza, cuja missão maior é a busca da

excelência do ensino superior mediante critérios da administração privada. Estes já

citados e analisados no capítulo anterior, sendo: eficiência, qualidade, avaliação,

regulação, flexibilidade.

Como problemas centrais do ensino superior para o PPE (BRASIL,1995b, p.

23), destacam-se: controle burocrático das instituições de ensino em detrimento de

critérios substantivos de qualidade; excessiva burocratização e centralização da

administração na rede federal; e a necessidade de expansão da oferta entre a faixa

etária de 18 a 24 anos.

A solução apresentada no PPE para o ensino superior é muito semelhante à

encontrada em Bresser Pereira (2003) para a reforma do Estado Brasileiro:

incremento na produtividade e a racionalização gerencial no setor público (BRASIL,

1995b, p. 24).

Para o alcance da meta acima, era necessário criar a expansão do sistema de

avaliação, através do Exame Nacional de Cursos (ENC), realizando os primeiros

exames até o final do primeiro ano de governo. Via-se que o MEC tinha pressa em

efetivar suas ações básicas para elevar a qualidade do ensino de graduação.

Em relação às IES privadas o governo FHC (BRASIL,1995b, p. 26) pretendia:

“Simplificar as exigências burocráticas para reconhecimento de

cursos, credenciamento e recredenciamento de instituições e

56

substituí-las por uma sistemática de informações ao Conselho

Nacional de Educação sobre as avaliações periódicas de

qualidade dos cursos e desempenho dos alunos”.

Esse era o planejamento político estratégico do MEC para a educação

superior, durante o primeiro mandato de FHC. No documento PPE são definidas as

primeiras linhas de ação das políticas educacionais que seriam desenvolvidas a

partir de 1995.

Para o governo FHC era preciso combater o burocratismo que prejudicava o

desenvolvimento do Estado na área educacional. Para tanto, era necessária a

criação de um sistema de avaliação com o intuito de promover a educação superior

de qualidade.

Para Paulo Renato Souza (2004, p. 44):

“A desburocratização do sistema significa a substituição de

controles formais e normativos por avaliação de desempenho”.

Não podemos esquecer que a educação superior teve grande importância no

Plano Diretor de reforma do Estado (BRASIL, 1995b), pois ao mesmo tempo em que

a educação, sob a ótica administrativa, é considerada como uma atividade fora do

núcleo estratégico do Estado, sob o prisma político é o local onde se legitimam

mudanças na cultura da sociedade. O mesmo acontecendo com a educação

superior, cenário perfeito para estudarmos o impacto das reformas do aparelho

estatal na educação brasileira.

É na educação superior brasileira que os efeitos da reforma do Estado se

apresentam de forma mais evidente. A lógica do mercado tornou-se um componente

inevitável da atual configuração do ensino superior em todo o mundo (CASTRO,

2005).

57

A abertura de novas faculdades, centros universitários e universidades, e a

conseqüente expansão de cursos e de vagas aconteceram de forma surpreendente

a partir da promulgação da LDB de 1996, como conseqüência da política de governo

estabelecida pelo governo FHC.

Uma breve análise da “Sinopse Estatística do Ensino Superior” do Inep/MEC,

ano base de 2004, nos mostra a evolução nas matrículas na educação brasileira.

TABELA 02 - Matrículas em Cursos de Graduação Presenciais no Brasil entre 2000

e 2004.

Ano Total Privadas %

2000

2.694.245

1.807.219

67,08

2001

3.030.754

2.091.529

69,01

2002

3.479.913

2.428.258

69,78

2003

3.887.771

2.750.652

70,75

2004

4.163.733

2.985.405

71,70

Fonte: Sinopse Estatística do Ensino Superior 2004 – INEP/ MEC

Ao final do governo FHC em 2002, havia 3.479.913 alunos matriculados em

cursos de graduação. Esse número representou um percentual de 69, 78% de

matrículas em instituições de ensino superior privadas.

Tais dados, quando comparados com a realidade vivenciada em 1994, um

ano antes do primeiro mandato de FHC, comprovam a evolução da participação da

iniciativa privada na educação superior. Em 1994, segundo a “Sinopse Estatística do

Ensino Superior” do INEP/MEC de 2004, havia 1.661.034 alunos matriculados no

ensino superior. O que representa em relação ao ano de 2002 um crescimento de

109,5% nas matrículas.

58

As metas de Paulo Renato Souza alcançam seu êxito em relação à expansão

de oferta de matrículas no nível superior. Nesse sentido encontramos em Castro e

Tiezze:

“Uma das características principais do ensino superior

brasileiro na década de 90 foi a expansão da oferta e o

crescimento da demanda por ensino superior. No início, a

característica predominante era a tendência à estagnação das

matriculas. As Instituições de Ensino Superior (IES) no Brasil

apresentavam uma média de somente 1,6 milhão de alunos

matriculados desde o início dos anos 80 - menos de 10% do

corte de faixa etária de 18 a 24 anos. A principal causa desta

estagnação era a falta de número suficiente de alunos

formados no ensino médio e dos formados com condições de

prosseguir os estudos de nível superior” (CASTRO; TIEZZE;

2005, p. 117).

As políticas realizadas em relação à expansão da educação superior pela

parceria entre o Estado e a iniciativa privada, descentralizando os serviços

considerados não-exclusivos do Estado para a iniciativa privada, atingiram as

expectativas do PPE (BRASIL, 1995a).

A descentralização da educação superior, antes concentrada nas instituições

públicas, é uma realidade no governo FHC. Foi nesse governo onde se vislumbrou o

maior crescimento do setor privado37 na educação superior brasileira.

Podemos asseverar que o planejamento estratégico do MEC para 1995-1998

obteve os resultados esperados, repercutindo inclusive no segundo mandato de

FHC.

Assegura Neves (2002, p. 145):

37 DURHAM, 2005, p. 222, comenta: “Até 1997, a lei não permitia estabelecimentos lucrativos. O lucro

era obtido através de subterfúgios como a designação dos membros da mantenedora para cargos de

direção com salários muito elevados, o desvio de recursos para outros empreendimentos ou para uso

particular dos mantenedores (como, por exemplo, aquisição e manutenção de jatos executivos, carros

de luxo e utilização de grandes verbas de representação)”.

59

“O planejamento estratégico do MEC para 1995-1998 (BRASIL, 1995a)

enfatiza aspectos que consubstanciam, na área educacional, os

princípios norteadores da reforma da aparelhagem estatal do primeiro

governo FHC”.

As políticas educacionais voltadas para o ensino superior são reformuladas

no governo de FHC. A educação superior é recriada; extinguem-se políticas que não

mais representam o novo modelo de Estado; aperfeiçoam-se instrumentos que

facilitem a privatização e aplicação do gerencialismo.

O Estado passa a ser ao mesmo tempo fomentador da educação superior

com a participação ativa da iniciativa privada, adotando um novo papel, o de

avaliador, supervisor e regulador do ensino superior.

As relações entre o Estado e a iniciativa privada são flexibilizadas. A

participação desse segmento nos serviços não-exclusivos do Estado torna-se uma

realidade38. A iniciativa privada surge como um “parceiro” do Estado para a solução

das demandas sociais na área educacional.

Nesse contexto, a educação superior é o epicentro das políticas de Estado na

educação. Para Dias Sobrinho (2005, p. 22):

“A educação superior é, ao mesmo tempo, um dos motores

mais importantes de aprofundamento da crise e de superação

da crise”.

Para Neves (2002), a educação superior no governo de FHC foi

“empresariada”, crítica realizada sobre o foco da privatização do ensino superior,

devido à reforma neoliberal do Estado brasileiro.

A presença do neoliberalismo na educação possui muita afinidade com a

fonte inspiradora da reforma do Estado promovida por FHC, temos:

38 Inclusive, a Constituição da República Federativa do Brasil de 1988, em seu Art. 209, assegurava:

“O ensino é livre à iniciativa privada”, desde que ressalvado entre outros aspectos o atendimento “as

seguintes condições: I - cumprimento de normas gerais da educação nacional; II - autorização e

avaliação de qualidade pelo Poder Público”.

60

“Foi na década de 80, na Inglaterra, no governo conservador de

Margareth Thatcher, que começaram as políticas no campo do

ensino superior que alteraram as regras tradicionais do

financiamento universitário e impuseram hierarquias no interior e

entre as universidades por meio de processos de avaliação. Este

processo levou ao fechamento de departamentos e a ‘diabolização’

da liberdade acadêmica em nome da “eficiência” e da

‘produtividade’. Este duro período - na verdade fundador do

neoliberalismo no campo universitário - foi estigmatizado por um

especialista como um ‘Ataque ao ensino superior’ (Kogan -1983).

Era a nova metáfora que simbolizava a realidade do Estadoavaliador

que fará fortuna, em escala mundial, nas décadas

seguintes” (TRINDADE, 2001, p. 17).

No documento de trabalho denominado: “As políticas recentes para o ensino

superior na América Latina”, Durham (1997, p. 12 -13) assegura que “os governos

estão tentando superar as limitações do modelo de ensino superior vigente”. Ao final

conclui:

“O cerne das novas políticas que estão sendo propostas refere-se

ao setor público e implica na alteração da relação entre

instituições de ensino superior e o Estado, substituindo o

sistema altamente centralizado e burocrático de controles

governamentais associado ao financiamento incremental por

um outro, baseado na contenção da expansão de gastos

públicos, na descentralização administrativa e na introdução de

processos de avaliação” (DURHAM, 1997, p. 12 – 13, grifo

nosso).

Nesse sentido, depreende-se o entendimento de que no setor público também

as relações entre as IES e o Estado foram alteradas, não havendo mais espaço para

os sistemas burocráticos de controle.

As políticas de Estado e sua presença na educação superior não se

apresentam somente no caso brasileiro. A necessidade de se reformar o aparelho do

Estado para o atendimento das demandas da sociedade é cada vez mais presente.

61

As políticas do governo FHC introduziram uma reconfiguração da relação

entre o Estado e o mercado, onde o neoliberalismo39 foi o protagonista das políticas

estatais.

Nesse sentido esclarece Dias sobrinho (2005, p. 22):

“A educação superior se impõe à obediência ao mercado, mais

que o compromisso com a formação de cidadãos autônomos e

com o aprofundamento da democracia”.

O Plano Diretor da reforma do aparelho estatal (BRASIL, 1995b) inclui a

educação superior no rol dos serviços públicos não-estatais. Para tanto realizou uma

série de ações para efetivação das políticas gerencialistas nesse setor, trazendo a

administração pública gerencial para dentro da educação superior.

Ao falarmos que a administração pública gerencial está dentro do contexto

das políticas educacionais de 1995 - 2002, não desejamos expressar reducionismos

em relação a suas ações.

O gerenciamento das atividades ligadas à educação superior vai além de

medidas administrativas antiburocráticas; expressam-se através da inserção dos

princípios da gestão pública da APG na legislação que passa a ser produzida.

“De fato, nos dois governos de FHC a política governamental para a

educação superior vem se constituindo uma parte de política de

parceria entre o Estado e sociedade (...)” (NEVES; FERNANDES,

1990, p. 39-40).

39 DIAS SOBRINHO (2005, p. 62): “A competitividade do mercado é uma dinâmica da qual a

educação superior não escapa. As instituições de educação superior não só têm de formar para a

competitividade, como exigência das dinâmicas da globalização neoliberal, como também pelo

mesmo motivo, precisam enfrentar duros processos de competição no interior dos sistemas

educativos”.

62

Souza (2004, p. 180) entende que o crescimento e a melhoria da qualidade

do ensino superior devem-se à criação de mecanismos mais flexíveis de expansão

com o processo de avaliação de cursos (ENC).

O conceito de qualidade passa a ser o argumento central para a realização da

avaliação de desempenho das IES, através da qual se buscará regular o ensino

superior para se ter a expansão com qualidade.

“Se a qualidade é representada pelos resultados objetivos, a

avaliação é tomada por controle desses produtos, associado à

flexibilização de formas, tempos, contratos, fontes de

financiamentos e outros itens relativos à noção economicista”

(DIAS SOBRINHO, 2003, p. 108).

Nesse sentido é promulgada a Lei n. 9.131/95 que criou um instrumento de

regulação do Estado sobre o ensino superior. Trata-se do “provão”, que vem a ser

uma avaliação periódica das instituições e dos cursos superiores realizada pelo

MEC.

Essa avaliação teria como escopo inserir políticas que determinassem a

competitividade entre as IES, em busca da qualidade e da eficiência, mediante a

realização anual de exames nacionais com base nos conteúdos mínimos

estabelecidos para cada curso. Nesse entendimento Frigoto (2002, p. 49):

“A investida para se implantar os critérios empresariais de eficiência,

de ‘qualidade total’, de competitividade em áreas incompatíveis com

os mesmos, como educação e saúde, desenvolve-se hoje dentro do

setor ‘público’ ” (FRIGOTO, 2002, p. 49).

Com a realização periódica do ENC, o governo buscou estabelecer um

“ranqueamento” das instituições mediante a divulgação anual do resultado das

63

avaliações, informando o desempenho de cada curso, sem identificar os alunos

avaliados. Conforme Souza e Oliveira (2003, p. 12):

“Afora o incentivo à competitividade, provocado pelo

estabelecimento de ranking de instituições, que expressa a

transposição da lógica de mercado para a gestão do sistema

educacional, cabe indagarmos sobre possíveis usos dos resultados,

seja no estabelecimento de critérios para alocação de recursos

financeiros entre as instituições, tendo em conta seu bom ou mau

desempenho, seja na política de financiamento do ensino superior -

temos assistido a investidas na direção de questionar a validade de

manutenção de universidades públicas gratuitas, a partir de

apreciações acerca de seu custo e produtividade”.

O ENC representou um importante instrumento político do MEC, no sentido

de credenciar novas instituições, autorizar novos cursos e de avaliar a qualidade da

educação superior. O “Provão” representava muito mais do que uma avaliação

qualitativa; ele era acima de tudo um critério importante para fundamentar o discurso

expansionista da educação superior pela iniciativa privada.

“Trata-se do sistema de avaliação implementado, sobretudo no

âmbito da educação superior. Na perspectiva governamental, o

modelo estandardizado, flexibilizado, diversificado, diferenciado e

competitivo de educação superior só seria efetivamente instituído se

houvesse um sistema de avaliação capaz de estabelecer algum

controle de qualidade” (DOURADO; CATANI; OLIVEIRA; 2003, p.

24).

Para assegurar que existiria a competitividade entre as IES, e

conseqüentemente sua individualização, mediante a atribuição de conceitos, a Lei n.

9.131/95, em seu Art.3º, estabeleceu que:

“§ 2º O Ministério da Educação e do Desporto divulgará,

anualmente, o resultado das avaliações referidas no caput deste

artigo, inclusive dos exames previstos no parágrafo anterior,

informando o desempenho de cada curso, sem identificar

nominalmente os alunos avaliados” (BRASIL,1995c).

64

Identifica-se nas diversas ações políticas do governo FHC para a educação

superior as características da “Universidade Competitiva” defendida por Bresser

Pereira40, segundo a qual o mercado identificaria as IES de boa qualidade e as de

mau desempenho, mediante a publicidade dos resultados obtidos no ENC.

“Ao tomar a decisão de iniciar um processo de avaliação objetiva da

qualidade dos cursos superiores, através da exigência de exames

ao final de cada curso, o governo FHC, através do Ministério da

Educação, promove uma reforma tão simples quanto extraordinária

das universidades brasileiras: começa a transformá-las em

universidades competitivas” (BRESSER PEREIRA, 1995, p. 11).

O Estado passa a realizar avaliações para regular a educação superior, em

busca de promover a expansão do setor pela iniciativa privada. A avaliação passa a

ocupar um lugar de destaque.

“A avaliação é um instrumento central de reforma do Estado. No

âmbito de educação superior é indispensável instrumento das

reformas da educação superior. Para transformar a educação,

qualquer que seja a educação escolhida, é fundamental mudar o

sistema de avaliação” (DIAS SOBRINHO, 2003, p. 113).

Esse é o contexto em que surge o CNE com suas atribuições reduzidas,

mesmo com autonomia legal, apresenta-se como um órgão cartorário do MEC

responsável pela emissão de pareceres e resoluções, funções de “assessoramento”

do Ministro da Educação. Observe-se que a Lei n. 9.131/95 estabelece:

“Art. 7º O Conselho Nacional de Educação, composto pelas

Câmaras de Educação Básica e de Educação Superior, terá

atribuições normativas, deliberativas e de assessoramento ao

Ministro de Estado da Educação e do Desporto, de forma a

assegurar a participação da sociedade no aperfeiçoamento da

educação nacional” (BRASIL, 1995c, Lei n. 9.131/95).

40 Em artigo publicado na Folha de S. Paulo, 2 abril de 1995, sob o mesmo tema.

65

Mais tarde a LDB de 1996 confirma que na estrutura educacional haveria um

CNE, com funções normativas e de supervisão. Assim, conclui-se que a criação do

CNE não se deu por meio da LDB, mas por uma norma específica fora da LDB.

Portanto, a administração pública gerencial defendida no Plano Diretor de

reforma do Estado (BRASIL, 1995b) insere-se na educação mediante o sistema

normativo que passa a ser elaborado no governo FHC. A educação ocupa um papel

de destaque perante as políticas de FHC.

Azevedo (2004) esclarece,

“(...) a questão da educacional emerge como um tema socialmente

problematizado no bojo da própria estruturação do Estado-Nação”

(AZEVEDO, 2004, p. 18).

Portanto, é correto afirmamos ser intrínseca a relação entre o Estado e a

Educação no governo de FHC. O Estado educacional burocrático passa a ser

reconstruído com uma nova perspectiva gerencial, onde a regulação passa a

protagonizar esse cenário político.

A busca da eficiência passa a ser a tônica educacional do governo FHC, pois

a “incapacidade” do Estado em fomentar a educação superior remete a sua

expansão pela iniciativa privada. Cabe ao Estado, através do MEC, realizar

avaliações periódicas, cujos resultados levam ao ato de credenciar e recredenciar a

IES; autorizar o funcionamento e reconhecer seus cursos. Tudo isso, diante do

preceito constitucional (Art. 209, CF/88) de que o ensino é livre à iniciativa privada,

desde que tenha a avaliação de qualidade pelo Poder Público.

Nesse instante o Estado afasta-se da produção de bens e serviços para a

“expansão e consolidação do sistema econômico capitalista” objetivando ser um

regulador do mercado (AFONSO, 2001, p. 3 -8).

66

Tais idéias se coadunam com o governo FHC,

A forma moderna de obter bons resultados é garantindo

liberdade às organizações e controlando a posteriori os

resultados alcançados, através da avaliação. O controle a priori -

o controle dos processos - esse sim é burocrático, autoritário, além

de ineficiente. É a forma generalizadamente adotada no Brasil do

passado. Resulta no descontrole e no desperdício. É um sistema de

esconder ou disfarçar a incompetência e o mau desempenho, que é

incompatível com o Brasil novo que os brasileiros querem construir

com Fernando Henrique Cardoso (BRESSER PEREIRA, 1995, p.

11, grifo nosso)”.

O próximo passo de FHC seria concentrar as ações para a aprovação no

Congresso Nacional da nova LDB. Importante instrumento de consolidação das

reformas pretendidas para a educação superior.

A LDB de 1996 é o principal instrumento político da educação no Brasil. Seu

processo legislativo iniciou-se, de fato, em 1993, com o projeto de lei de n. 1.258-C,

de 198841, que ao chegar à Câmara dos Deputados recebeu o n. 101/1993, tendo

como relator o Senador Cid Sabóia. Concomitantemente tínhamos um segundo

projeto de lei n. 208/1989, do Senador Darcy Ribeiro e um outro de n. 45/1991, do

Deputado Florestan Fernandes, mas com a identidade do objeto foram anexados,

tramitando em conjunto (PINO; LOBO; DIDONET; 2002).

O Projeto do Senador Darcy Ribeiro representava os interesses do governo

FHC, que contava com o apoio dos partidos da base aliada no congresso nacional.

CUNHA (2003, p. 39) declara que:

“A primeira e mais importante opção da nova equipe dirigente do MEC

foi no tocante à Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional.

