A verdade sobre a OAB e a Caixa

24/07/06

 

http://www.oabrs.org.br/imprensa_noticias_materia.php?cd_noticia=2676

 

 Equivocou-se o Senhor Presidente da Caixa de Assistência dos Advogados, do Rio Grande do Sul, Dr. Rodolfo Carrion Lopes de Almeida, quando, no Espaço Vital do dia 21.07.06, informou que a OAB/RS deve aos advogados gaúchos mais de dois milhões de reais, referente ao exercício de 2.006. Tal afirmação é leviana e beira a má-fé, eivada de interesse meramente eleitoreiro, que não vem acompanhada de nenhuma comprovação de recebimentos feitos pela OAB, que deveriam gerar tais importâncias para repasse.

 

        Aliás, quem está devendo aos advogados gaúchos é a Caixa de Assistência, que não tem prestado os serviços para o qual foi criada, principalmente no tocante aos advogados do interior do Estado. O que a Caixa de Assistência faz, por exemplo, pelos advogados de Dom Pedrito, de Alegrete, de Itaqui, de Santa Vitória do Palmar, de Panambi ou de Santa Rosa? Por que os advogados destas regiões recolhem 27,5% de suas anuidades para a CAA/RS?

 

 Assumi a OAB/RS em 31 de março de 2.006 e me comprometi, publicamente, e perante todos os presidentes das subsecções do Rio Grande do Sul, que, num prazo de 60 dias, quitaria integralmente os débitos com a Caixa. Tentei, de todas as formas, inclusive com a intermediação do Tesoureiro do Conselho Federal, ajustar o pagamento de todos os débitos, mas o Presidente da Caixa, preocupado unicamente em usar politicamente a dívida, não aceitou qualquer tipo de negociação, porque perderia seu discurso político. Assim, depositei em juízo a integralidade dos valores que estavam sendo reivindicados. Vamos ver o que será feito pelos advogados do Rio Grande.

 

 Lamentável a discussão pública entre dois órgãos da mesma instituição. Gostaria que estivéssemos unidos na tentativa de prestar bons serviços aos advogados e advogadas deste Estado. Triste que se esteja a denegrir a imagem da OAB e da Caixa, com assuntos que deveriam ser resolvidos internamente, para não expor a Ordem e lhe preservar a grandeza, tão necessária na defesa dos pleitos e dos anseios dos advogados.

 

 Porém, a verdade deve ser registrada, para que inverdades não transitem em julgado. E os interesses políticos não se sobreponham aos interesses da Instituição e dos advogados e advogadas do Rio Grande.

 

        Braulio Pinto

Presidente em exercício da OAB/RS