Ufrgs encerra polêmica do diploma

Universidade vai retomar título de médico para graduados em Medicina; o mesmo ocorrerá na UFCSPA

CORREIO DO POVO

PORTO ALEGRE, SEXTA-FEIRA, 14 DE NOVEMBRO DE 2008

 

A Ufrgs retomará o título de médico nos diplomas do curso de Medicina. A medida, anunciada ontem pelo reitor Carlos Alexandre Netto, finaliza na instituição a polêmica criada a partir da expedição dos documentos com a denominação de bacharel. O mesmo acontecerá na Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA). Desde a renovação do ato de reconhecimento de curso em 2007, os profissionais formados eram considerados bacharéis em Medicina no diploma. Isso aconteceu com três turmas da Ufrgs e uma da UFCSPA e atingiu 300 estudantes, depois da vigência de portaria do Ministério da Educação (MEC) que introduziu a nova titulação. Esses profissionais poderão pedir a emissão de uma segunda via do diploma.


As duas instituições realizaram consulta ao MEC para esclarecer as regras. Segundo Carlos Alexandre, a posição passada pelo governo federal é que as universidades têm autonomia para decidir sobre o tema. O reitor enfatizou que a denominação de médico ou bacharel não altera em nada a certificação do estudante. 'Mas diante da insatisfação da comunidade acadêmica, decidimos retomar a denominação anterior. Temos, agora, um documento do MEC que permite essa medida', afirmou.


O reitor ressaltou ainda que os diplomas expedidos com o título de bacharel têm a mesma validade, mas os alunos que desejarem alterá-los poderão solicitar a segunda via do documento. 'O termo bacharel em Medicina continuará valendo', salientou. A reitora da UFCSPA, Miriam Oliveira, disse que não houve qualquer tipo de prejuízo na atividade profissional dos formandos que receberam os diplomas de bacharéis. 'Mas a partir de agora temos uma resposta definitiva para emitir o diploma da maneira tradicional', observou.


A decisão de retomar o modelo antigo de diploma teve motivação nas diferentes manifestações realizadas pela comunidade acadêmica. Em outubro, um grande ato reuniu em Porto Alegre universitários de 11 faculdades do Estado contra a mudança. O Conselho Regional de Medicina do RS (Cremers) expediu ofício às instituições para comunicar que não registraria diplomas de bacharel em Medicina, somente aqueles com o título de médico.