Diante dos dois projetos, optou por apoiar o do Senado, já que o texto

de Darcy Ribeiro, além de menos minucioso, tinha em seu autor maior

receptividade para modificar a versão original a fim de adequar-se às

políticas governamentais, como já havia demonstrado no governo

41 Registre-se que em 1988 é promulgada a Constituição da República Federativa do Brasil.

67

Collor. Mas, ao invés de buscar incluir dispositivos específicos, o

MEC preferiu que o projeto deixasse de tratar dos temas que

seriam objeto de projetos de lei específicos, ou fizesse de modo

bastante genérico, permitindo articulações com as medidas que

se tomavam” (grifo nosso).

A tramitação do projeto de lei para uma nova LDB foi lenta, conturbado42 e

alterado por diversas vezes para atender a interesses de setores distintos43. Outro

fator que dificultou bastante à publicação de uma nova LDB foi a renovação dos

mandatos dos Senadores e Deputados (BRZEZINSKI, 2002).

É importante conhecermos a realidade vivenciada àquele momento:

“O Substitutivo do Senador Cid Sabóia, aprovado na comissão de

educação do Senado em 1993, é remetido à Comissão de Constituição

e Justiça para sua apreciação. Neste contexto, é importante lembrar

que o projeto de Lei Darcy Ribeiro fora também assinado pelos

Senadores Maurício Correia e Marco Maciel e que a aprovação do

substitutivo Sabóia significaria a sua rejeição. Por outro lado, a partir

de 1995, o Senador Marco Maciel passa a ser vice-presidente da

República e o Executivo acompanha o andamento da LDB com

orientação distinta da encaminhada no governo anterior

(BELLONI, 2002, p. 131, grifo nosso).

A aprovação da LDB requereu do governo federal uma grande negociação com

o Congresso Nacional a fim de fazer prevalecer seus interesses. O Ministro Paulo

Renato Souza foi o grande responsável pelas reformas educacionais que

aproximaram o setor público da iniciativa privada44 nesse período.

Para Cunha (2003, p. 38), a orientação no sentido do fortalecimento da

iniciativa privada encontra-se presente na proposta de governo do candidato FHC

para seu primeiro mandato (1995-1998), no qual o:

42 Ver DOURADO, 2002.

43 Dentre eles destacam-se o Fórum Nacional de Defesa da Escola Pública e a ABMES (Associação

Brasileiras das Mantenedoras de Ensino Superior) representando os interesses da iniciativa privada

(BELLONI, 2002; NEVES, 2002).

44 Sobre o assunto indicamos: Silva Junior e Sguissardi, As Novas Faces da Educação Superior no

Brasil. São Paulo: Cortez, 2001, p. 75.

68

“Destaque para o papel econômico da educação, como ‘base de um

novo estilo de desenvolvimento’, cujo dinamismo e sustentação

provêm de fora dela mesma – do progresso científico e tecnológico”

(CUNHA, 2003, p. 38).

O projeto de uma nova LDB passa a ser discutido e avaliado sob um novo

prisma, o da nova administração pública que estava por ser construída: a gerencial.

Nesse sentido:

“Dentre as ações iniciais do Governo em relação à educação,

definidas pelo MEC no documento ‘Planejamento Político-

Estratégico 1995/1998’, (maio, 1995), ‘a necessidade de rever e

simplificar o arcabouço legal normativo e regulamentar para

estimular (e não tolher) a ação dos agentes públicos...’ passa a

ser da mais alta importância. Conseqüentemente, decorre a

estratégia desenvolvida com o objetivo de ‘aprovar uma nova Lei

de Diretrizes e Bases que possibilite a diversificação

institucional: novos cursos, novos programas, novas modalidades’

e ‘retirar da Constituição dispositivos que engessam a gestão do

sistema educacional... instituir um novo Conselho Nacional de

Educação mais ágil e menos burocrático; modificar

regulamentações para garantir maior autonomia à escola ... e

transferir a ênfase dos controles formais e burocráticos para a

avaliação de resultados” (PINO, 1997, p. 6, grifo nosso).

Seus idealizadores preconizavam que o Estado não deveria concentrar suas

ações em setores não-exclusivos, como a educação. Este seria o papel das

Organizações Sociais e da iniciativa privada.

Nesse sentido, Souza (1997, p. 98) caracteriza a nova LDB, da seguinte

forma: “Lei aberta, flexível, com fortes tinturas antiburocráticas e anticartoriais, que

se constituiu num desafio permanente à inteligência, à cultura e à criatividade de

seus aplicadores”.

Em 20 de dezembro de 1996, é aprovada a nova LDB, passando a ser

conhecida como Lei Darcy Ribeiro, constituindo-se em uma adequada moldura

jurídica para as propostas do MARE (SILVA JÚNIOR; SGUISSARDI; 2001). A LDB

69

foi aprovada após uma movimentação de apoio da base de FHC no Congresso

Nacional, conforme registra:

“A criação do livre mercado educacional, por meio de políticas

de Estado, teve como ponto alto a aprovação da versão da

LDB do MEC, relatada pelo senador Darcy Ribeiro (PDT),

então em aliança com PFL e o PSDB” (LEHER, 2003, p. 89,

grifo nosso).

.

A Lei n. 9.394/96 representa a busca do governo em preparar o segmento

para a reforma do Estado que estava sendo desenvolvida naquele momento. Nela é

instituída a busca pela eficiência, pela excelência dos serviços, por um padrão de

qualidade.

A LDB em seu Art. 7º, complementa a CF/88:

“O ensino é livre à iniciativa privada, atendidas as seguintes

condições: I - cumprimento das normas gerais da educação nacional

e do respectivo sistema de ensino; II - autorização de funcionamento

e avaliação de qualidade pelo Poder Público; III - capacidade de

autofinanciamento, ressalvado o previsto no art. 213 da Constituição

Federal”.

Vê-se que se trata praticamente de uma transcrição do texto constitucional,

estabelecendo uma terceira condição, a “capacidade de autofinanciamento”.

Mantém-se na LDB o interesse em assegurar o processo nacional de

avaliação das instituições de educação criado pela Lei n. 9.131/95.

Define-se de início na Lei n. 9.394/96 a organização da educação nacional em

sistemas de ensino, estabelecendo-se as incumbências da União, dos Estados e

dos Municípios.

A LDB em seu Art. 9º, ao tratar da organização da educação nacional,

esclarece a incumbência da União em organizar, manter e desenvolver os órgãos e

instituições oficiais do sistema federal de ensino e dos territórios.

70

Assim, é o texto da LDB de 1996, pontual nos temas relativos à educação,

mas superficial ao tratar de sua regulamentação. Temas importantes da educação

nacional passam a ser tratados mediante a expedição de resoluções, portarias,

decretos, medidas provisórias e de leis ordinárias.

Nesse sentido, destaca Silva Júnior e Sguissardi (2001, p. 55) que:

“A generalidade e a flexibilidade da LDB, como guarda-chuva das

reformas pontuais, possibilitam ao MEC editar normas

complementares via decretos e portarias. É o caso do Decreto n.

2.207, de 15 de abril de 1997, revogado e substituído pelo Decreto

n. 2.306, de 19 de agosto do mesmo ano. Ele estabelece distinções

inéditas para o sistema de ensino brasileiro: (...). Ele põe a nu o que

o artigo 45 da nova LDB encobria e que estava presente na versão

anteriormente aprovada no Senado em seu Art. 43 (...)”.

Portanto, a complementação45 da LDB de 1996 ficou para um momento “a

posteriori”. A sua forma ampla, geral e flexível foi o principal motivo pelo qual o

governo conseguiu aprová-la, passados mais de 10 (dez) anos de tramitação de seu

projeto no Congresso Nacional.

A política educacional do governo FHC se exterioriza também na produção

normativa que ficou de fora46 da LDB. A organização da educação superior e a

45 À guisa de registro destacamos como exemplo na educação superior e no ensino jurídico os

seguintes atos normativos promulgados: Lei n. 9.131/95 (Alterou os dispositivos da Lei n. 4.024/61,

que criou o CNE e o Exame Nacional de Cursos; e assegurou o direito da OAB em manifestar-se nos

pedidos de autorização e de reconhecimento de curso jurídico); Lei n. 9.192/95 (Regulamentou o

processo de escolha dos dirigentes universitários); Lei n. 9.536/97 (Regulamentou o parágrafo único

do Art. 49 da Lei n. 9.394/96); Lei n. 10.172/2001 (Aprovou o Plano Nacional de Educação,

diagnosticando a Educação Superior e estabelecendo objetivos e metas); Decreto n.

2.306/97(Mantém o papel da OAB de se manifestar sobre autorização e reconhecimento dos cursos

jurídicos; e revogou o Decreto 2.207/97); Decreto n. 3.860/01(BRASIL, 2001b) dispõe sobre a

organização do ensino superior, a avaliação de cursos e instituições, e dá outras providências;

mantém a manifestação da OAB para criação e reconhecimento dos cursos jurídicos; e revoga o

Decreto n. 2.306/97; Pela primeira vez denomina o MEC de Ministério da Educação, suprimindo “e do

desporto”; Parecer 146/02 da CES/CNE/MEC (Trata das Diretrizes Curriculares Nacionais, entre elas

as DCN do Curso de Direito).

46 Não podemos deixar de citar que a Portaria MEC n. 181, de 23 de fevereiro de 1996, estabeleceu

“novos”procedimentos de autorização para funcionamento de cursos superiores de graduação.

Adequando as normas da Resolução n. 1/93, do extinto CFE; e a Portaria do MEC n. 3, de 9 de

janeiro de 1996, alterou o Art. 16 da Portaria MEC n. 1.886/94 (estabeleceu o currículo mínimo para o

curso de Direito), estabelecendo que “as diretrizes curriculares desta Portaria são obrigatórias aos

novos alunos matriculados a partir de 1997 nos cursos jurídicos que, no exercício de sua autonomia,

71

avaliação de qualidade pelo poder público passam a ser as principais políticas

educacionais.

Não podemos deixar de analisar os principais atos normativos confeccionados

nesse período que demonstram a existência de um novo Estado menos

intervencionista.

Vimos anteriormente que a Lei n. 9.131/95, confirmou a extinção do CFE e

criação do CNE e da avaliação periódica do Exame Nacional de Cursos (ENC). Na

LDB consta o princípio de avaliação, como política de Estado, mas os instrumentos,

formas e procedimentos são políticas de governo.

O ENC foi regulamentado fora da LDB, pela Portaria MEC n. 249, de 18 de

março de 1996, que instituiu a sistemática para a realização anual do “provão”, o

principal elemento para a avaliação periódica das IES e dos “cursos superiores de

educação”. Estava pronto o principal critério de avaliação da educação superior.

Esse instrumento de avaliação permitia ao Estado o controle das instituições de

ensino superior, conceituando os cursos com base no desempenho dos alunos

concluintes.

Cada vez mais o Estado passa de executor para regulador e avaliador

(DURHAM, 2005, p. 228).

A regulação que passa a ser elaborada tem como matriz a avaliação do ENC,

criado pela Lei n. 9.131/95. Os atos regulatórios que passam a ser vistos no sentido

de promover a qualidade das instituições, dos cursos e do próprio sistema de

educação superior. O Estado incentiva a iniciativa privada a investir no ensino

superior, mas exerce diretamente o seu processo de regulação e de avaliação. Com

esse entendimento,

poderão aplicá-las imediatamente”. Registramos que a Portaria MEC n. 1.886/94 será estudada

separadamente no capítulo sobre o ensino jurídico.

72

“A regulação do setor educação é indispensável em um regime

democrático. Precisamos ter marcos que funcionem com regras

públicas, explícitas, que sejam respeitadas por todas as partes e por

todos os entes que compõem a estrutura de poder. Então, é

fundamental criar os marcos regulatórios para o setor da educação,

principalmente o setor privado da educação”.

(...) Para que a regulação exista, é indispensável que tenhamos um

bom sistema de avaliação, porque qualquer sistema regulatório

supõe um sistema de informação e avaliação muito claro, objetivo,

transparente, para que esta regulamentação seja efetivamente

exercida. O sistema de regulação externa deveria ter por objetivo

principal promover uma educação de qualidade para todos,

considerando a enorme desigualdade e heterogeneidade das

instituições de ensino superior do País.

(...)A avaliação do sistema como instrumento do processo de

regulação é muito mais adequado e legítimo num regime

democrático do que impedir o crescimento do sistema de forma

burocrática e casuística” (CASTRO; TIEZZE; 2005, p. 122-123).

.

Já em 1997, tivemos o Decreto n. 2.207, de 15 de abril, revogado47 pelo

Decreto n. 2.306, de 19 de agosto de 1997, regulamentando a questão das pessoas

jurídicas de direito privado, mantenedoras de instituições de ensino superior com fins

lucrativos, e as sem fins lucrativos (tais como: comunitárias, confessionais e

filantrópicas ou constituídas como fundações). Esse Decreto deu mais transparência

à questão jurídica dessas entidades, principalmente ao reconhecer o que a

Constituição Federal de 1988 defendia: “o ensino é livre à iniciativa privada”.

O Decreto 2.306/97 conseguiu algo que seria impraticável de ser realizado

durante a tramitação do projeto da LDB no Congresso Nacional, que foi

regulamentar o seu Art. 47, aos variados graus de abrangência da educação

superior ao definir:

“Art. 8º Quanto à sua organização acadêmica, as instituições

de ensino superior do Sistema Federal de Ensino classificamse

em: I -universidades; II - centros universitários; III -

faculdades integradas; IV - faculdades; V - institutos superiores

ou escolas superiores”.

47 Sobre o assunto sugerimos a leitura de Silva júnior; Sguissardi; 2001, p. 59.

73

Reforça-se nesse momento, a existência de dois tipos de instituições de

educação superior: as de ensino, pesquisa e extensão; as instituições de ensino.

Depreende-se a ilação de que as estratégias do MARE para a educação superior no

Brasil começam a ser estabelecidas. O fortalecimento e a definição do que seja “a

iniciativa privada” aglutina-se com a perspectiva do ensino ser desenvolvido fora do

âmbito das Universidades, em instituições puramente de ensino.

A diversificação do sistema de educação superior é uma estratégia do

governo FHC para flexibilizar o atendimento da demanda relativa ao acesso ao

ensino superior, mediante a adoção de critérios mercadológicos, tais como

concorrência, avaliação e a análise do desempenho. Nesse sentido Dourado, Catani e

Oliveira (2003, p. 22), esclarecem:

“No caso brasileiro, particularmente no governo de FHC, a

diversificação e a diferenciação do sistema de educação superior

em função da demanda crescente de vagas, por meio de

mecanismos que objetivam a massificação desse nível de ensino. A

expansão do sistema, bem como a integração dos diferentes

procedimentos de avaliação, credenciamento e recredenciamento,

visando a produzir um sistema baseado na flexibilidade,

competitividade, diferenciação e avaliação, balizam as políticas

adotadas pelo Ministério da Educação (MEC) no campo da

educação superior” (grifo nosso).

A criação dos Centros Universitários demonstra a flexibilização da

organização da educação superior nesse período. A ampliação da autonomia

universitária para outros tipos de estabelecimento de ensino diminuía o centralismo

burocrático do Estado flexibilizando suas relações com o mercado (DURHAM, 2005).

O Decreto n. 2.306/97 renovou o direito da OAB em manifestar-se nos

pedidos de autorização e de reconhecimento de curso jurídico. Este confirmou a

74

aceitação da interferência de uma corporação profissional na organização da

educação superior.

É importante frisarmos que a Lei n. 8.906/94 (Estatuto da OAB) foi o indutor

do Decreto n. 1.303, de 8 de novembro de 1994, que consideramos o primeiro

documento na história da educação superior brasileira a regulamentar a

manifestação de uma corporação de ofício, o Conselho Federal da OAB, para a

autorização e reconhecimento de cursos jurídicos. A manifestação do Conselho

Federal da OAB em alguns casos se sobrepunha aos órgãos oficiais de educação48.

Devido à importância do tema, trataremos o assunto de forma mais específica no

Capítulo sobre ensino jurídico.

No segundo mandato de FHC, temos em 10 de Janeiro de 2001, a Lei n.

10.172, que aprovou o Plano Nacional de Educação (PNE). Estabeleceu que após a

sua vigência os Estados, Distrito Federal e Municípios deveriam elaborar seus

planos decenais correspondentes. Trata-se de uma política de Estado, inclusive

determinada pela CF/88, em seu Art. 214, reforçado pelo estabelecimento da

década da educação pela LDB/96, em seus Arts. 9º e 87.

Em relação à educação superior, o PNE estabeleceu como meta:

“Prover, até o final da década, a oferta de educação superior para, pelo

menos, 30% da faixa etária de 18 a 24 anos”.

48 Dispunha sobre a criação de Universidades e estabelecimentos isolados de ensino superior, e dava

outras providências. Esse Decreto assinado pelo Presidente Itamar Franco e pelo Ministro Hingel,

tinha 17 artigos sobre educação superior, destinando ao ensino jurídico 3 artigos densos outorgando

poderes ao Conselho Federal da OAB. O Seu Art. 10 estabelecia que “Será dispensada a análise do

Conselho de Educação competente no caso de manifestação favorável do Conselho Federal da

Ordem dos Advogados do Brasil nos pedidos de criação de cursos jurídicos formalizados por

universidades”.

75

O Estudo da Lei n. 10.172/01 nos possibilita conceber as bases de

formulação desse Plano Decenal, erigido sob o manto de um outro plano (o diretor

de reforma do Estado). Ela estabelece no item 4.2:

“É importante a contribuição do setor privado, que já oferece a maior

parte das vagas na educação superior e tem um relevante papel a

cumprir, desde que respeitados os parâmetros de qualidade

estabelecidos pelos sistemas de ensino” (BRASIL, 2001a).

Portanto, a iniciativa privada poderá contribuir com a expansão do setor,

desde que aceite ser regulada e avaliada pelo Estado49. Admite-se, assim, a

descentralização da educação para o mercado a fim de cumprir uma política de

Estado.

Meses depois, em 9 de julho de 2001, tivemos o Decreto n. 3.860 (BRASIL,

2001b) 50, dispondo sobre a organização do ensino superior, dá avaliação de cursos

e de instituições. Este Decreto, ao tempo em que revogou os Decretos n. 2.026/96, e

2.306/97, organizou as normas esparsas sobre os assuntos ali tratados e que muitas

vezes estavam perdidos no meio de decretos, portarias, pareceres e resoluções.

É importante destacarmos a definição das atribuições do MEC e do INEP, que

o Decreto n. 3.860/01 (BRASIL, 2001b) apresenta. O primeiro coordena a avaliação

de cursos, programas e instituições de ensino (Art. 16). O Segundo organizará e

executará essas avaliações51 (Art. 17), deixando de ser um instituto de estudos

pedagógicos para se transformar “numa importante agência de produção de

estatísticas e realização de avaliações da educação em todos os níveis (CASTRO,

49 Trata-se da leitura realizada do Art. 209, da CF/88, e do Art. 7º da LDB. Sua parte final diz: “I –

cumprimento das normas gerais da educação nacional e do respectivo sistema de ensino; II –

autorização de funcionamento e avaliação de qualidade pelo Poder Público; (...)”.

50 Mantém a manifestação da OAB para criação e reconhecimento dos cursos jurídicos; Denomina o

MEC de Ministério da Educação, suprimindo “e do desporto”.

51 Exceto a avaliação de programas de mestrados e de doutorado a ser realizado pela Capes (Art.

18).

76

2005, p. 250)”. Trata-se de mais uma grande mudança realizada na educação

superior.

Portanto, no contexto da educação superior podemos registrar a existência de

três agências incumbidas de realizarem a regulação do Estado: MEC, CNE e INEP.

Podemos concluir - com base no que foi disposto - que as políticas voltadas

para a educação superior no governo de FHC tiveram sua origem no Plano Diretor

de reforma do Estado (MARE), e por conseqüência na LDB/96 (MEC), refletindo

ainda em toda legislação que passa a vigorar a partir de 1995.

Esses instrumentos normativos se relacionam umbilicalmente em todos os

instantes com as políticas gerenciais da nova administração pública.

Enquanto um Ministério formula a política da administração pública gerencial,

estabelecendo diretrizes, o outro Ministério cuida de executá-las fielmente.

Para isso, é formada uma nova concepção de educação superior, onde

objetivos e metas são estabelecidos para serem cumpridos, complementando o

Plano Diretor do MARE (BRASIL, 1995b). Não mais como políticas de um governo,

mas, agora, de Estado. Elas são as novas faces da educação superior no Brasil,

como diria Oliveira (2001, p. 8):

“(...) As políticas executadas, tanto no campo da chamada reforma

do Estado, quanto na educação superior, correspondem a essa

unidade (da matriz ideológico-doutrinária do governo de FHC), com

os desvios, correções de rumo, às vezes oposições menores, que

advêm da passagem da doutrina para a prática política, na qual,

costumeiramente, a mídia em geral, voyerista e vazia, supõe

enxergar fundas divergências” (grifo nosso).

77

As instituições foram liberadas dos controles burocráticos e instadas a crescer

e a encontrar seus próprios modos de responder e sobreviver aos novos desafios

(CASTRO, 2005).

É importante, agora, analisarmos o ensino jurídico diante das políticas

educacionais realizadas no governo FHC. Para facilitar nossa pesquisa, decidimos

dedicar um capítulo específico para a pesquisar e confrontarmos as posições do

MEC e da OAB para o ensino jurídico.

78

5 O Ensino Jurídico

Neste capítulo analítico, a nossa pesquisa focaliza as posições do MEC e da

OAB para o ensino jurídico durante o octênio de FHC. Analisaremos até que ponto

as políticas realizadas por FHC repercutiram no ensino jurídico; quais as propostas

do MEC e da OAB para o ensino jurídico? E, por último, qual o papel da OAB em

relação ao ensino jurídico? Seria a OAB um ente regulador do ensino jurídico? A

resposta a essas questões será fundamentada no estudo realizado anteriormente

sobre o Estado, a educação superior e, agora, o ensino jurídico.

Vimos nos capítulos anteriores que a OAB, no final do governo de Itamar

Franco, pelo Decreto n. 1.303/9452, passou a desempenhar uma ação importante em

relação ao ensino jurídico, que foi a de manifestar-se nos pedidos de autorização e

de reconhecimento de cursos jurídicos. Ressaltamos naquela oportunidade que este

Decreto surgiu em decorrência da Lei n. 8.906/94, que criou o Estatuto da OAB.

Veremos que o governo FHC53 dará continuidade a esse processo de

participação da OAB no ensino jurídico, como será analisado mais adiante.

52 O Decreto n. 1.303/94 submetia a autorização ou reconhecimento de cursos jurídicos das

universidades à manifestação da OAB. Já seu Art. 10 dispensava a análise do Conselho de

Educação competente “no caso de manifestação favorável do Conselho Federal da OAB nos pedidos

de criação de cursos jurídicos formalizados por universidades”. Registremos que à época já estava

em vigor a Constituição Federal de 1988, que estabelece em seu Art. 207, a autonomia universitária:

“as universidades gozam de autonomia didático-científica, administrativa e de gestão financeira e

patrimonial, (...)”.

53 No governo de FHC nada mudou em relação à interferência da OAB na educação superior,

especificamente em relação ao ensino jurídico. Verifica-se que houve uma adaptação da concessão

anterior à nova realidade educacional sobrevinda com a Lei n. 9.131/95 e com a Lei n. 9.394/96

(LDB). O Decreto n. 2.306/97 defendia: “Art. 17 A criação e o reconhecimento de cursos jurídicos em

instituições de ensino superior, inclusive universidades. Dependerá de prévia manifestação do

Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil”.

79

É importante registrarmos que a OAB foi criada, após a Revolução de 30, pelo

Decreto n. 19.408, de 18 de novembro de 1930, que "Reorganiza a Corte de

Apelação e dá outras providências". O Art.17 desse Decreto assim dispunha:

"Fica criada a Ordem dos Advogados Brasileiros, órgão de disciplina

e seleção da classe dos advogados, que se regerá pelos estatutos

que forem votados pelo Instituto da Ordem dos Advogados

Brasileiros, com a colaboração dos Institutos dos Estados, e

aprovados pelo Governo”.

À guisa de explicação, lembramos que OAB não é entidade autárquica, mas

um órgão público inominado, não se configurando como uma autarquia federal,

permanecendo desatrelada do poder público e fora do alcance de sua fiscalização

pelo Tribunal de Contas da União (TCU), conforme decidiu o Supremo Tribunal

Federal (STF), na Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADIN) n. 3.02654.

O direito de “opinar” nos pedidos de autorização e de reconhecimento de

cursos jurídicos, na prática, representa um poder racional dado à OAB pelo Estado.

Nesse sentido Weber (1991, p. 33) indica três hipóteses de poder legítimo,

que são:

“a) o poder tradicional, característico das monarquias, que

independe da legalidade formal;

b) o poder carismático, que é aquele exercido pelos líderes

autênticos, que interpretam os sentimentos e as aspirações do povo,

muitas vezes contra o direito vigente;

c) “o poder racional, que é exercido pelas autoridades

investidas pela lei, havendo coincidência necessária, apenas

neste caso, entre legitimidade e legalidade” (grifo nosso).

A OAB, ao manifestar-se nos processos de autorização e de reconhecimento

dos cursos jurídicos, configura-se como agente regulador, principalmente quando

54 Conforme pesquisa realizada no site www.stf.gov.br, em 28/07/2006, às 18h 40.

80

passa a expedir Instruções Normativas (IN), regulamentando as condições

necessárias para a recomendação de um curso jurídico.

Tais Instruções Normativas indicam claramente as exigências que a IES

devem atender para receber a recomendação da OAB, que muitas vezes é diferente

das exigências do MEC. Outro critério utilizado pela OAB é o da “necessidade

social”, conforme será visto abaixo.

Para compreensão do conceito de “necessidade social” para a OAB,

recorremos à análise de sua IN n. 01/97. Esta indica dados que devem ser

comprovados pela instituição de ensino ao pleitear a autorização de curso jurídico:

“I - população do município, indicada pelo IBGE - que não poderá

ser inferior a 100 mil habitantes, levando-se em conta a proporção

máxima de 100 vagas iniciais anuais para cada 100 mil habitantes;

II - instituições de ensino médio, existentes no município, com

respectivos números de alunos;

III - cursos de graduação, em geral autorizaddos ou reconhecidos,

inclusive os jurídicos existentes no município, com respectivas

vagas anuais, e os cursos de pós-graduação, se houver; no caso de

capitais e regiões metropolitanas, apenas os cursos jurídicos”;

Os critérios utilizados pela IN n. 01/97 em apreço ressaltam o caráter

quantitativo desses parâmetros estabelecidos para que o curso jurídico novo seja

apreciado pela CEJ; do contrário, sequer será analisado. Continua a IN n.01/97:

“IV - havendo cursos jurídicos no município, a relação média

candidato/vaga, nos vestibulares mais recentes;

V - composição dos órgãos da administração da justiça e segurança

instalados no município, como tribunais, juizados, OAB, ministério

público, defensoria pública, delegacias, penitenciárias, órgãos

notariais e de registro público;

VI - total de advogados inscritos da OAB local;

VII - órgão ou entidades que possam absorver estagiários;

VIII - livrarias jurídicas e bibliotecas de órrgãos jurídicos franqueados

à consulta pública;

IX - curriculum vitae e cópias dos diplomas relativos à mais alta

titulação dos professores, com respectivas declarações de

compromisso com o curso.

§ 1º A instituição interessada poderá considerar os dados relativos à

81

área equivalente a um raio inferior a 50 km do centro do município

(IN. n. 01/97)”.

O conceito de “necessidade social” da OAB intenciona saber se o município

oferece condições estruturais para sediar um curso de Direito ou não. Acontece que

esses critérios são subjetivos - estabelecidos administrativamente pela CEJ e não

pelo MEC -, representando para muitos uma reserva de mercado (DINIZ, 2004;

NUNES; NOGUEIRA e RIBEIRO, 2001).

Os críticos dessa interferência da OAB no ensino jurídico (e por conseqüência

na educação superior) fundamentam-se no Art. 209, da CF/88 que trata do princípio

constitucional de que o ensino é livre à iniciativa privada, “desde que observados à

avaliação de qualidade pelo poder público”.

Ultrapassada essa fase – e confirmada o atendimento – da “necessidade

social”, passa a CEJ a examinar os critérios qualitativos do projeto do curso.

Vejamos:

“§ 2º Se os dados forem considerados satisfatórios, a CEJ

apreciará o projeto, considerando os indicadores de avaliação

externa apropriados ao pedido de autorização, relativamente aos

seguintes campos: a) qualificação do corpo docente, regime de

trabalho, plano de carreira e de capacitação; b) qualidade da

organização didático-pedagógica, incluindo ensino, pesquisa,

extensão, estágio e número de alunos por turma; c) infra-estrutura

destinada ao curso, acervo bibliográfico disponível (30% do total

mínimo exigível) e plano de aquisição de restante, além de

instalações do núcleo de prática jurídica (IN n. 1/97)” (Grifo nosso).

O Art. 2º da instrução normativa em apreço confirma que o “requisito da

necessidade social” é estabelecido no Art. 1º da IN. n. 01/97, podendo ser

excepcionado esse requisito no caso de projeto de curso “diferenciado”, sendo

definido como aquele “que apresente alta qualificação”.

82

Portanto, em se tratando da autorização de um curso jurídico que apresente

um projeto de alta qualidade, não necessitará demonstrar sua necessidade social,

desde que possua:

“I - metade do corpo docente com titulação de doutorado ou

mestrado; II - metade do corpo docente em regime de tempo integral

ou sua totalidade em regime de tempo integral e 20 horas; III -

qualidade do acervo bibliográfico atualizado, comprovadamente em

nome da instituição; IV - qualidade da estrutura curricular; V -

implementação dos núcleos de pesquisa (incluindo a orientação à

monografia) e de extensão; VI - Remuneração do corpo docente

acima da média praticada na região; VII - número reduzido de vagas

pretendidas e dimensão das turmas que não ultrapassem 40 alunos;

VIII - instalação adequada destinadas ao núcleeo de prática jurídica e

recursos previstos ao seu funcionamento; IX - laboratório de

informática jurídica(IN.n.01/97)”.

É interessante observarmos que foram editadas pela CEJ apenas três

instruções normativas sobre o ensino jurídico, todas em 1997, tendo como

Presidente o Dr. Paulo Luiz Neto Lobo55. Essas instruções normativas caracterizam-se como atos administrativos de regulação do ensino jurídico, adicional56 às políticas

educacionais advindas do MEC.

O critério da necessidade social é um ponto controverso que gera

desencontros entre a OAB e o MEC. A seguir, apresentamos o posicionamento do

Presidente da CEJ/OAB, Paulo Roberto Medina, e a do Vice-Presidente da

CES/CNE/MEC, Edson de Oliveira Nunes, durante uma entrevista à Revista Justilex

(2004, p. 16-17), que versou sobre o tema de capa: “O ensino jurídico está doente:

qual o remédio?”.

55 A Comissão de ensino jurídico ainda contava com: Dr. Álvaro Melo Filho; Dr. Aurélio Wander

Chaves Bastos; Dr. João Maurício Adeodato; Dr. José Adriano Pinto; Dr. José Geraldo de Souza

Júnior; Dra. Loussia P. Musse Félix; e o Dr. Roberto Armando Ramos de Aguiar (OAB ENSINO

JURÍDICO, 1996).

56 Nesse sentido temos a IN n. 01/97, que dispõe sobre os pedidos de autorização de cursos jurídicos

novos; a IN. 02/97, que divulga os critérios adotados para análise dos pedidos de reconhecimento de

cursos jurídicos; e a IN n.03/97, que divulga os critérios adotados para análise dos estágios, nos

pedidos de autorização.

83

A revista interrogou ambos sobre a seguinte questão: “qual o motivo do

desentendimento entre a Comissão de Ensino Jurídico da OAB e o CNE na questão

da criação dos cursos de Direito?”.

Pela CEJ/OAB, seu Presidente respondeu:

“O motivo fundamental é o critério da necessidade social que a

Comissão de Ensino Jurídico da OAB leva em conta e que o

Conselho Nacional de Educação não leva”.

A resposta acima evidencia o descontentamento da OAB em relação à não

observância pela CES/CNE de suas instruções normativas para o ensino jurídico,

especificamente para a questão da necessidade social, defendida pela OAB.

Já o representante da CES/CNE respondeu:

“Não há desentendimento. É apenas uma diferença de método

e perspectiva. A OAB observa fundamentalmente a questão da

necessidade social; já o CNE não, porque a Constituição

Federal diz que o ensino é livre desde que preencha as

condições necessárias. E essas condições são atestadas por

uma comissão formada por professores de Direito. O MEC

instaura o processo e envia uma comissão de docentes da

área, que verifica as condições do curso. Enfim, as decisões

do CNE são tomadas com base em relatórios”.

O discurso acima de Nunes57 é no sentido de restringir o papel regulador da

OAB e a favor da expansão de novos cursos jurídicos, lastra-se no texto

constitucional já citado que impede quaisquer interferências no ensino que não

sejam da avaliação de qualidade pelo poder público.

O MEC não aceita que a OAB seja um órgão regulador do ensino jurídico,

pois para ele seria uma intromissão indevida nas atividades do poder público

responsável pela educação superior no Brasil.

57 Registre-se que atualmente é o Presidente da CES/CNE.

84

Por outro lado a OAB arroga para si a responsabilidade do ensino jurídico

com base no que lhe foi conferido por seu Estatuto.

Esses desencontros do MEC e da OAB têm gerado grandes transtornos ao

ensino jurídico. Daí entendermos que a solução seria a criação de uma Residência

Jurídica (FEITOSA NETO, 2006), onde os interesses58 desses atores seriam

harmonizados:

“Acreditamos que o debate não passa por esses temas, mas sim por

uma proposta efetiva para unirmos as partes interessadas e

encontrarmos um novo caminho a ser seguido. Em 1999,

defendíamos em publicações especializadas (entre elas a Revista

da OAB/GO, abril de 1999, p. 15) a criação de uma residência

jurídica, onde os estudantes de Direito receberiam uma formação

acadêmica, humana, generalista nos cursos de graduação saindo

das faculdades diplomados com o bacharelado em Direito. Porém,

sua formação profissional seria ofertada pela OAB, através da

Escola da advocacia, recebendo toda uma preparação profissional.

Semelhante ao que existe na Medicina. Essa proposta poderia ser

construída com a participação do MEC, da OAB e das instituições

de ensino (FEITOSA NETO, 2006)”.

A seguir, apresentamos um trecho importante de um parecer que analisou o

pedido de autorização de curso jurídico59.

Afirma:

“(...) Esta Comissão reafirma, aqui, sua autonomia na formação de

juízo de valor quanto à recomendação dos cursos, tendo em vista

que consolidou simbólica e formalmente os parâmetros para sua

avaliação. Sendo assim, além dos parâmetros gerais e específicos,

esta Comissão ratifica aqui os elementos utilizados para balizar este

parecer, quais sejam os inseridos nas Instruções Normativas 01,

02 e 03 da CEJU/OAB” (grifo nosso).

58 Nossa idéia foi defendida publicamente no artigo publicado na Revista Consulex e no Jornal da

OAB/GO em 1999, denominado “Uma Residência para o Direito ”; e em um outro publicado em 2006,

sob o título “O Exame de Ordem e a Busca de Uma Residência Jurídica”, no endereço eletrônico

www.mauricionassau.com.br. Acesso em 10/07/06 e em outros sites educacionais do país.

59 Informações coletadas do processo n. 043-2002/CEJU/SAPIENS. Por questões éticas, deixamos

de indicar a instituição de ensino e a cidade onde está localizada. Verificamos em conversas com

outras entidades de ensino que tiveram o parecer da OAB negando a autorização do curso jurídico,

que a fundamentação teve o mesmo teor deste documento. Registre-se que o parecer da OAB é

opinativo, não impedindo que o CNE autorize o funcionamento dos cursos que tiveram avaliação

positiva da comissão avaliadora “in locu” do INEP/MEC.

85

Temos aqui a comprovação da regulação do ensino jurídico pela OAB.

Portanto, o ensino jurídico não sofre regulação tão somente do MEC, mas também

da corporação profissional. Esses critérios estabelecidos por instruções normativas

devem ser seguidos pelos mantenedores de cursos jurídicos, caso tenha interesse

em receber a recomendação da OAB. Continuemos:

“Enquanto adensava a sua percepção acerca das condições de

apresentação de projetos, esta Comissão de Ensino Jurídico

foi sistematizando indicadores para orientar o exame de

proposições, sinalizando aos interessados, objetivamente,

os elementos balizadores de sua apreciação e de formação

de seus juízos de valor”. Em 1997, por meio de duas

instruções normativas, deu publicidade a esses parâmetros, no

primeiro ato (IN 01/97) destinado a orientar a apresentação de

propostas de criação de cursos e, no segundo (IN 02/97), com

o objetivo de orientar a análise de pedidos de reconhecimento

de cursos já autorizados a funcionar.

“É claro que nas condições do exame está presente um

requisito de necessidade social do curso, como uma

limitação necessária, mas não impeditiva de superação, já

que esta Comissão não pode determinar regras de

mercado, senão indicar elementos de diferenciação

qualitativa, presentes em projetos que carreguem marca da

excepcionalidade que justifique sua implantação emulativa

em áreas já atendidas” (Grifos nossos).

O requisito da “necessidade social” passa a ser um critério inovador, fora do

que existia dentro da legislação educacional até o final do governo FHC. É

interessante verificar que o parecer em tela admite que é uma limitação necessária,

mas “não impeditiva de superação”. O que nos leva a crer que exista certa

flexibilidade em sua aplicação.

A instrução normativa pelo que lemos abaixo passa a estabelecer um padrão

de exigência superior ao do MEC. Vislumbremos:

“Assim, para fundamentar um juízo claramente de ponderação,

que supera o requisito da necessidade social, a CEJ indicou,

também na IN CEJ/OAB 01/97, no seu artigo 2º, os seguintes

valores entre outros: 1) metade do corpo docente com titulação de

doutorado ou mestrado; 2) metade do corpo docente com regime de

86

tempo integral ou sua totalidade em regime de tempo integral ou

parcial; 3) qualidade do acervo bibliográfico atualizado; 4) qualidade

da estrutura curricular; 5) implementação de Núcleos de pesquisa

(incluindo orientação à monografia) e de extensão; 6) remuneração

docente acima da média da região; 7) número reduzido de vagas

pretendidas e dimensão das turmas que não ultrapassam 40 alunos;

8) instalações adequadas destinadas ao núcleo de prática jurídica e

9) laboratório de informática” (...) (grifo nosso).

Ao final do parecer, confirma-se o motivo pelo qual se estabelece um

desencontro de políticas entre o MEC e a OAB. Enquanto o primeiro busca a

expansão da educação superior (serviço não-exclusivo do Estado) pela iniciativa

privada, conforme advogava Bresser Pereira (2003), o segundo busca regular o

ensino jurídico promovendo sua qualidade, mediante instruções normativas bem

definidas que em tese seria um “freio” para a autorização de novos cursos jurídicos

no Brasil, por meio do critério da necessidade social. Continuemos a análise do

parecer da OAB referente ao pedido de autorização de curso jurídico60:

“(...) Esta atitude revela, ao ver desta Comissão, proeminência dos

aspectos empresariais sobre aqueles de ordem didáticopedagógica”.

Esta Comissão exige para superação do requisito da necessidade

social número reduzido de vagas pretendidas e dimensão das

turmas que não ultrapassam 40 alunos IN CEJ/OAB 01/97, artigo 2º,

inciso VII. Os requisitos de qualidade exigidos por esta

Comissão para a criação de um curso de direito em área já

atendida, como é o caso do município de (XXXX), não se

encontram cumpridos caso se mantenha este número de vagas.

(grifo nosso).

Sendo assim, foi encaminhada diligência solicitando recomposição e

comprovação deste item.

(...) Desta forma, não sendo superado o requisito da necessidade

social, pela demonstração da excepcionalidade, não merece o curso

manifestação favorável desta Comissão, especialmente pelo

elevado número de vagas pretendido.

Pelas razões acima aduzidas, a CEJU/OAB, neste Parecer, opina

desfavoravelmente à autorização do curso pleiteado (Processo n.

043-2002/CEJU/SAPIENS)” .

60 Ver nota anterior.

87

Não temos dúvida que a OAB, do ponto de vista legal, está autorizada a

pugnar pela qualidade no ensino jurídico, mediante poder que lhe foi outorgado pelo

Estado, através da Lei n. 8.906/94 e pelo Decreto n. 1.303/94.

Esse poder que foi concedido pelo Estatuto da OAB não é atribuído a

nenhuma outra corporação profissional. Será a luta pela manutenção deste “poder” a

causa dos posicionamentos distintos do MEC e da OAB para o ensino jurídico.

Sobre “poder”, Bonavides (1976, p.107) esclarece:

“Elemento essencial constitutivo do Estado, o poder representa

sumariamente aquela energia básica que anima a existência de uma

comunidade humana num determinado território, conservando-a

unida, coesa e solidária. Há autores que preferem defini-lo como ‘a

faculdade de tomar decisões em nome da coletividade”.

Não podemos deixar de registrar que a citação acima é uma visão

conservadora de poder, pois para Gomes (2003) o Poder de Estado na verdade é

disputa, não unidade; é divisão não coesão; é aliança e não solidariedade.

O interessante é verificarmos que o Estado, ao outorgar poderes para a OAB

em relação ao ensino jurídico, está autorizando-a questionar as políticas desse

mesmo Estado, quando o poder público, representado pelo MEC, define políticas

que contrariam os interesses da corporação dos advogados.

O questionamento das políticas é fundamental para uma sociedade

democrática. O próprio Estado não é uma entidade monolítica, mas plural e diversa.

Na história da organização da educação superior, desde o advento da

primeira Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional em 1961 (Lei n. 4.024, de

20 de dezembro de 1961), é a primeira vez que uma corporação profissional passa a

atuar diretamente, conforme o Decreto n. 1.303/94, na educação superior brasileira.

Seguindo cronologicamente os fatos mais relevantes relacionados com a temática

proposta, voltemos a Lei n. 8.906, de 4 de julho de 1994, que trata do Estatuto da OAB,

88

estabelecendo em seu Art. 54, poderes ao Conselho Federal da OAB em relação aos cursos

jurídicos:

“Colaborar com o aperfeiçoamento dos cursos jurídicos e opinar,

previamente, nos pedidos apresentados aos órgãos competentes para

criação, reconhecimento ou credenciamento desses cursos (ESTATUTO

DA OAB, 1994)".

À guisa de esclarecimento, cumpre-nos observar que, ao colar grau no curso

jurídico, o aluno conclui sua formação superior, recebendo o grau de bacharel em

Direito. Porém, esse título não o habilita profissionalmente para o exercício da

advocacia.

Esse é um direito outorgado à OAB, que realiza um exame de qualificação61

profissional, cujo Art. 8º, do Estatuto da OAB, prevê: “Para inscrição como advogado

é necessário: (...) diploma ou certidão de graduação em Direito”, onde o bacharel em

Direito submeter-se-á a um rigoroso processo de seleção para, ao final, sendo

aprovado, inscrever-se no quadro de advogados da OAB, recebendo, assim, o seu

registro para o exercício da profissão62 de advogado.

61Mais conhecido como “Exame da OAB”. Registremos que, segundo o documento de trabalho n. 55,

maio de 2006, do Observatório Universitário, de autoria do Prof. Edson Nunes, de cada 100 alunos de

Direito, apenas 44,99% exercem a advocacia; 2,32 % optam pela Magistratura, pelas Procuradorias,

pelo Ministério Público e por serem Delegados de Polícia. O restante dos 48% está em outras

atividades, bem distintas como dirigentes de empresas ou corretores de imóveis. Tal fato corrobora a

tese que não é cabível a presença da OAB de forma interveniente dentro das IES, e da política

curricular, posto que o curso de graduação jurídico não prepara advogados, mas, sim, bacharéis em

Direito.

62 Diferentemente do que acontece em outros cursos, como Medicina onde, ao colar grau, o

profissional já se encontra habilitado para o exercício profissional. Para o exercício da advocacia o

bacharel em Direito deverá realizar o Exame da OAB, ser aprovado, registrar-se, para poder exercer

sua atividade profissional.

89

À OAB são atribuídas competências que ultrapassam os limites de uma mera

entidade profissional. O Art. 44, da Lei n. 8.906/94 lhe incumbe o papel de

“aperfeiçoamento da cultura e das instituições jurídicas”.

“A OAB, ao contrário, embora entidade corporativa, alcançou um

papel que ultrapassa as suas atribuições de organismo de classe,

imprimindo à sua atuação um sentido público de claro alcance transsubjetivo

para a defesa de interesses gerais da sociedade. Ela mais

que organiza o agir de uma atividade profissional. Ela coordena o

agir da única atividade profissional com reconhecimento

constitucional expresso (“o advogado é essencial à administração da

justiça”). Por essa razão, a sua atuação no processo de qualificação

do ensino jurídico é de fomento e é indutor. Não tem sentido

corporativo de reserva de mercado profissional. Tem valor simbólico,

enquanto estabelece parâmetros éticos e valorativos para

salvaguarda da cidadania, como conquista histórica” (CASTRO,

2001, p.15).

A partir da Lei n. 8.906/94, passamos a vislumbrar uma maior interferência da

OAB no ensino jurídico, que tem seu ápice justamente com o Parecer

CES/CNE/MEC n. 146/02, que vem a substituir o currículo mínimo da Portaria MEC

n. 1.886/94 pelas Diretrizes Curriculares Nacionais (DCN) para o curso de Direito.

Como será analisado detalhadamente a seguir.

Com o advento da Portaria MEC n. 1.886, de 30 de dezembro de 1994, do governo de

Itamar Franco (frise-se), foram realizadas profundas mudanças na organização curricular63 do

curso de Direito no Brasil, e, também, na educação superior brasileira, pois essa portaria deu

vida a um instituto que se encontrava revogado: o currículo mínimo64.

63 Verifica-se também que a Portaria em apreço trouxe algumas novidades de ordem pedagógica.

Criou, por exemplo, duas espécies de matérias no currículo jurídico: as matérias fundamentais

(introdução ao direito, filosofia, sociologia, economia e ciência política) e as profissionalizantes ou

jurídicas (direito constitucional, civil, administrativo, tributário, penal, processual civil, trabalho,

comercial e internacional).

64 O Presidente da CEJ em 1996, LÔBO (1996, p. 9) confirma que o currículo mínimo é a

denominação de que trata a Portaria MEC n. 1.886/94, diz: “O conteúdo mínimo dos cursos (ou

currículo mínimo, como é denominado) é igual para todos”.

90

Para melhor compreensão do assunto é importante lembrarmos que Melo

Filho (1996) considerava a Portaria MEC n. 1.886/94 “uma revolução sem armas” do

ensino jurídico.

O texto final da Portaria MEC n. 1.886/94 foi elaborado pela Comissão de

Especialistas do Ensino do Direito da Secretaria de Educação Superior (SESU-MEC),

deliberando o que ficou definido em seminários regionais nas cidades Porto Alegre, Recife e

São Paulo e, por fim, no seminário nacional sobre ensino jurídico realizado em Brasília

(LÔBO, 1996).

Daí o entendimento que, mesmo se tratando de uma Comissão de

Especialistas65 da SESU/MEC, a Portaria MEC n. 1.886/94 fora confeccionada sob a

ótica da OAB há exatamente pouco mais de dois meses66 após a MP n. 661/94, que

extingüiu o CFE.

Sobre a CEJ, Félix (2001, p. 29) analisa:

“A Comissão de Ciência e Ensino Jurídico foi instalada em agosto de

1991, na gestão de Marcello Lavenère Machado, então Presidente do

Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil. Nos vinte

primeiros meses de mandato de seus membros, a Comissão teve um

impacto tão significativo que não houve mais como ignorar nem a nova

metodologia de trabalho que então se inaugurava, nem tampouco o

novo papel que a OAB assumiria na resolução da crise do ensino. A

CEJ, como denominaremos de agora em diante Comissão de Ciência e

Ensino Jurídico do Conselho Federal da OAB, foi institucionalizada e

de alguma forma se profissionalizou”.

Segundo os membros da CEJ, a Portaria MEC n. 1.886/94 fora construída após a

ouvida de diversos profissionais ligados ao ensino jurídico, sendo considerada o fruto de um

65 Entre os membros da comissão de especialistas da SESU/MEC citamos os Profs. Joaquim Lopes

Neto (PUC/RS), Paulo Luiz Neto Lôbo (UFAL), José Geraldo de Souza Júnior. (UnB); com a

assessoria da Profa. Loussia Musse Feliz (UnB). Registre-se que os três últimos constam como

membros da Comissão de Ensino Jurídico (CEJ) da OAB, conforme livro OAB – ENSINO JURÍDICO:

NOVAS DIRETRIZES CURRICULARES (Brasília: 1996).

66 Adiante mostraremos cronologicamente a intensa produção normativa que aconteceu em 1994,

favorável ao ensino jurídico.

91

esforço em busca da qualidade do ensino jurídico, e principalmente em combater a Resolução

n. 03/72, do extinto CFE, que para Lôbo (1996, p. 9) seria insuficiente e desatualizada.

Pretendia-se que a Portaria em apreço estabelecesse um conteúdo mínimo para todos

os cursos de Direito do país, acrescido das “matérias e atividades definidas no projeto

pedagógico de cada curso (PPC), mercê de sua autonomia didático-científica (LÔBO, 1996, p.

9)”.

Deve-se observar o fato da Portaria n. 1.884/94 asseverar em sua ementa:

“fixa as diretrizes curriculares e o conteúdo mínimo do curso jurídico”. Ou seja,

apresenta em um só instrumento a possibilidade da co-existência de dois tipos de

currículos em um mesmo curso.

Para Coll (1997), existem duas concepções de currículos que devem ser

analisadas:

a) uma concepção centralizadora ou fechada – currículo fechado: na qual o

currículo estabelece com minúcias os objetivos, conteúdos, materiais didáticos e

métodos que os professores vão utilizar em cada área de ensino; corresponde ainda

a idéia de unificar e homogeneizar ao máximo o currículo para toda a população

escolar e, conseqüentemente, desenvolvê-lo como aplicação fiel do projeto

curricular;

b) uma concepção descentralizadora ou aberta – currículo aberto: na qual

essa responsabilidade recai sobre os professores ou equipes de professores de

cada instituição; esta renuncia ainda a proposta de uniformizar o currículo em

benefício de melhor adequação e de maior respeito às características de cada

contexto educativo particular, concebendo o projeto curricular como algo

indissociável.

Coll (1997) reforça seu conceito sobre as concepções do currículo:

92

“Num sistema educacional fechado, os objetivos, conteúdos e

estratégias são previamente determinados, de maneira que o ensino

é idêntico para todos os alunos, e as variações em função do

contexto são mínimas. Estruturado como um processo linear e

acumulativo, o ensino assume a forma de seqüências fixas de

instrução. Em geral, os objetivos estão definidos em termos de

comportamentos observáveis dos alunos, e os conteúdos são

organizados em função das disciplinas tradicionais do

conhecimento, sem buscar conexões ou inter-relações entre eles.

Num sistema fechado, atribui-se grande importância ao resultado da

aprendizagem, cujo nível é determinado pelos critérios de

comportamento que os objetivos estabelecem. O processo de

aprendizagem do aluno se traduz num processo de hierarquia das

seqüências de instrução planejadas. A única individualização

possível do ensino refere-se ao ritmo de aprendizagem, mas os

conteúdos, os objetivos e a metodologia didática são inviáveis. Por

último, a elaboração do programa e sua aplicação estão a cargo

de pessoas diferentes” (grifo nosso).

Verifica-se que a formulação proposta pela Portaria MEC n. 1.886/94

apresenta um caráter curricular híbrido, onde estão presentes as duas concepções

de currículo que para Coll (1997) são concepções totalmente distintas.

O processo de formulação da Portaria n. 1.884/96 teria como fundamentação

legal a extinção do CFE pela MP n. 661/94, em seu Art. 4º, que daria ao MEC, após

a extinção dos mandatos dos membros do CFE, o exercício até 30 de abril de 1995,

das atribuições do CNE, criado naquele ato.

A OAB, por meio da Portaria MEC n. 1.886/94, combatia o currículo mínimo

constante na Resolução CFE n. 03/72, criado pelo Art. 9º, da Lei n. 4.024/6167

(LDB/61), que deu ao CFE, entre outros, o poder de “estabelecer a duração e o

currículo mínimo dos cursos de ensino superior”. Este foi mantido pela Lei n. 5.540,

67 O Art. 7º, da citada lei, asseverava: “Ao Ministério da Educação e Cultura incumbe velar pela

observância das leis do ensino e pelo cumprimento das decisões do Conselho Federal de Educação”.

Art. 9º, letra “e”, complementa o seu Art. 70: “O currículo mínimo e a duração dos cursos que

habilitem à obtenção de diploma capaz de assegurar privilégios para o exercício da profissão liberal ...

vetado ... serão fixados pelo Conselho Federal de Educação. (Revogado pelo Decreto-Lei n. 464, de

1969)”.

93

de 28 de novembro de 196868, o que ensejou a obrigatória observância dos

denominados currículos mínimos profissionais.

A Portaria MEC n. 1.886/94 teve uma grande aceitação do meio jurídico. Para

Pereira (2005, p. 14) a mesma representava incontestável avanço político:

“Eis aí o caminho que sabiamente a portaria elegeu para libertar o

nosso direito do empirismo, da improvisação, do imobilismo, da

ignorância e dos interesses criados em benefício das elites

retrógradas, com sua tradicional clientela de bacharéis. Essa lei é

uma rara oportunidade de contribuir para a trágica e histórica inércia

de uma ‘sociedade nacional’ de desigualdades e injustiças”.

Já para o CNE:

“O modelo de currículo mínimo implicava elevado detalhamento de

disciplinas e cargas-horárias a serem obrigatoriamente cumpridas,

sob pena de não ser reconhecido o curso, ou até não ser autorizado

quando de sua proposição, o que proibia as instituições de inovar

projetos pedagógicos, na concepção dos cursos existentes, para

atenderem às exigências de diferentes ordens (Parecer CNE n. 146/

02)”.

Sobre a Portaria MEC n. 1.886/94, os membros da CEJ de 1996 acabam por

corroborar a tese de que tal ato normativo fixava na verdade um currículo mínimo

para o curso jurídico, mesmo que tratasse em sua ementa de duas concepções

distintas. Essas são as evidências extraídas do livro “OAB ENSINO JURÍDICO

(1996)”, por exemplo Lôbo (1996, p. 9), Bastos (1996, p. 115) e Adeodato (1996, p.

81) referem-se usualmente a Portaria MEC n. 1.886/94, como: currículo mínimo ou

novo currículo mínimo, respectivamente.

68 A Lei n. 5.540, de 28 de novembro de 1968, fixou as normas de organização e funcionamento do

ensino superior, mantendo a competência do CFE: “Art. 26. O Conselho Federal de Educação fixará o

currículo mínimo e a duração mínima dos cursos superiores correspondentes a profissões reguladas

em lei e de outros necessários ao desenvolvimento nacional” (Revogado pela Lei n. 9.394/96).

94

Acontece que a MP n. 661/9469, que extinguiu o CFE, dando nova redação ao Art. 9º,

“não incluiu, dentre as competências do CNE aquela de fixar o currículo mínimo dos cursos

superiores” (BASTOS, 1996, p. 126).

Tal competência só veio a surgir com a Lei n. 9.131/9570, ao tratar das atribuições da

Câmara de Educação Superior (CES), do CNE, estabeleceu71:

Parágrafo segundo.

c) “deliberar sobre as diretrizes curriculares propostas pelo

Ministério da educação e do Desporto, para cursos de graduação”.

A Portaria MEC n. 1.886/94, para ter a sua eficácia jurídica, deveria ter

recebido a avaliação do CNE. Inclusive sua fundamentação jurídica72 baseia-se na

MP n. 765/9473:

“O Ministro de Estado da Educação e do Desporto, no uso das

atribuições do Conselho Nacional de Educação, na forma do artigo

4º da Medida Provisória n. 765, de 16 de dezembro de 1994,

(grifo nosso) e considerando o que foi recomendado nos Seminários

Regionais e Nacional dos Cursos Jurídicos, e pela Comissão de

Especialistas de Ensino de Direito, da SESU/MEC, resolve: (...)” .

Esse também foi o entendimento maduro e responsável do Professor - e membro da

Comissão de Ensino Jurídico – Bastos (1996, p. 127- 128) na revista do Conselho Federal da

OAB, sob o tema “novas diretrizes curriculares”.

Parecia até que o docente da UNIRIO estava prevendo os desencontros que surgiriam

entre o MEC e a OAB, em relação às DCN do curso de Direito a partir de 1995.

69 Essa MP foi reeditada diversas vezes, recebendo numerações distintas, mas manteve seu objeto e

conteúdo. As competências do CNE surgem com a Lei n. 9.131/95.

70 Em seguida, tratando sobre o assunto, tivemos a LDB/96 e o Plano Decenal de Educação de 2001.

71 Nesse sentido Bastos (1996, p. 127- 128): “(...) quando o artigo 3º, da Medida Provisória dispõe

que “ficam transferidas ao CNE as atribuições e competências do CFE, não transfere, é claro,

aquelas competências que não estão referidas na nova redação do artigo 9º, ou seja, não transfere a

revogada competência para definir o currículo de curso superior”.

72 Trata-se da reedição da MP n. 661/94.

73 Trata-se da MP n. 661/94, que fora reeditada.

95

Também nos chama atenção a intensa produção normativa realizada no ano

de 1994, favorável ao ensino jurídico:

Lei n. 8.906, de 4 de julho, aprovou o Estatuto da OAB e concedeu

poderes para a OAB em relação aos cursos jurídicos;

Extinção do CFE74 em 18 de outubro pela MP n. 661;

O Decreto n. 1.303 (que deu poderes a OAB para manifestar-se nos

pedido de autorização e de reconhecimento de cursos de Direito), em

8 de novembro;

E, por fim, no último dia do governo Itamar Franco, a Portaria MEC n.

1.886, em 30 de dezembro.

Esse foi o cenário que encontrou o Ministro Paulo Renato Souza ao assumir o

MEC em 1995.

A discussão sobre as DCN do curso de Direito foi iniciada precocemente, se

consideramos que o teor da Portaria MEC n. 1.886/94 não fora avaliado pelo CNE,

como discutido acima, pois este sequer havia sido criado. Vê-se que a OAB

procurou antecipar-se ao próximo governo que sucederia Itamar Franco, no caso o

de FHC.

O currículo passa a ser o ponto central das discussões entre o MEC e a OAB

para o ensino jurídico no governo de FHC. Representa muito mais do que a

organização curricular de um curso, para Moreira (2002):

“O currículo está no centro das relações de poder. Seu aspecto

contestado não é demonstração de que o poder não existe, mas

apenas de que o poder não se realiza exatamente, conforme suas

intenções (MOREIRA, 2002)”.

74 A Extinção do CFE facilitou o processo de elaboração da Portaria MEC n. 1.886/94.

96

Em Elmore e Sykes (1992) encontramos o conceito de política curricular como

uma ação simbólica representante de uma ideologia. Assim se expressam os

autores:

“Nessa perspectiva, a política curricular é uma ação simbólica,

representando uma ideologia para a organização da autoridade e

que abrange tanto as decisões da administração central como as

decisões dos contextos escolares” (ELMORE e SYKES, 1992, apud,

PACHECO, 2003, p. 14).

De um lado, temos o Estado, poder público representado pelo MEC, e do

outro lado a OAB, considerada uma das mais legítimas entidades representativas da

sociedade civil. Já no centro da discussão, encontra-se a política curricular para o

ensino jurídico.

Sobre a OAB, como representante da Sociedade Civil, temos em Scaff (2001,

p. 94-95) o seguinte posicionamento:

“Um dos paradigmas que vem sendo alterado em nossos

tempos atuais é o do monopólio do controle público e das

atividades econômicas. Hoje se fala, e se começa a praticar

o controle social dessa atividade. A diferença fica por

conta de que o controle público fica a cargo do Estado, e o

social incumbe à sociedade civil organizada. A OAB é uma

das entidades de maior respeitabilidade em nosso país,

contando inclusive com a inserção constitucional e que

tem o dever de colaborar com a sociedade no mister de

avaliar as IES que ofertam cursos jurídicos (grifo nosso). É

uma forma de exercício de controle social da atividade

educacional.

(...) Logo, entendo que a OAB tem todo direito – aliás, o dever

– de auxiliar a sociedade no processo de avaliação do ensino

jurídico, o que já vem sendo exercido com bastante denodo e

competência pela Comissão de Ensino Jurídico do Conselho

Federal”.

Encontramos em Teixeira (2001) uma importante explanação sobre

Sociedade Civil:

“A sociedade civil como uma rede de associações autônomas, com

interesses comuns, deve exercer um controle sobre o Estado,

utilizando-se para isso de meios não só institucionais, como não

convencionais. Para vertente moderada, a sociedade civil será

97

constituída de cidadãos e instituições dotados de virtudes cívicas,

cujo desenvolvimento exigiria o mercado como princípio ordenador e

a ordem-liberal-democrática como seu substrato” (TEIXEIRA, 2001,

p. 42).

A política curricular do MEC e da OAB para o ensino jurídico vai muito além

do que a análise de dispositivos legais; na prática se apresenta em discursos que

“não obrigatoriamente estão registrados na forma escrita” (LOPES, 2005, p. 2).

É justamente no governo de FHC que esses atores vão encontrar-se

novamente e expressar seus discursos distintos em favor da qualidade do ensino

jurídico. Esse período será marcado por profundas reformas administrativas

realizadas no aparelho do Estado, onde se constrói um modelo de administração

pública gerencial.

A OAB no período militar ostentou a bandeira da democracia e das liberdades

individuais, destacando-se pela defesa da cidadania; hoje, na vigência do Estado

Democrático de Direito, passa a defender o discurso da qualidade do ensino jurídico.

Para tal mister, a OAB passou a desenvolver um sistema de avaliação dos

cursos de Direito em instituições de ensino públicas e privadas, denominado de

selo75 “OAB RECOMENDA”, com base nos seguintes critérios: taxas de aprovação

do exame de ordem (de 1998 e 1999); conceitos do “Provão” (de 1996 a 2000) e a

qualificação do corpo docente, contida na avaliação das condições de oferta de

cursos, do MEC (NUNES, NOGUEIRA e RIBEIRO, 2001; OAB RECOMENDA,

2001).

Nesse sentido temos em Noleto (2001) uma análise bastante interessante,

sob o prisma da OAB:

75Segundo Fragale Filho (2001, p. 113) o selo “OAB RECOMENDA” foi criado em 2001.

98

“A criação de mais um indicador da qualidade dos cursos jurídicos, a

OAB recomenda, reforça o processo de reforma de ensino jurídico,

porque deve servir para aprofundar efetiva implementação das

diretrizes curriculares. Por outro lado, na medida em que haja

sintonia entre essas diretrizes e o conteúdo programático dos

exames que servem de base para recomendação da OAB – Exame

de Ordem e Exames Nacional de Cursos-, esse novo indicador

disponibiliza, para comunidade acadêmica e profissional, um

mecanismo de acompanhamento da relação entre implantação das

diretrizes e melhoria da qualidade da formação jurídica. E esse

duplo aprimoramento, da qualidade do ensino, mas também da

qualidade dos instrumentos de avaliação, já seria suficiente para

justificar a adoção dos instrumentos de avaliação, já seria suficiente

para justificar a adoção do OAB-Recomenda” (NOLETO, 2001, p.

94-102).

No livro “Futuros Possíveis, Passados Indesejáveis – Selo da OAB, Provão e

a avaliação do ensino superior”, os autores Nunes, Nogueira e Ribeiro (2001)

realizam uma forte crítica ao Selo “OAB RECOMENDA”, principalmente em relação

a influências das corporações de ofício nos sistemas de ensino e ao processo de

avaliação dos cursos jurídicos brasileiros76. Concluem os autores que “em nenhum

dos seus artigos (referindo-se ao livro OAB RECOMENDA – Um retrato dos cursos

jurídicos, 2001) se encontra referência à moderna metodologia de avaliação de

casas de ensino (p. 103)”.

Parece-nos clara a idéia da OAB em estabelecer o seu instrumento de

avaliação dos cursos jurídicos, com intenções afins ao ENC do MEC, quando deseja

estabelecer um selo de qualidade e promover um ranqueamento entre as instituições

de ensino jurídico. Mas, com uma finalidade diferente desse quando queria regular o

ensino jurídico para delimitar a expansão dos cursos jurídicos.

Fragali Filho (2001, p. 94-102) ao falar sobre o selo “OAB RECOMENDA”, nos

ajuda a conhecer o que se discutia à época de sua aplicação:

76 Veja págs. 75, 76, 102 e 103 do livro citado.

99

“A idéia parecia adormecida desde então, quando, em julho

passado, o Informativo OAB Nacional noticiava que os conselheiros

federais, ao examinar a proposta de elaboração de um ranking dos

cursos jurídicos, haviam decidido pela atribuição de um selo de

qualidade, o OAB RECOMENDA. A matéria veiculava, ainda, a

relação dos itens a serem considerados na avaliação para atribuição

do selo: comportamento dos egressos do curso no Exame de Ordem

da OAB, resultado no Exame Nacional de Cursos (o “Provão”), alem

de uma série de outros fatores que poderiam ser resumidos no

último item a ser relacionado, ou seja, exame das condições de

oferta de curso”.

Sobre o selo “OAB RECOMENDA” Diniz77 (2004), revelou a preocupação das

IES mantenedoras de cursos jurídicos diante da divulgação do “ranking” dos cursos

de Direito que receberam o selo em discussão. Verifica-se nesse discurso que a

presença da OAB no processo de avaliação dos cursos jurídicos resvalou no MEC

alcançando seu desiderato, qual seja: a suspensão da abertura de novos cursos de

Direito. Portanto, o conflito entre o MEC com a OAB fez surgir um novo sistema de

avaliação realizado por este, em contrapartida ao ENC.

Analisemos o discurso de Diniz (2004), que corrobora a tese da presença da

OAB influenciando no processo de regulação do ensino superior realizado pelo

MEC:

“A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) divulgou no início desse

ano uma seleta lista com os nomes das Faculdades de Direito que

recomendava”. Dos 215 cursos avaliados em todo o Brasil, apenas

60, o correspondente a 28%, receberam o selo de qualidade. Com a

premissa de defender o Ensino Superior Jurídico no País, a

entidade conseguiu construir um cenário alarmante que

contagiou o Ministério da Educação, tendo, inclusive, declarado

publicamente que a autorização de novos cursos de Direito é o

mesmo que praticar ‘estelionato’. A resposta foi uma portaria,

assinada pelo ministro Tarso Genro, suspendendo por 90 dias a

homologação de novos cursos de Direito” (grifo nosso).

77 Publicado no Diário de Pernambuco, em 27/03/04. Analisamos esse artigo de 2004 para trazermos

à baila a repercussão que teve o selo “OAB RECOMENDA”, criado em 2001. Portanto, não teríamos

como analisar sua repercussão durante o governo FHC, pois seus efeitos só apareceram em 2004,

no governo Lula, como trata o artigo citado.

100

O autor demonstra a influência que o selo “OAB RECOMENDA” teve dentro

do MEC, resultando na suspensão da homologação de novos cursos de Direito por

90 dias.

Outro aspecto abordado por Diniz (2004) é a questão do corporativismo da

OAB que em sua essência traz a questão do “poder”. Para JOHNSON (1997, p. 55)

o corporativismo é “um sistema de distribuição de poder na sociedade entre várias

organizações”, onde os indivíduos têm poder à medida que são representados por

elas. Continua:

“É evidente a existência de cursos de má qualidade em

funcionamento no País, mas a decisão do MEC em dar

legitimidade a essa solicitação da OAB não resolve o problema.

Proteger a reserva de mercado parece ser a justificativa mais

plausível para a divulgação da famigerada lista em que foram

avaliados cursos com mais de oito anos de funcionamento. Em

outras palavras, corporativismo.

Se é para acatar pareceres de representantes de categorias, o MEC

deveria reservar um lugar para todos. Mas, ao invés disso, o que se

vê é a OAB pleiteando uma posição privilegiada, em desrespeito ao

princípio constitucional da isonomia. “A presidência da entidade

chegou a sugerir que sua opinião seja levada em conta de

forma normativa, ou seja, passe a ter poder de veto nos

processos de autorização do Conselho Nacional de Educação,

criando, assim, uma estrutura corporativa (DINIZ, 2004)” (grifos

nossos).

Retornando a questão da política curricular, é auspicioso destacarmos a

importância da discussão em apreço. O ensino jurídico passa a ser o local onde vai

se concentrar as discussões do Estado (na perspectiva do MARE e do MEC) e da

Sociedade Civil (representada pela OAB)78.

“Assim, a sociedade civil não pode assumir responsabilidades que

são do Estado, mas exercer uma função política sobre o Estado e o

sistema político no sentido de que possam atender às necessidades

do conjunto da sociedade (TEIXEIRA, 2001, p. 47)”.

78 Consideramos que a OAB como uma corporação profissional dos advogados exerce também o

papel de legítimo representante da sociedade civil, por esse motivo ora nos referimos a ela como

sendo uma “corporação de ofício”, e em outros momentos como representante da “Sociedade Civil”.

101

A manutenção de um currículo mínimo revogado pela MP n. 661/94,

estampado na Portaria MEC n. 1.886/94 representa para o MEC um retrocesso em

relação às políticas neoliberais que estavam sendo colocadas em prática à luz do

Plano Diretor de reforma do Estado (BRASIL, 1995b) e do seu Planejamento

Estratégico (BRASIL,1995b).

O embate político entre o MEC - defendendo a flexibilização da legislação

educacional para proporcionar a expansão instituições, cursos e matrículas -, e a

OAB, procurando conservar seu “status quo” de guardiã do ensino jurídico,

dificultava a continuidade das políticas educacionais de FHC para cumprimento do

Plano Decenal de Educação, e de seu projeto de governo.

Essa perspectiva foi discutida pela CEJ (2001):

“Um outro tipo de obstáculo deriva da diferença de compreensão

acerca da política de expansão de vagas para atender às demandas

sociais e de mercado voltadas para a criação de novos cursos

jurídicos. Nesse passo, de resto acentua-se uma discrepância

dentre as já assinaladas. Enquanto a OAB se manteve sempre

atenta ao requisito de satisfação das necessidades social e técnica

dos cursos, examinando seus projetos a partir de critérios de

qualidade prévios que justificassem a sua criação, as instâncias

federais autorizativas pareciam perseguir metas de atendimento

a expectativas abstratas de expansão de vagas com

afrouxamento da análise prévia dos padrões de qualidade.

Neste ultimo caso, a justificativa parece apoiar-se na crença do

papel selecionador do mercado, delegando-lhe a atribuição que ele,

de fato, não realiza ou não pode realizar plenamente” (OAB

RECOMENDA; 2001, p.15) (grifo nosso).

O currículo mínimo dos cursos jurídicos defendido pela OAB representava o

fracasso das políticas reformistas de FHC para a educação superior no Brasil,

principalmente em relação à expansão desse setor.

Estava em jogo nesse momento algo mais do que a discussão sobre

currículos. Estava sendo defendida a manutenção da reforma do Estado na

educação superior.

102

Para uma melhor elucidação do tema, julgamos importante analisarmos a

questão das DCN.

As DCN evidenciam, de forma consubstanciada, a influência da reforma do

Estado na educação superior quando são defendidos os mesmos princípios

presentes na administração pública gerencial, citados anteriormente, tais como:

descentralização, flexibilização, avaliação e regulação.

“Em tempos de flexibilização (esta é uma expressão de sabor

neoliberal), há uma grande flexibilidade para que os cursos

estabeleçam-se livremente e mais rápida e ajustadamente atendam às

demandas de mercado” (DIAS SOBRINHO, 2003, p. 103).

Nesse contexto, as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de Direito

são a expressão maior dos princípios constantes no Plano Diretor de reforma do

Estado (BRASIL,1995b), que buscava aproximar através da administração pública

gerencial, expandir os serviços não-exclusivos do Estado pela iniciativa privada,

liberando o Estado de tal finalidade.

A partir da leitura das DCN, constantes no Parecer CES/CNE/MEC n. 146/02

sugerimos as seguintes categorias analíticas (Quadro 1) para o seu entendimento,

que passam a ser apresentadas.

Salientamos que essa categorização é baseada nos dados e informações

contidas no próprio Parecer CES/CNE/MEC n. 146/02. Estas não excluem a

possibilidade de outras definições, mas representam os princípios gerais das

diretrizes curriculares, que realizaram uma profunda mudança na organização

curricular da educação superior. São elas:

1. Flexibilidade: assentada no conceito de que as IES devem elaborar seus

currículos de acordo com sua inserção regional e seu perfil institucional.

Concebe uma maior autonomia à IES para preparar seus alunos para novas

103

situações, não apenas para sua formação profissional, mas, sobretudo, para

as situações “novas” e “emergentes”;

2. Inovação e Criatividade: enseja que a instituição saia do tradicional conceito

exposto no currículo mínimo, onde se apresentava um modelo único para

todas as instituições, em todo o país. A criatividade e a inovação apresentamse

na formação de um projeto curricular particularizado e na liberdade de

reformulá-lo adequando as demandas locais, mercadológicas ou dos clientes.

A criatividade consiste na liberdade que é dada para a instituição elaborar seu

currículo de forma criativa e inovadora, atendendo as demandas de sua

região;

3. Responsabilidade: concebe a formação superior como um processo

contínuo, permanente, onde a instituição participa ativamente na construção

de sua proposta curricular, sendo responsável não somente em seguir as

determinações legais, mas também participar efetivamente do projeto

pedagógico do curso de forma a atender as necessidades sociais.

A partir das categorias identificadas acima, articulamo-as com os princípios

das diretrizes curriculares nacionais, constantes no Parecer CES/CNE/MEC n.

146/02, conforme síntese a seguir:

QUADRO 2 – Categorização das DCN.

Princípios Categorias

Assegurar às instituições de ensino superior ampla liberdade na composição da carga

horária a ser cumprida para a integralização dos currículos, assim como na

especificação das unidades de estudos a serem ministradas;

Relacionado à

flexibilidade

Indicar os tópicos ou campos de estudos e demais experiências de ensinoaprendizagem

que comporão os currículos, evitando ao máximo a fixação de conteúdos

específicos com cargas horárias pré-determinadas, que não poderão exceder 50% da

carga horária total dos cursos;

Relacionada à

responsabilidade em

adequar-se às

demandas sociais

Evitar o prolongamento desnecessário da duração dos cursos de graduação;

Relacionado à

flexibilidade

Incentivar sólida formação geral, necessária para que o futuro graduado possa vir a

superar os desafios de renovadas condições de exercício profissional e de produção do

Relacionada à

responsabilidade em

104

conhecimento, permitindo variados tipos de formação e habilitações diferenciadas em

um mesmo programa;

adequar-se às

demandas sociais

Estimular práticas de estudos independentes, visando a uma progressiva autonomia

profissional e intelectual do aluno;

Relacionada à

inovação e

criatividade

Encorajar o reconhecimento de conhecimentos, habilidades e competências adquiridas

fora do ambiente escolar, inclusive as que se refiram à experiência profissional julgada

relevante para a área de formação considerada;

Relacionada à

inovação e

criatividade

Fortalecer a articulação da teoria com a prática, valorizando a pesquisa individual e

coletiva, assim como os estágios e a participação em atividades de extensão, as quais

poderão ser incluídas como parte da carga horária;

Relacionada à

flexibilidade

Incluir orientações para a condução de avaliações periódicas que utilizem instrumentos

variados e sirvam para informar a docentes e discentes acerca do desenvolvimento das

atividades didáticas.

Relacionada à

responsabilidade em

adequar-se às

demandas sociais

Fonte: Parecer CES/CNE/MEC n. 146/02.

O contexto apresentado acima encontra suporte também no Plano Nacional

de Educação, Lei n. 10.172, de Janeiro de 2001, que define, no item 4.2 (da

educação superior), dentre seus objetivos e metas:

"(...) Estabelecer, em nível nacional, diretrizes curriculares que

assegurem a necessária flexibilidade e diversidade nos programas

oferecidos pelas diferentes instituições de ensino superior, de forma

a melhor atender às necessidades diferenciais de suas clientelas e

às peculiaridades das regiões nas quais se inserem (...)".

As DCN surgem como um instrumento de flexibilização, dando às IES

poderes para organizarem seus projetos de cursos de acordo com sua realidade

local, valorizando a questão da inserção regional da IES e sua missão institucional.

Apresentando-se, portanto, como um contraponto ao currículo mínimo que

estabelece as condições curriculares mínimas de funcionamento dos cursos

jurídicos.

“Por isto, a nova LDB (9.131/95 e 9.394/96), revogando

parcialmente a anterior, teria de firmar diretrizes básicas para esse

novo desafio, promovendo a flexibilização na elaboração dos

105

currículos dos cursos de graduação, retirando-lhes as amarras da

concentração, da inflexibilidade dos currículos mínimos

profissionalizantes nacionais, que são substituídos por "Diretrizes

Curriculares Nacionais” (Parecer CES/CNE/MEC n. 146/02, p. 7).

O Parecer CES/CNE/MEC n. 146, que estabelece as DCN do curso de

Direito79 da Câmara de Educação Superior (CES) do Conselho Nacional de

Educação, surge em 2002, decretando o fim do currículo mínimo para o ensino

jurídico, definido na Portaria MEC n. 1.886/94, e estabelece que as Diretrizes

Curriculares Nacionais devem:

a) se constituir em orientações para a elaboração dos currículos;

b) ser respeitadas por todas as IES e

c) assegurar a flexibilidade e a qualidade da formação oferecida aos

estudantes.

Sobre o assunto, temos a análise de Durham sobre os Desafios da Educação

no Brasil. Ela dedica especial atenção ao fim do currículo mínimo, quando trata da

LDB de 1996. Afirma a autora:

“O sistema tornou-se muito mais flexível, ao mesmo tempo em que

estabelecia mecanismos de controle de qualidade. A flexibilidade se

estendeu também aos cursos, com o fim do ‘currículo mínimo’, que

engessava todo o ensino, público ou privado, o currículo rigidamente

definido pelo CFE. Em seu lugar, foram previstas diretrizes

curriculares gerais” (DURHAM, 2005, p. 232).

Este com certeza não foi o entendimento do Conselho Federal da OAB que

vai classificá-lo (o Parecer CES/CNE/MEC n. 146/02) de “diretrizes lacônicas e

omissas”, nos autos do Mandado de Segurança n. 8.592/DF (2002/01074990-7).

Neste, a OAB alerta que as DCN causam ao ensino jurídico:

79 Aprova as Diretrizes Curriculares dos cursos de Graduação em Direito, Ciências Econômicas,

Administração, Ciências Contábeis, Turismo, Hotelaria, Secretariado Executivo, Música, Dança,

Teatro e Design, propostas pelas respectivas Comissões de Especialistas da SESU/MEC, com os

acréscimos e reformulações constantes no Parecer CES/CNE/MEC n. 146/02.

106

“(...) dano grave de impossível reparação ao ensino do Direito

como um todo, bem como ao aperfeiçoamento da cultura e das

instituições jurídicas, que cabe à Ordem dos Advogados

defender, nos termos do que estabelecem os artigos 44, I, e 54,

XV, da Lei 8.904”.

Para a OAB as DCN do curso de Direito, constantes no Parecer

CES/CNE/MEC n. 146/02, são prejudiciais ao ensino jurídico no Brasil, tratando-se

de uma política expansionista do governo FHC para o ensino superior, orientando

para a privatização da educação superior.

O Presidente da Comissão de Ensino Jurídico da OAB em 2002, Paulo

Roberto Medina, publicou no Jornal “O Globo” o artigo intitulado S.O.S para o

ensino jurídico”, onde são narradas as preocupações da OAB em relação às DCN,

oriundas do MEC. Julgamos importante transcrevê-lo para trazermos à baila o

discurso da OAB, referente ao tema :

“O ensino jurídico no Brasil revela, hoje, um quadro pouco alentador.

Os cursos proliferam, chegando já a 442 em todo o país. Alguns

deles multiplicam-se em filiais localizadas em diferentes bairros

de grandes metrópoles (grifo nosso). E há os chamados cursos

fora de sede, que instituições de maior porte fazem espalhar pelo

território nacional” (MEDINA, 2002, p.11).

O Presidente da CEJ/OAB fala da expansão dos cursos jurídicos pela

perspectiva do mercado. Trata-se da política de expansão dos serviços nãoexclusivos

do Estado (leia-se educação), definidos no Plano Diretor de reforma do

Estado (BRASIL, 1995b). Continua Medina:

“As vagas, sobretudo as oferecidas por escolas particulares, que já

eram numerosas, explodiram, em dado momento, por artes de uma

portaria que lhes autorizou o aumento em até 50% da quota atual,

mas que o Conselho Federal da OAB logrou suspender, por ora, em

107

mandado de segurança impetrado junto ao Superior Tribunal de

Justiça”.(...)

Nesse contexto, o ponto de equilíbrio residia, ainda, na Portaria

MEC n. 1.886, de 30 de dezembro de 1994, do Ministério da

Educação, que "fixa as diretrizes curriculares e o conteúdo mínimo

do curso jurídico". “Ali se definia a duração mínima dos cursos, de

cinco anos; exigia-se das instituições de ensino um acervo

bibliográfico de pelo menos dez mil volumes, além de periódicos de

jurisprudência, doutrina e legislação; arrolavam-se as matérias que o

currículo pleno de cada curso deveria abranger, por meio de mais de

uma disciplina, distribuindo-se tais matérias em dois campos, o do

conhecimento fundamental e o da formação profissionalizante;

condicionava-se a conclusão do curso à apresentação e defesa,

pelo aluno, perante banca examinadora, de uma monografia final –

disciplinando-se ademais outros aspectos relevantes do curso”

(MEDINA, 2002, p.11).

No trecho acima de seu artigo, o Presidente da CEJ discute a questão das

novas políticas educacionais que caracterizaram o governo FHC, sob o auspício do

MEC, na gestão do Ministro Paulo Renato Souza. Identificamos esse contexto

político como sendo a fase de transição das competências do CFE para o CNE. O

embate, no entanto, pode ainda ser evidenciado a partir do fragmento abaixo citado:

“Pois até esses padrões mínimos foram, agora, abolidos, num

processo de desregulamentação sem precedentes. A pretexto de

adequar a estrutura de vários cursos à Lei de Diretrizes e Bases da

Educação, e sem levar em conta que a maioria desses cursos nada

tem em comum, como é o caso do curso de direito em relação aos

de hotelaria, música, dança, teatro e design, a Câmara de Ensino

Superior do Conselho Nacional de Educação propôs – e a ministra

interina da Educação acolheu – a fixação de ‘diretrizes comuns’ a

que esses cursos deverão obedecer, adotando uma filosofia única

para todos, na esteria da qual são, em seguida, definidas as

‘diretrizes específicas’ de cada um dos cursos relacionados”

(MEDINA, 2002, p.11).

O discurso nesse momento passa a ter uma conotação corporativista em

relação aos demais cursos elencados no Parecer CES/CNE/MEC n. 146/02.

108

A seguir evidencia-se a presença no discurso do MEDINA (2002, p. 11) a

defesa da Portaria MEC n. 1.886/94, em relação à flexibilidade que era proposta na

DCN. Segue o texto:

“E surgem, então, nessa estranha congérie, as disposições relativas

aos cursos jurídicos, as quais, na verdade, consagram no plano

pedagógico, uma espécie de laisse faire, laisser passer. A formação

dos bacharéis em Direito já não exigirá um tempo mínimo de cinco

anos, podendo ser feita em apenas três. Nenhuma exigência quanto

ao acervo bibliográfico. Em nome do ideal da flexibilidade,

deixam de ser definidos os conteúdos mínimos do curso, na

parte profissionalizante, apenas se fazendo menção a áreas do

conhecimento fundamental de que deverão ocupar-se as disciplinas

correspondentes. A monografia final, que representava o

coroamento da graduação do estudante, estimulando-o a levar

adiante os trabalhos de pesquisa, passa a ser meramente opcional.

A conseqüência imediata do sistema proposto será a de possibilitar

a montagem de cursos de curta duração destinados à formação de

profissionais habilitados a atuar em áreas especializadas do Direito.

Ou, então, de cursos que se dirijam ao preparo para ingresso em

determinadas carreiras jurídicas. Estará aberta, desta forma, com a

chancela do Estado, a porta para a propaganda enganosa, sabendo

ser impossível – e indesejável – formar um bacharel cujo preparo

não se assente no conhecimento geral da ciência jurídica, no

domínio dos princípios que permeiam todos os ramos do Direito.

E o que é mais grave: teremos, então, bacharéis em Direito de

formação diferenciada, do ponto de vista do conhecimento, mas,

inevitavelmente, com iguais direitos para o exercício da advocacia

em todas as áreas. A especialização precoce é, em si mesma,

ilusória, mas estará sendo incentivada pelo novo sistema, com todos

os inconvenientes que dela podem advir” (MEDINA, 2002, p. 11,

grifo nosso).

Nessa parte do texto situamos um descontentamento em relação às políticas

do governo FHC, pois a manutenção da Portaria MEC n. 1.886/94 representaria uma

interrupção na efetivação do conceito de Estado regulador à luz do Plano Diretor

(BRASIL, 1995b). Analisemos:

“Se a situação do ensino jurídico no país já é preocupante,

tende a agravar-se caso a homologação do referido parecer não

seja revista pelo ministro da Educação (grifo nosso). O retrocesso

109

em relação à Portaria MEC n. 1.886/94 será evidente. A facilidade

para criação de novos cursos aumentará”.

O texto consegue incorporar o momento político em que eram realizadas as

políticas reformistas do Estado na educação superior. Nesse instante o tema

“qualidade”, “avaliação” e “Estado” é abordado de maneira preciosa quando retrata e

relaciona-se com o objeto de nossa pesquisa. Continuemos:

“Mais do que isso: não haverá como compreender que o

Estado se mostre tão cioso da habilitação dos estudantes, a

ponto de submetê-los, ao termo de seus estudos superiores, ao

Exame Nacional de Cursos (o chamado Provão), em torno de

determinados conteúdos mínimos e, de outra parte, deixe

assim ao exclusivo critério das instituições de ensino à fixação

desses conteúdos”.

“O Provão representa, sem dúvida, um instrumento de maior

controle do ensino por parte do Estado. E os seus resultados

têm-se mostrado altamente positivos, constituindo mesmo um

referencial para os cursos de nível superior”.

“No que diz respeito ao curso jurídico, o Provão perderá

sentido, porém, se for mantida a desregulamentação adotada.

A contradição entre a filosofia de um e de outro sistema é, com

efeito, manifesta e incontornável” (MEDINA, 2002, p.11).

Sintetizemos abaixo as principais preocupações da OAB - apresentadas com

base no estudo do Mandado de Segurança n. 8.592/DF (2002/01074990-7) -

referente ao Parecer CES/CNE/MEC n. 146/02.

1. A possibilidade do curso de Direito, que hoje tem duração de cinco anos,

ser feito em três anos, já que o Parecer do CNE n. 100, de 2002,

estabelece que o mínimo de um curso superior é de três anos; A

possibilidade de flexibilização da duração do curso de Direito é a maior

110

preocupação, pois entende que é necessária a manutenção da duração

mínima constante na Portaria MEC n. 1.886/9480;

2. O estabelecimento no parecer que o currículo do curso de Direito deveria

ser elaborado pelas Instituições de Ensino Superior (IES), universitárias e

não-universitárias, dando na prática autonomia às instituições privadas

para elaborarem seus currículos individualizados de acordo com as

necessidades do mercado. A preocupação da OAB centraliza-se no fato

da diversificação do currículo jurídico. A Ordem pretende manter o

controle “pelo aperfeiçoamento das instituições jurídicas”;

3. Entende que a organização curricular do curso de Direito é uma

instituição. Por isso, deve ser-lhe concedido o direito estatutário de

aperfeiçoá-lo;

4. O fim da obrigatoriedade de apresentação de monografia final de curso;

5. A não exigência, na faculdade, de um acervo bibliográfico mínimo de 10

(dez) mil volumes. Trata-se de uma preocupação institucional, pois

entende que somente com esse número de livros será possível o início de

um curso jurídico de qualidade;

6. A não referência a matérias profissionalizantes, como Direito

Constitucional, Direito Civil, entre outras, se limitando às matérias de

formação profissional, como Ciência Política, Economia, Sociologia

Jurídica, dentre outras. Trata-se de uma preocupação acadêmica, onde

se dá relevância a essas matérias;

80 Estabelece a Portaria MEC n. 1.886/94: Art. 1º O curso jurídico será ministrado no mínimo de 3.300

horas de atividades, cuja integralização se fará em pelo menos cinco, e no máximo oito anos letivos.

111

7. Não definição nas atividades práticas, antes exercidas no Núcleo de

Práticas Jurídicas, de uma carga horária mínima. Mais um ponto que

representa a preocupação com a flexibilidade da estrutura organizacional;

As conquistas estatutárias da OAB de “aperfeiçoamento” dos cursos jurídicos,

e de “opinar” previamente nos pedidos de criação e de reconhecimento de cursos

jurídicos em instituições de ensino superior, seriam, no entendimento da Ordem,

preteridas com o advento do Parecer CES/CNE/MEC n. 146/02.

Defensora da Constituição, da ordem jurídica, do Estado Democrático de

Direito, dos Direitos Humanos e da Justiça Social (Art. 44, do Estatuto da Ordem),

busca a OAB desempenhar o papel de reguladora do ensino jurídico, baseada na

incumbência de “aperfeiçoamento dos cursos jurídicos”.

O Parecer CES/CNE/MEC n. 146/02 é bastante elucidativo ao esclarecer as

diferenças entre as diretrizes curriculares nacionais e o currículo mínimo.

Considerando a importância do entendimento das distinções entre as Diretrizes

Curriculares Nacionais e o Currículo Mínimo, é importante fragmentar o

posicionamento do MEC sobre a política curricular:

“1) enquanto os Currículos Mínimos estavam comprometidos

com a emissão de um diploma para o exercício profissional, as

Diretrizes Curriculares Nacionais não se vinculam a diploma e

a exercício profissional, pois os diplomas, de acordo com o art.

48 da LDB, se constituem prova, válida nacionalmente, da

formação recebida por seus titulares (Parecer CES/CNE/MEC

n. 146/02)”;

Esse item demonstra a visão do Parecer sobre o currículo mínimo, indica a

nova perspectiva que a LDB de 1996 instalou, ou seja, o diploma diferentemente da

legislação revogada passa a indicar a formação recebida pelo seu titular, não mais

se refere à “formação profissional”. A seguir o parecer assevera:

112

“2) enquanto os Currículos Mínimos encerravam a concepção do

exercício do profissional, cujo desempenho resultaria especialmente

das disciplinas ou matérias profissionalizantes, enfeixadas em uma

grade curricular, com os mínimos obrigatórios fixados em uma

resolução por curso, as Diretrizes Curriculares Nacionais concebem a

formação de nível superior como um processo contínuo, autônomo e

permanente, com uma sólida formação básica e uma formação

profissional fundamentada na competência teórico-prática, de acordo

com o perfil de um formando adaptável às novas e emergentes

demandas (Parecer CES/CNE/MEC n. 146/02)”;

Aqui está uma das mais interessantes questões introduzidas na política

educacional do período de FHC, a que defende a educação como um processo

contínuo, autônomo e permanente. Trata-se da educação continuada,

diferentemente da concepção de educação profissional. Seguindo temos:

“3) enquanto os Currículos Mínimos inibiam a inovação e a

criatividade das instituições, que não detinham liberdade para

reformulações naquilo que estava, por Resolução do CFE,

estabelecido nacionalmente como componentes curriculares e até

com detalhamento de conteúdos obrigatórios, as Diretrizes

Curriculares Nacionais ensejam a flexibilização curricular e a

liberdade de as instituições elaborarem seus projetos pedagógicos

para cada curso segundo uma adequação às demandas sociais e do

meio e aos avanços científicos e tecnológicos, conferindo-lhes uma

maior autonomia na definição dos currículos plenos dos seus

cursos;

4) “enquanto os Currículos Mínimos muitas vezes atuaram

como instrumento de transmissão de conhecimentos e de

informações, inclusive prevalecendo interesses corporativos

responsáveis por obstáculos no ingresso no mercado de

trabalho e por desnecessária ampliação ou prorrogação na

duração do curso, as Diretrizes Curriculares Nacionais

orientam-se na direção de uma sólida formação básica,

preparando o futuro graduado para enfrentar os desafios das

rápidas transformações da sociedade, do mercado de trabalho

e das condições de exercício profissional (Parecer

CES/CNE/MEC n. 146/02)”;

As DCN já incorporam as políticas de FHC na perspectiva da eficiência;

flexibilidade; descentralização e da regulação, como visto no primeiro capítulo sobre

reforma do Estado. Segue:

113

“5) “enquanto o Currículo Mínimo profissional pretendia, como

produto, um profissional "preparado", as Diretrizes Curriculares

Nacionais pretendem preparar um profissional adaptável a situações

novas e emergentes”;

6) “enquanto os Currículos Mínimos, comuns e obrigatórios em

diferentes instituições, se propuseram mensurar desempenhos

profissionais no final do curso, as Diretrizes Curriculares Nacionais se

propõem ser um referencial para a formação de um profissional em

permanente preparação, visando a uma progressiva autonomia

profissional e intelectual do aluno, apto a superar os desafios de

renovadas condições de exercício profissional e de produção de

conhecimento”;

7) “enquanto os Currículos Mínimos eram fixados para uma

determinada habilitação profissional, assegurando direitos para o

exercício de uma profissão regulamentada, as Diretrizes Curriculares

Nacionais devem ensejar variados tipos de formação e habilitações

diferenciadas em um mesmo programa”.

A revogação do currículo mínimo da Portaria MEC n. 1.886/94 do curso de

Direito pelo Parecer CES/CNE/MEC n. 146/02 provocou na OAB, por meio do seu

Conselho Federal, protestos veementes que - não sanados na esfera administrativa -

vão findar no Poder Judiciário.

A análise do Mandado de Segurança (MS) n. 8592/DF, autuado em 09/09/02, que

tramitou perante o STJ – Superior Tribunal de Justiça –, tendo como impetrante o Conselho

Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), e impetrado o Ministro de Estado da

Educação (MEC), nos forneceu o material necessário para realizarmos a composição desse

estudo.

Nessa ação mandamental se discutiu o ato do Ministro que homologou o Parecer

CES/CNE/MEC n. 146/02 da Câmara de Educação Superior do Conselho Nacional de

Educação instituindo as Diretrizes Curriculares Nacionais, em detrimento da Portaria MEC n.

1.886/ 94 que tratava do currículo mínimo do curso jurídico.

O Parecer CES/CNE/MEC n. 146/02 como fruto da reforma educacional iniciada por

FHC, com base na Lei n. 9.131/95, dava sustentação legal ao Estado, leia-se MEC, para a

114

realização de políticas flexibilizadoras para o ensino superior brasileiro, como aconteceu na

elaboração das DCN, que vêm orientar todo o sistema curricular nacional, exceto para os

cursos jurídicos, que por força de decisão judicial do Mandado de Segurança n. 8592/DF

anulou o Parecer CES/CNE/MEC n. 146/02, em 14 de maio de 2003, no governo do

Presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Assim, o quadro abaixo apresenta uma sistematização preliminar do marco

legal do currículo mínimo e das diretrizes curriculares nacionais até 2002:

QUADRO 3 – Sistematização das Diretrizes do Currículo Mínimo

CURRÍCULO MÍNIMO DCN

ORIGEM Lei n. 4.042/61 (LDB). Cria o CFE e

estabelece o currículo mínimo. O CFE

possuía uma grande autonomia, sem

interferência do MEC.

Lei n. 5.540/68 - Fixa normas de

organização e funcionamento do ensino

superior e sua articulação com a escola

média, e dá outras providências. Manteve

os poderes do CFE.

Decreto-Lei n. 464/69 - Estabelece normas

complementares à Lei n. 5.540/68 (de 28 de

novembro) e dá outras providências.

INÍCIO DO GOVERNO FHC.

Lei n. 9.131/95, Art. 9º,

estabelece que a CES terá

como atribuição deliberar

sobre as DCN propostas pelo

MEC;

Lei n. 9.394/96 sanciona a

LDB.

Lei n. 10.172/01. Aprova o

Plano Nacional de Educação.

Estabelece políticas relativas

às diretrizes curriculares

nacionais.

ENSINO JURÍDICO

Portaria MEC n. 1.886/94. Fixa as diretrizes

curriculares e o conteúdo mínimo do curso

jurídico.

Parecer CES/CNE/ MEC n.

146/02. Trata das diretrizes

curriculares nacionais,

inclusive para o curso de

Direito.

PAPEL DA OAB

Lei n. 8.906/94 (de 4 de julho) estabelece o

Estatuto da OAB.

Decreto n. 1.303/94 deu poderes à OAB

para manifestar-se nos pedidos de

autorização e de reconhecimento de cursos

de Direito, em 8 de novembro;

Decreto n. 2.306/97 (de 19 de agosto)

renova que a OAB terá poder de manifestarse

sobre autorização e reconhecimento de

cursos. (Este foi revogado pelo Decreto

2.207/97). O Decreto n. 2.207/97 mantém

as mesmas atribuições conferidas a OAB.

Decreto n. 3.860/01 (de 9 de

julho) dispôs sobre a

organização do ensino

superior (revogou o Decreto

n. 2.207/97).

PAPEL DO CFE/CNE

O CFE foi extinto pela MP n. 661/94,

transformada na Lei n. 9.131/95.

O currículo mínimo foi extinto com o CFE

Lei n. 9.131/95. Extingue o

mandato dos membros do

CFE. Cria o CNE e transfere

115

(MP n. 661/94), durante o governo Itamar

Franco.

poderes do CFE para o MEC.

FINAL DO GOVERNO

FHC (2002)

Foi impetrado o Mandado de Segurança (MS) n. 8592/DF, autuado em

09/09/02, que tramitou perante o STJ – Superior Tribunal de Justiça –, tendo

como impetrante o CONSELHO FEDERAL DA ORDEM DOS ADVOGADOS

DO BRASIL (OAB), e impetrado o MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

(MEC). A decisão final foi no sentido de se conceder a segurança,

anulando o Parecer CES/CNE/MEC n. 146/02 (em 14/05/03).

Identificamos que o discurso da OAB encontra-se contextualizado dentro do

neoconservadorismo, surgindo como reação ao neoliberalismo de FHC.

Para nós, o neoconservadorismo significa uma resistência às mudanças

trazidas pelo neoliberalismo, neste sentido (APPLE, 2004, p. 53) afirma:

“Ele (referindo-se ao neoconservadorismo) se baseia amplamente,

embora não totalmente, em uma avaliação romântica do passado,

um passado em que ‘conhecimento real’ e a moralidade reinavam

supremos, quando as pessoas ‘sabiam qual era o seu lugar’, e

quando comunidades estáveis, guiadas por uma ordem natural, nos

protegiam das ruínas da sociedade”.

O neoconservadorismo busca a manutenção do “status quo”, que no caso da

OAB representaria a manutenção da Portaria MEC n. 1.886/94 em contraposição ao

modelo neoliberal de currículo defendido nas DCN do curso de Direito. Nas palavras

de Jonhson (1997) o “status quo” era sempre preferível a uma alternativa que existia

principalmente apenas como teoria.

Porém assiste razão a Jonhson (1997) quando diz que existe uma incoerência

nos usos dos rótulos conservador e liberal. Fazendo uma crítica à falta de

uniformidade com que eram utilizadas as expressões, havendo variação de acordo

com o cenário em que era apresentada.

Continua (APPLE, 2004, p. 51):

“Entre as políticas propostas segundo essa posição (refere-se ao

neoconservadorismo) ideológica, estão os currículos nacionais,

116

testes nacionais, um ‘retorno’ a padrões mais elevados, uma

revitalização da ‘tradição ocidental’ e o patriotismo” (grifo

nosso).

A observação acima se adequa perfeitamente ao que é postulado pela OAB

para o ensino jurídico: a defesa de um currículo mínimo nacional; a realização do

exame de ordem; a avaliação mediante o selo “OAB RECOMENDA” e a defesa das

instituições jurídicas.

A definição de Apple (2004) sobre o neoconservadorismo se harmoniza

perfeitamente ao caso do brasileiro, pois a OAB busca proteger o currículo mínimo

do curso jurídico das influências da reforma do Estado, que em última análise é a

mandatária do neoliberalismo.

Os neoconservadores lamentam o “declínio” do currículo tradicional (APPLE,

2004, p. 52) como é o caso verificado em relação a OAB.

Os conservadores de outrora defendiam o controle da sociedade mediante

rígidos aparados morais, institucionais e legais. Situação essa renovada pelo

neoconservadorismo. Defendia-se ademais o fortalecimento do Estado.

Nesse entendimento temos (APPLE, 2004, p. 54):

“Para os neoconservadores, contudo, o mercado não irá resolver esse

problema; em vez disso, um Estado forte intervencionista irá garantir

que apenas conteúdos e métodos ‘legítimos’ sejam ensinados”.

Na visão de Apple (2004, p. 55) a política educacional deverá ser exercida por

uma aliança entre os neoliberais e os neoconservadores, prevendo:

“Por mais estranho que pareça, as políticas neoliberais e

neoconservadoras, que são aparentemente contraditórias, podem se

reforçar mutuamente em longo prazo”.

Nesse sentido, achamos interessante observarmos Colossi, Consentino e

Queiroz (2001), citando os instantes de mudança de Lewin (1965), no artigo

117

intitulado “Mudanças no contexto do ensino superior no Brasil: uma tendência ao

ensino colaborativo”, registram:

“Nota-se que eles (os instantes de mudança) podem ser divididos

em três fases: ruptura do estado estável inicial (grifo nosso),

depois um período de turbulência com probabilidade de adaptação

e, finalmente, um período de consolidação da mudança em uma

nova circunstância de estabilidade (COLOSSI; CONSENTINO;

QUEIROZ, 2001)”.

Este é o quadro do ensino jurídico vivenciado no momento em que eram

realizadas as reformas de Estado, no governo de FHC. As mudanças promovidas

pelo MEC na educação superior romperam o estado estável inicial da Portaria MEC

n. 1.886/94.

118

6 Análise discursiva dos atores no cenário OAB x MEC

Nesse capítulo analisaremos as entrevistas realizadas com os personagens

escolhidos para nossa pesquisa, sendo: a) o Sr. Paulo Renato Souza, ex-ministro da

Educação (MEC) no governo FHC; o Sr. Paulo Roberto Medina – Presidente da

Comissão de Ensino Jurídico do Conselho Federal da OAB; o Sr. Celso Frauches,

consultor educacional e ex-secretário geral do CFE – Conselho Federal de

Educação; o Sr. Edson Nunes, atual Presidente do Conselho Nacional de Educação

– CNE; a Sra. Iara Moraes de Xavier, Coordenadora do Instituto Nacional de

Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira – INEP.

É importante registrarmos que desde o capítulo anterior já iniciamos a nossa

análise qualitativa. Neste momento fecharemos o foco nos discursos dos

entrevistados para que possamos, em seguida, realizar nossas conclusões.

A análise desses discursos nos proporcionará atingir nossos objetivos gerais

e específicos. Vale salientar que os entrevistados mostraram preferência em

responder a entrevista por e-mail, fato este que não prejudicou o sucesso da coleta

de matéria. Todas as entrevistas foram realizadas após um primeiro contato pessoal

que aconteceu em maio de 2006, nas cidades de Recife/PE, Brasília/DF e São

Paulo/SP.

Relacionamos as respostas dos entrevistados pela ordem dos

questionamentos realizados. Em um segundo momento, passamos a associá-las

umas com as outras. Informamos que todos os entrevistados receberam as mesmas

perguntas, de acordo com o conteúdo apresentado na introdução dessa pesquisa.

119

Nossa duas perguntas iniciais foram: primeiro, “a revogação do currículo

mínimo do curso de Direito (Portaria MEC n.1.886/94) pelo Parecer CES/CNE/MEC

n. 146 foi um reflexo da reforma do Estado, no governo FHC?”; e em segundo lugar,

“O modelo de administração pública gerencial (do Ministro Bresser Pereira)

encontra-se presente nas atividades do MEC? E do Inep?”.

Inicialmente CELSO FRAUCHES, ex-secretário geral do CFE (no período de

1970 a 1973) afirmou que não houve reflexo da reforma do Estado na revogação da

Portaria MEC n. 1.886/94. Para FRAUCHES, a portaria em apreço teria sido uma

interferência indevida da OAB junto ao Ministério da Educação. Afirma FRAUCHES:

A edição da Portaria MEC n. 1.886/94 foi uma interferência

indébita da OAB junto ao Ministério da Educação, num momento

em que o Conselho Federal de Educação tinha sido extinto por

medida provisória do presidente Itamar Franco. O Parecer nº

146/2002 veio resgatar a competência do agora Conselho Nacional de

Educação. Essa competência durou pouco, pois a OAB, via

judiciário, conseguiu anular o citado parecer e reviver a Portaria

1.886/94. A Resolução CES/CNE nº 9, de 29 de setembro de 2004,

que institui as diretrizes curriculares nacionais do curso de graduação

em Direito reproduz, no conteúdo, a Portaria 1.886/94. Não vejo

nenhum reflexo da Reforma do Estado nesses atos” (CELSO

FRAUCHES/ CFE, entrevista em maio de 2006, grifos nossos).

A palavra “interferência” é usualmente utilizada pelos entrevistados quando

querem discordar da presença da OAB atuando no processo de criação de um novo

curso jurídico ou de reconhecimento de curso já existente. Veremos adiante que os

demais entrevistados, assim como Frauches, não são favoráveis à participação da

OAB na elaboração de uma proposta curricular para o curso de Direito, bem como

na presença mais ativa frente ao CNE. Logicamente, esse não foi o pensamento do

Presidente da CEJ/OAB.

120

As respostas81 dos entrevistados foram bastante esclarecedoras acerca do

tema, apesar de verificarmos certo desconhecimento sobre o assunto por parte de

nossos personagens, principalmente com o tema “reforma do Estado” no governo de

FHC. Analisemos o que respondeu FRAUCHES à nossa segunda pergunta:

“De modo algum. O Ministério da Educação e seus órgãos são

retrógrados e excessivamente burocratizados, no sentido mais

radical dessa palavra. Apenas um pequeno exemplo: as instituições

devem protocolizar seus pedidos no sistema Sapiens do MEC. Os

documentos devem ser digitalizados e inseridos no sistema. Em

seguida, as instituições devem entregar no protocolo do MEC a

mesma documentação impressa, para conferência. Caso não

houvesse excesso de burocracia no MEC, a documentação seria

conferida in loco, quando da visita das comissões de consultores do

Inep. Por falar em Inep, talvez seja esse o único órgão do MEC

que tem apresentado avanços no sentido de melhorar o seu

desempenho, desburocratizando a operacionalização de suas

ações de avaliação institucional e de cursos” (CELSO

FRAUCHES/CFE, entrevista em maio de 2006, grifos nossos).

“Não vejo nenhum reflexo da reforma do Estado nesses casos”

(CELSO FRAUCHES/CFE, entrevista em maio de 2006).

A resposta acima demonstra um descontentamento do entrevistado com o

MEC, chegando ao ponto de radicalizar o seu discurso - ao asseverar de forma

enfática - que o MEC é retrogrado e excessivamentee burocratizado. Nessa mesma

linha de raciocínio tivemos uma surpresa ao entrevistamos o Presidente da

CES/CNE, que afirmou:

“Não creio. O MEC é uma burocracia velha e mal preparada. Em

comparação, por exemplo, com as áreas econômicas nas quais

trabalhei, o MEC parece pertencer a outro século. O INEP é um

pouco mais ágil por conta mesmo de sua natureza jurídica. Mas

vem também de uma longa tradição cartorial e burocrática,

complementando bem a natureza do MEC. A alteração de sua

natureza jurídica, no governo FHC até teve o propósito de lhe dar

uma agilidade de natureza gerencial. Mas jamais isso chegou a

81 Cortamos alguns trechos das entrevistas que se referiam ao período posterior ao governo FHC, por

não ser objeto da presente pesquisa.

121

acontecer em sua plenitude. É que se imaginava constituir ali as

bases para uma agência regulatória da educação superior,

propósito que esbarrou em empecilhos legais incontornáveis à época

(EDSON NUNES, entrevista em maio de 2006, grifos nossos)”.

Nossa idéia inicial era no sentido de existir uma harmonia entre a CES/CNE e

o MEC, mas após o depoimento do Presidente do CNE relatado acima verificamos

que não é isso que acontece em sua totalidade. A burocracia “velha e mal acabada”

a que se referiu Nunes buscou inserir no INEP as “bases para uma agência

regulatória da educação superior” realizada por FHC. Esse trecho de sua entrevista

é importante, pois evidencia a aproximação da proposta de administração pública

gerencial constante no Plano Diretor (BRASIL, 1995b).

Os entrevistados nessas questões iniciais realmente concentraram suas

respostas nas críticas diretas ao sistema burocrático do MEC, muito mais do ponto

de vista interno daquele Ministério, do que em relação à execução de uma política

de governo.

O Presidente da CEJ/OAB foi bastante sincero ao informar que não

responderia a indagação por desconhecer a proposta do Ministro Bresser Pereira.

Acreditamos que esse raciocínio também deve ser levado em consideração na

análise das respostas dos demais entrevistados. Afirmou MEDINA,

“Não tenho elementos para responder à indagação, que, ademais,

foge tanto à minha competência intelectual quanto à alçada da

Comissão de Ensino Jurídico. Falta-me conhecimento mais preciso

das propostas do Ministro Bresser Pereira para a administração

pública, e não tem a Comissão a pretensão de criticar as

atividades do MEC e do INEP de modo a emitir esse tipo de

apreciação” (MEDINA/OAB, entrevista em maio de 2006, grifo nosso).

122

Os entrevistados desconheciam o que era proposto pela reforma do Estado, e

nesse caso fugiam ao assunto em tela. Sentimos que houve certa confusão entre a

proposta de administração pública gerencial do governo FHC, proposta por Bresser

Pereira, com o excesso de burocracia interna do MEC. Verifiquemos o depoimento

abaixo:

“Não me parecem conectadas as duas coisas. A edição das

diretrizes curriculares apenas segue o comando, pós LDB e

pós Lei n. 9.131/95 da edição das diretrizes curriculares

nacionais em conformidade com o espírito das referidas leis,

especialmente a LDB, no sentido de oferecer mais flexibilidade

às IES. Nenhuma relação existe com o a RA (reforma da

administração) do Bresser” (EDSON NUNES/CNE, entrevista

em maio de 2006, grifo e explicação nossa).

Por outro lado, as entrevistas evidenciaram que, mesmo desconhecendo a

construção teórica sobre o assunto questionado, os entrevistados associavam a

presença do neoliberalismo na educação superior.

O Presidente da CEJ/OAB foi quem primeiro associou e identificou a política

educacional brasileira no governo de FHC, no caso, à revogação da Portaria MEC n.

1.886/94 pelo Parecer CES/CNE/MEC n. 146/02, ao “liberalismo econômico

exacerbado”. Nesse sentido,

“O parecer do Conselho Nacional de Educação n. 146/2002

propunha a edição de uma Resolução que não chegou a efetivar-se,

porquanto o Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil

logrou sustar essa medida, por meio de mandado de segurança

impetrado perante o Superior Tribunal de Justiça e deferido por

unanimidade da Primeira Seção daquela Corte, tendo como relator o

saudoso Ministro FRANCIULLI NETTO. O objetivo colimado era,

realmente, o de revogar a Portaria MEC nº 1.886/1994, expedida

durante o hiato em que, extinto o antigo Conselho Federal de

Educação, ainda não fora composto o órgão que o sucederia. Era a

referida medida, sem dúvida, o reflexo de uma política pública

para a educação superior, marcada por um liberalismo

econômico exacerbado e que, nesse particular, mais se

123

aproximava das idéias positivistas do início da República”

(MEDINA/OAB, entrevista em maio de 2006, grifo nosso).

A OAB foi quem sentiu os primeiros impactos das políticas advindas da

reforma do Estado, justamente no currículo dos cursos jurídicos. Daí o motivo pelo

qual o Presidente da CEJ/OAB tenha sido o primeiro entrevistado a associar as

políticas curriculares realizadas no governo FHC, com o liberalismo econômico.

Segue comentando MEDINA (OAB) :

“Com efeito, o aludido Parecer CES/CNE/MEC n. 146/2002 não

definia os conteúdos profissionalizantes do curso jurídico,

permitindo, assim, que os currículos plenos das instituições de

ensino escolhessem livremente os ramos do Direito a serem

ensinados, podendo, em conseqüência, reduzi-los a um mínimo

de matérias, o que ensejaria especializações prematuras, além

de abrir caminho para a diminuição do tempo de duração do curso.

Aliás, o malsinado parecer ligava-se, claramente, a outro – o de n.

100/2002 --, que não chegara a ser, até então, hommologado pelo

Senhor Ministro da Educação, mas que permitiria a redução do

curso para três anos, na linha de perigosas tendências

manifestadas em torno do assunto, que, se vitoriosas,

acabariam por transformar o bacharelado em Direito num curso

de nível tecnológico” (MEDINA/OAB, entrevista em maio de 2006,

grifo nosso).

O trecho da entrevista acima indica os princípios norteadores da APG

presentes na discussão em tela, tais como: a descentralização da competência para

formulação dos novos currículos para as instituições, permitida pela DCN; da

flexibilização, no caso dos currículos jurídicos através da escolha dos “ramos do

Direito” pelas IES; e da eficiência do curso de Direito ao permitir, pelo Parecer n.

100, que um curso jurídico pudesse ser concluído em três anos. Sem dúvida a

resposta de MEDINA (OAB) é esclarecedora para a questão proposta. Verifica-se

124

que o entrevistado entendeu a abrangência da reforma do Estado nas políticas

curriculares e abrangência do nosso questionamento.

Para o Ministro Paulo Renato Souza não há vinculação das políticas do

governo FHC, do setor educacional, à reforma do Estado. Fato este que depois foi

explicitado quando o Ministro Paulo Renato Souza associa sua gestão frente ao

MEC ao gerencialismo, quando afirma que realizou uma “revolução gerenciada” na

educação brasileira. Destarte:

“A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – LDB –

aprovada e sancionada em Dezembro de 1996 definiu que os cursos

superiores deveriam seguir ‘Diretrizes Curriculares’ e não mais os

velhos ‘Currículos Mínimos’. Isso se aplicou a todas as carreiras, e

as novas Diretrizes foram aprovadas pelo Conselho Nacional de

Educação a partir de amplo debate e sugestões da comunidade

acadêmica em cada uma das áreas profissionais. Assim também

ocorreu na área do ensino do Direito. Isso nada em absoluto teve

a ver com qualquer modelo de ‘Reforma do Estado’ ” (PAULO

RENATO SOUZA/MEC, entrevista em maio de 2006, grifo nosso).

Sentimos na segunda resposta do Ministro Paulo Renato Souza, sobre a

questão da presença da APG no MEC e INEP, o mesmo tom de Bresser Pereira ao

negar o neoliberalismo nas propostas de reforma do aparelho do Estado.

Analisemos:

“No Ministério da Educação procuramos desde o início adotar um

método de gestão baseado nos princípios do Planejamento

Estratégico e na gestão colegiada e participativa. Para mais

detalhes, sugiro a leitura de meu livro “A Revolução Gerenciada,

Educação no Brasil 1995-2002” da Editora Pearson, São Paulo,

2005. Novamente, apesar de admirar o Ministro Bresser Pereira

e compartilhar algumas de suas idéias, a gestão do MEC guarda

mais relação com minha experiência anterior como Secretário

de Educação de São Paulo e Reitor da UNICAMP do que com

qualquer modelo teórico de Reforma do Estado” (PAULO

RENATO SOUZA/MEC, entrevista em maio de 2006, grifo nosso).

125

O Ministro Paulo Renato Souza dissocia sua gestão frente ao MEC (1995-

2002) dos princípios da APG do governo FHC. Mas, leitura do livro indicado nos

mostrou que a base de sua gestão no MEC foi o gerencialismo trazido da doutrina

de Thatcher e Reagan da década de 1980, como tivemos oportunidade de abordar

no Capítulo sobre Educação Superior no Brasil.

Registre-se que o gerencialismo foi a base da política neoliberal no Reino

Unido e nos Estados Unidos. Foi justamente o modelo de Estado regulador que

esteve presente no governo de FHC.

Foi no governo FHC que registramos o maior número de matrículas na

educação superior em todos os tempos. Tivemos a expansão dos serviços nãoexclusivos

do Estado, no caso a educação superior, pela iniciativa privada. O Estado

passa de executor a regulador dessa categoria. Os mercados são liberados,

mantendo-se no poder público a avaliação de qualidade.

Para IARA DE XAVIER (INEP) as políticas curriculares do governo FHC, em

relação às DCN x Currículos Mínimos, são associadas a vários fatores, dentre eles:

“as reivindicações da comunidade acadêmica desde a década de 1980; a

redemocratização do país; a promulgação da LDB/96; e a concepção da educação

pautada na visão crítico social, advinda do I Congresso Internacional sobre

Educação Superior da UNESCO, em Paris”. Comenta,

“Ação de impacto, como esta, é multicausal”. Vários fatores levam as

rupturas paradigmáticas, como a mudança de currículos mínimos

para diretrizes curriculares, a saber: reivindicações da comunidade

acadêmica que conclamava, desde a década de 80, por esta

mudança; redemocratização do País com o fim da ditadura militar,

possibilitando o debate plural e democrático; promulgação da LDB

9394, em 20/12/1996, assumindo a posição de vanguarda em relação

a este tema; e UNESCO promoveu, em outubro de 1998, o I

Congresso Internacional sobre Educação Superior, em Paris,

126

assumindo a educação pautada na visão crítico social como base para

a reformulação dessa área nos países signatários da declaração

resultante desta conferência, como o Brasil. Esta concepção de

educação contemporânea preconiza as diretrizes curriculares no lugar

de currículos mínimos que cristalizam a formação acadêmica, por

inibirem a criatividade e a criação da ES (educação superior).

Neste sentido, penso que a Reforma do Estado, do governo FHC,

incorporou esta ação visando a atender aos aspectos

supracitados (nacionais e internacionais), bem como tentar

implantar a racionalidade da lógica neoliberal na educação

superior, isto é, currículos enxutos, monoblocos, com pouca

exigência de insumos etc.” (IARA DE XAVIER/INEP, entrevista em

maio de 2006, grifo nosso).

Conclui Iara de Xavier (INEP) sua entrevista ao primeiro questionamento:

Felizmente, este projeto não teve sucesso em todas as áreas do

conhecimento. Posso citar a área da saúde, que teve o conjunto

das DCN aprovado em 2001/2002, como exemplo concreto de

avanço e modernidade na Educação Superior. Enfim, acho que o

elemento decisivo para que as DCN representem avanço ou

retrocesso foi, e continua sendo, o nível de mobilização e organização

da respectiva área de conhecimento, além do acúmulo de

conhecimento sobre esta temática, sem resquícios corporativistas.

Exemplo de sucesso da implantação da racionalidade neoliberal -

DCN das licenciaturas, Ciências Biológicas, Direito etc.- por não

assumirem pressupostos que possibilitam a articulação do ensino,

extensão, pensamento investigativo e a concepção do mundo do

trabalho” IARA DE XAVIER/INEP, entrevista em maio de 2006, grifo

nosso).

O depoimento de Iara de Xavier foi bastante esclarecedor para nossa

pesquisa, onde verificamos a existência das políticas neoliberais de FHC na

proposta curricular advinda das DCN.

O novo arcabouço jurídico trazido com a LDB de 1996 foi fundamental para a

aplicação da “lógica neoliberal na educação superior (IARA DE XAVIER/INEP)”. Não

podemos esquecer que a legislação educacional foi reconstruída no governo de

FHC, principalmente com o advento da Lei n. 9.131/95, conforme já aduzimos no

Capítulo sobre Educação Superior no Brasil.

127

A representante do INEP fala inclusive que os currículos mínimos inibiam a

criatividade e inovação da educação superior. Não podemos esquecer que a APG

destacava a “criatividade e inovação” como um de seus princípios, conforme

estudado no Capítulo sobre Estado brasileiro no governo de FHC.

É factível admitirmos que a reforma do Estado promovida por FHC repercutiu

nas políticas curriculares da educação superior brasileira. O ensino jurídico sofreu os

primeiros impactos do neoliberalismo em seu currículo com a tentativa de revogação

da Portaria MEC n. 1.886/94 pelas DCN estampadas no Parecer CES/CNE/MEC n.

146/02.

O segundo bloco de questões concentrou-se especificamente na questão do

ensino jurídico, onde os entrevistados tiveram que responder aos seguintes

questionamentos, por ordem: a terceira questão foi “Qual o papel da OAB no ensino

jurídico? A OAB pode ser um regulador dos cursos jurídicos?”; e o quarto

questionamento foi: “Existe interferência da OAB no processo de organização da

educação superior no Brasil?”.

Quando realizamos a terceira pergunta do segundo bloco de entrevistas,

todos os depoimentos foram contra a OAB ser um regulador dos cursos jurídicos.

Frauches afirmou:

“A OAB atua no ensino jurídico de graduação ao abrigo de um

dispositivo inserido sorrateiramente na lei que aprovou o estatuto da

entidade. Não vejo como um avanço para a democracia a

atuação de corporações nos estágios de formação universitária

de profissionais. As corporações foram criadas para a fiscalização

do exercício profissional. Nesse aspecto, a OAB tem falhado

rotineiramente. Fiscaliza mal o exercício da profissão de

advogado e quer ditar normas na formação desses

profissionais. Num Estado democrático e de Direito, as ações da

OAB, no sentido de interferir no processo regulador dos cursos

jurídicos, interferem na competência exclusiva do Ministério da

128

Educação. Entendo que a OAB está em condições de oferecer

sugestões ou recomendações para a melhoria da qualidade do

ensino jurídico no Brasil, mas não ditar normas e interferir nos

processos de supervisão, regulação e avaliação” (CELSO

FRAUCHES/CFE, entrevista em maio de 2006, grifo nosso).

Os entrevistados defenderam papéis distintos para o MEC e para a OAB.

Nessa opinião,

Na minha visão, a OAB deve ser um órgão de controle do

exercício profissional. A regulação do sistema de ensino é uma

tarefa do MEC. Por lei a OAB deve ser consultada, mas seu parecer

não tem caráter deliberativo, e assim deve ser” (PAULO RENATO

SOUZA/MEC, entrevista em maio de 2006, grifo nosso).

Nos depoimentos dos entrevistados, verificamos coincidência de idéias a

respeito do poder da OAB em relação ao que lhe foi outorgado por seu Estatuto, o

direito de manifestação nos pedidos de autorização e de reconhecimento de cursos

jurídicos. Todos os personagens discutiram a questão do parecer da OAB ser

opinativo ou deliberativo. A partir daí cada entrevistado defende o que acha ser

correto:

Pela atuação importante que a OAB teve e tem tido pela ética,

pela democratização e pelo Estado de direito do Brasil, merece

o reconhecimento e apoio dos brasileiros sérios e

comprometidos com a socialização dos direitos e deveres.

Assim, deve participar do debate da ES (educação superior) como

colaboradora no sentido de qualificar a formação jurídica. Porém,

sem poder deliberativo e, sim, consultivo” (IARA DE XAVIER/

INEP, entrevista em maio de 2006).

O Ministro Paulo Renato Souza é totalmente contrário à presença da OAB

nas questões relativas ao ensino superior. Segue,

129

“Hoje, aparentemente, a OAB é chamada a opinar nos processos

de autorização e reconhecimento de cursos jurídicos. Considero

esse procedimento equivocado no seu mérito, além de não

seguir a letra da legislação” (PAULO RENATO SOUZA/MEC,

entrevista em maio de 2006, grifo nosso).

Não esperávamos um posicionamento diferente dos representantes do MEC e

do INEP, pois tais entidades defendem o papel constitucional da União,

representado pelo Ministério da Educação, conforme regulamenta o Art. 9º da LDB,

quando enumera suas incumbências (dentre elas: “autorizar; reconhecer; credenciar;

supervisionar e avaliar respectivamente os cursos das instituições de educação

superior e os estabelecimentos do seu sistema de ensino”). Já a OAB entende:

“A OAB tem desempenhado, a partir da entrada em vigor da

Lei n. 8.906, de 4 de julho de 1994, importante papel como uma

das protagonistas do aperfeiçoamento do ensino jurídico no

país. Segundo o disposto na citada Lei, passou a caber-lhe a

missão institucional de pugnar pelo aperfeiçoamento da cultura

e das instituições jurídicas (art. 44, I), além de competir-lhe, por

intermédio de seu Conselho Federal, colaborar com o

aperfeiçoamento dos cursos jurídicos, e opinar, previamente,

nos pedidos apresentados aos órgãos competentes para

criação e reconhecimento desses cursos (art. 54, XV)”

(MEDINA/OAB, entrevista em maio de 2006, grifo nosso).

Concordamos com MEDINA quando ele defende a OAB como uma

“importante protagonista” do aperfeiçoamento do ensino jurídico no Brasil. Do ponto

de vista da legalidade, a OAB está amparada a emitir um parecer opinativo ou

consultivo nos pedidos de autorização e de reconhecimento de cursos jurídicos, mas

daí a querer que o CNE acate suas decisões, e que o MEC homologue é uma outra

situação bem distinta. A sua missão institucional de “pugnar pelo aperfeiçoamento

da cultura e das instituições jurídicas” entra em rota de colisão com os papéis do

130

MEC e da CES/CNE, que também possuem fundamentação na CF/88, na Lei n.

9.131/95 e na LDB/96.

É nesse contexto que surgem as divergências entre esses atores. Continua

MEDINA:

“A Ordem não pretende ser, propriamente, “um regulador dos cursos

jurídicos”, mas almeja tornar-se – e vem-se tornando,

paulatinamente – um elemento indutor de qualidade do ensino

jurídico, não só mediante o exercício da competência que o citado

dispositivo legal lhe confere, mas também por meio do entrosamento

que tem buscado estabelecer com o MEC, com esse objetivo e, de

outro lado, pelo intercâmbio que se empenha em promover junto às

instituições de ensino jurídico.” (MEDINA/OAB, entrevista em maio

de 2006, grifos nossos).

A resposta ao nosso questionamento acima relatado, data vênia, é

contraditória. Como a OAB não almeja ser um regulador do ensino jurídico se todas

as suas ações institucionais são em sentido contrário? A indução aqui defendida

para nós só confirma o discurso dos demais entrevistados, quando defendem que a

OAB quer realizar uma “interferência” no ensino jurídico, desprezando o MEC, CES

e o CNE. O entrosamento entre o MEC e a OAB acontecido no governo FHC findou

no Superior Tribunal de Justiça (STJ), como vimos antes.

Verifiquemos que a continuidade da entrevista fortalece essa tese:

“As publicações da Comissão de Ensino Jurídico sobre

o tema, a periódica realização de Seminários Nacionais de

Ensino Jurídico, somadas às audiências em que ouve os

representantes das instituições, quando da discussão dos

projetos de autorização ou dos pedidos de reconhecimento de

cursos, estabelecendo, com eles, interlocução direta, têm

conduzido ao último objetivo destacado” (MEDINA/OAB,

entrevista em maio de 2006, grifo nosso).

131

A interlocução direta que narra o texto acima entre as IES e a OAB só

acontece por força de um dispositivo legal, não por vontade espontânea das

entidades de ensino. Segue,

“Além disso, o OAB RECOMENDA, programa que tem em

vista atribuir um selo de qualidade aos cursos que mais se

destacam em determinado período, é fator importantíssimo no

sentido de induzir a melhoria de qualidade dos cursos jurídicos.

Cumpre a Ordem, nesse campo, papel semelhante ao que

desempenha, nos Estados Unidos, a American Bar Association,

embora, reconheça-se, a atuação da nossa congênere americana

seja muito mais ampla do que a nossa” (MEDINA/OAB, entrevista

em maio de 2006, grifo nosso).

Para entendermos o contexto acima apresentado recordemos que a

“Regulação” definida por Barroso (2005, p. 3) é “associada, em geral, ao objetivo de

consagrar, simbolicamente, um outro estatuto à intervenção do Estado na condução

das políticas públicas”, mas nada a impede de adequarmos esse conceito ao caso

da OAB em relação à definição de uma política curricular para o curso de Direito.

Nesse aspecto a OAB realiza uma tentativa de regulação do ensino jurídico,

mediante uma intervenção no sistema educacional defender a ampliação

interpretativa, ao seu favor, da Lei n. 8.906/94 (Estatuto da OAB), que lhe confere

poderes “opinativos” no processo de autorização e de reconhecimentos de cursos

jurídicos. Fato este que tem sido combatido pela CES, pelo CNE e pelo MEC.

Sobre “indução” ou “indutor” encontramos em Silveira Bueno (2000) a

seguinte conceituação: “que induz”; “que instiga ou sugere”; “que produz indução”;

“aquele que induz”. Seja qual for a expressão que venha a ser usada, busca-se a

ampliação da OAB no processo de autorização de novo curso jurídico e de

132

reconhecimento, dentro dos padrões estabelecidos pela OAB, portanto, diante da

regulação no ensino jurídico almejada pela OAB.

MEDINA fala sobre a influência da OAB no ensino jurídico quando

antecipamos a questão final de nossa entrevista:

Ultimamente, tem havido maior influência da OAB na

regulamentação do ensino jurídico, bastando dizer, a título de

exemplo, que o critério da necessidade social por que há muito

se bate a Comissão de Ensino Jurídico acabou consagrado pela

Portaria MEC n. 2.477, de 18 de agosto de 2004, para os cursos

de graduação, em geral” (MEDINA/ OAB, entrevista em maio de

2006).

Lembremos que para Barroso (2005, p. 3) a “regulamentação” é uma espécie

de regulação. Será que as instruções normativas baixadas pela CEJ/OAB sobre o

ensino jurídico em 1997, e que permanecem publicadas no site da instituição

(www.oab.org.br) até hoje, é um elemento indutor de qualidade do ensino jurídico,

ou um ato de regulação da OAB?

Nesse sentido, cabe-nos indagar: o selo “OAB RECOMENDA” ao avaliar as

instituições que mantêm cursos jurídicos e ranqueando seus resultados através da

imprensa ou de publicações nacionais não se aproximaria do “provão” do Ministro

Paulo Renato Souza, trazido pela lei n. 9.131/95? A diferença é que o governo FHC

realizou a regulação para o mercado, enquanto o selo da OAB buscou avaliar o

desempenho dos cursos para a busca de um padrão de qualidade, que a ajudará a

manter os princípios da Portaria MEC n. 1.886/94, adotando-se uma posição

neoconservadora.

133

A OAB criou nesse sentido seu objeto de observação que é o selo “OAB

Recomenda”, publicações, seminários e audiências, para construir seu texto

enuncivo e de regulação82.

Seja como instrumento de indução ou como um regulador do ensino jurídico,

a questão que nos chama a atenção no discurso dos entrevistados é a

caracterização da intervenção de uma corporação de ofício na educação superior.

Os entrevistados, exceto o representante da OAB, são contrários à atuação da OAB

no ensino jurídico.

Não nos resta dúvida que a OAB está amparada legalmente por força de seu

Estatuto para opinar, previamente, nos pedidos apresentados ao MEC para

autorização ou reconhecimento de cursos jurídicos. Este é um ponto pacificado no

direito educacional pátrio. A questão que se discute na atualidade é a expansão

desse princípio de interferência da corporação de ofício fora dessa seara,

extrapolando em muitos casos a competência exclusiva da União, leia-se MEC, para

o ensino superior.

Não concordo que a OAB atue como instância reguladora dos

cursos jurídicos. Esta ação é do Estado, representado pelo MEC”

(IARA DE XAVIER/ INEP, entrevista em maio de 2006, grifo nosso).

82 Julgamos importante para a confirmação dessa posição apresentar a Portaria n. 1.874, de 2 de

junho de 2005, oriunda do Ministro da Educação, que trata sobre a efetivação de uma política

criteriosa de supervisão dos cursos jurídicos. Seu Art. 1º informa que a Secretaria de Educação

Superior (SESU) deverá nomear comissões de supervisão, no sentido de verificar in loco as

condições de oferta de cursos jurídicos. Não citamos no corpo principal de nossa pesquisa para

mantermos nossa coerência com o período em análise 1995-2002. A portaria em tela, no Art. 2º

atribui à OAB um status de autarquia especial, e destaca seu papel de “entidade responsável, por lei,

de fiscalizar a profissão regulamentada”, onde concede à entidade poderes para:“(...) protocolizar

junto à Secretaria de Educação Superior - SESu, comunicados sobre a existência de cursos jurídicos

que, por meio de documentos comprobatórios em poder da entidade, apresentem indícios de

irregularidades ou de condições precárias de funcionamento (Portaria n. 1.874/05)”. A SESU

analisará a documentação citada e constituirá Comissões de Supervisão cabendo à OAB a indicação

de seu representante, a fim de acompanhar os trabalhos das Comissões. Portanto, a OAB já exerce

de fato e de direito uma atividade de regulação no ensino jurídico.

134

Em nosso entendimento, a OAB já exerce uma atividade de regulação a favor

da qualidade no ensino jurídico, não só em relação às instruções normativas

relativas à autorização e reconhecimento, mas também com base na avaliação dos

cursos jurídicos pelo selo “OAB RECOMENDA”, onde se busca mensurar a

eficiência dos cursos de Direito.

Ainda na perspectiva da regulação do ensino jurídico pela OAB, encontramos

uma forte resistência sobre o critério da necessidade social, adotado pela CEJ para

analisar os pedidos de autorização de novos cursos jurídicos. Para EDSON NUNES

o critério da necessidade social seria mais uma tentativa da OAB em regular o

ensino jurídico:

“Existe uma tentativa, mas muito bisonha. É que os critérios que a

OAB usa para verificar a ‘necessidade social’ da profissão ou do

curso de Direito são equivocados tecnicamente e acabam sendo

inobservados pelo CNE até o momento” (EDSON NUNES/CNE,

entrevista em maio de 2006, grifo nosso).

Nosso último questionamento aos entrevistados foi: “Quais suas sugestões na

articulação entre o MEC e a OAB ?”. Diante das respostas dos entrevistados,

verificamos que as relações entre o CNE e a OAB ficam conflituosas quando esta

pretende que aquele Conselho proceda “com uma análise mais atenta” nos casos

em que a OAB desaconselhe a autorização de um novo curso jurídico. Nesse

contexto recebemos como resposta:

Que os pareceres da Comissão de Ensino Jurídico,

homologados pelo Presidente do Conselho Federal da OAB,

passem a merecer análise mais atenta da parte do Conselho

Nacional de Educação, de forma que este egrégio órgão, nas

hipóteses em que venha a desacolhê-los, tenha sempre o dever de

motivar com mais rigor os pronunciamentos favoráveis à criação de

novos cursos. E que o MEC exerça de modo mais efetivo a

fiscalização sobre o funcionamento dos cursos. No que concerne,

135

particularmente, ao INEP, o que se deseja é que sejam

reformulados os critérios que presidem o trabalho das Comissões de

Verificação in loco, nos processos de autorização e reconhecimento.

Acima de tudo, é preciso pôr fim à proliferação indiscriminada

de cursos de Direito” (MEDINA/OAB, entrevista em maio de 2006,

grifo nosso).

A OAB acredita que “é preciso por fim à proliferação indiscriminada” de cursos

jurídicos, o que contrariou no período de 1995 – 2002 a proposta neoliberal de FHC

que objetivava a expansão da educação superior pela iniciativa privada, pois

considerava a educação superior como um serviço não-exclusivo do Estado,

afastando-se da produção direta desses serviços.

Para tal desiderato, a OAB arroga para si o papel de guardião da qualidade

do ensino jurídico, estabelecendo regras, emitindo pareceres para autorização e

reconhecimentos de cursos jurídicos e avaliando a qualidade dos cursos já

existentes por meio do selo “OAB RECOMENDA”. Segue,

Na minha visão, o MEC e a OAB têm missões diferentes: um

deve zelar pela qualidade do ensino; a outra pelo exercício

profissional. Essas duas áreas não podem ser confundidas.

Considero que a legislação trata adequadamente do tema ao

exigir o parecer da OAB, mas reservar a decisão final para o

MEC nos processos de autorização de novos cursos jurídicos

no país” (PAULO RENATO SOUZA/MEC, entrevista em maio de

2006, grifos nossos).

O discurso neoconservador da OAB apresenta-se em relação a sua política

curricular, no sentido de preservar o “status quo” da Portaria MEC n. 1.886/94,

confrontando-se com as políticas neoliberais de FHC que pretendia expandir as

matrículas, os cursos e as instituições de ensino superior pelo viés privado. As

propostas dos entrevistados para a harmonização MEC e pela OAB na atualidade

136

caminha para uma participação colaborativa entre as entidades em favor do ensino

jurídico.

“Como todas as entidades progressistas e democráticas, a OAB

deve ser ouvida. Esta articulação deve ocorrer no espaço do

debate sem caracterizar interferência nem comando” (IARA DE

XAVIER/INEP, entrevista em maio de 2006, grifo nosso).

Nesse sentido respondeu NUNES:

Que a OAB aceite abrir uma discussão conjunta CNE/MEC/OAB

para a transformação do título de advogado/operador do Direito, em

título pós-graduado, liberando o país do infortunado conflito hoje

existente por conta do diploma do primeiro estágio universitário levar a

licença profissional” (EDSON NUNES/ CNE, entrevista em maio de

2006, grifo nosso)”.

Concordamos com o posicionamento acima de NUNES, conforme

argumentamos no Capítulo sobre ensino jurídico. Com certeza, a criação de uma

Residência Jurídica (FEITOSA NETO, 2006) conciliaria os interesses do MEC e da

OAB acerca do ensino jurídico.

Em relação à presença da reforma do Estado na educação superior, podemos

concluir que os nossos entrevistados não são unânimes em reconhecer essa

relação. Mas, por outro lado, analisamos que eles admitem em seus discursos a

presença das idéias liberais ou até do neoliberalismo econômico nas políticas

voltadas para educação superior no governo FHC.

Outro fato interessante surgiu nas palavras do Ministro Paulo Renato Souza,

pois ele não reconhece a presença dos princípios da APG (do MARE) de Bresser

Pereira na gestão do MEC de 1995-2002. Mas, remete-nos ao estudo do seu livro

137

sobre dar destaque ao gerencialismo e ao planejamento estratégico, como

ferramenta que o diferencia daquela.

Registre-se que Bresser Pereira (2003) não admitia que a reforma do Estado

de FHC fosse fundamentada no neoliberalismo surgido no Reino Unido e nos

Estados Unidos. Porém, a concepção política desenvolvida pelos ministérios em

apreço – MARE e MEC – tiveram por fundamento principal tornar o Estado mais

“enxuto”, aproximando-o do mercado para as questões relativas ao desempenho,

flexibilização, descentralização, eficiência, avaliação e a regulação.

A OAB, ao verificar que a política curricular realçada no governo de Itamar

Franco com a edição da Portaria MEC n. 1.886/94 estava em colisão com o modelo

neoliberal do Parecer CES/CNE/MEC n. 146/02 - que tratava das diretrizes

curriculares em substituição ao currículo mínimo do extinto CFE – passou a lutar

pela manutenção de seu currículo.

Por trás da discussão entre a manutenção ou não de uma política curricular

para o curso de Direito, estava sendo discutido algo muito mais abrangente, que era

a proposta neoliberal de FHC para a educação superior.

138

6 Conclusões

Em consonância com a proposta inicialmente estabelecida, no sentido

de comparar as propostas do Ministério da Educação (MEC) e do Conselho

Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) em torno das diretrizes

curriculares do curso de Direito, esse estudo, com base nos dados coletados

e interpretados, à luz da análise discursiva, nos permite concluir que:

1. a reforma do Estado pretendeu minimizar os efeitos da crise fiscal e

econômica vivenciada pelo Estado brasileiro, sobretudo durante o governo de

FHC. A partir do MARE foram realizadas ações no sentido de implementar a

administração pública gerencial em relação ao modelo burocrático até então

existente. Verificamos que essas idéias do governo FHC não conseguiram ser

colocadas totalmente em prática, tanto é verdade que o MARE foi extinto e

suas atribuições encaminhadas para uma Secretaria do segundo escalão do

governo federal;

2. o Plano Diretor de reforma do aparelho do Estado (BRASIL, 1995b)

traz em seu bojo uma concepção neoliberal, na qual a setorização do Estado

seria possível destinar atenção especial à educação, considerada como um

serviço não-exclusivo do Estado. Essa seria a justificativa para a liberalização

do ensino superior via iniciativa privada;

3. o sucesso do Plano Diretor - era preciso que o setor educacional

tivesse seu arcabouço jurídico renovado. Para tanto, o governo FHC não

mediu esforços para aprovação no Congresso Nacional da LDB (aprovada em

1996 );

139

4. as políticas voltadas para educação também foram construídas fora

da LDB, através de medidas provisórias, decretos, leis ordinárias, portarias,

resoluções e pareceres. Essas ações fizeram surgir na legislação educacional

brasileira um conjunto de atos normativos dispersos, confusos e viciados de

inconstitucionalidades;

5. a extinção do CFE e a criação do CNE pela MP n. 661/94, depois

convertida na Lei n. 9.131/95, que também criou as bases para o “provão” fez

surgirem as competências da CES/CNE para estabelecer as DCN;

6. com as DCN, pretendia-se flexibilizar os currículos, em relação ao

modelo anterior de currículo fechado, dando maior autonomia e

responsabilidade às IES na construção de seus projetos pedagógicos de

cursos;

7. a educação superior crescia a cada ano do governo FHC a olhos