VEJAM ESTE E.MAIL QUE EU RECEBI, A RESPEITO DO MEU ARTIGO PUBLICADO NO JUS NAVIGANDI DE HOJE, 02.04.2008 (e a minha resposta, depois)

http://jus2.uol.com.br/doutrina/texto.asp?id=11114

 

 

 

From:

"JOSE AFONSO DE MORAIS MORAIS"

To:

profpito@yahoo.com

Subject:

NÃO É VERDADE!!!

Date:

Wed, 2 Apr 2008 10:04:36 -0300

 

 

Preclaro Professor,

 

Venho  discordar se me permite.

 

1-Acredito eu, pela experiencia que o culto Professor vem adquirindo ao longo dos anos; não seria de bom tom, que o culto operador, venha manifestar seus pensamentos absolutamente distorcidos, com tempero de sofisma; senão vejamos:

 

2- Não é verdade que os Magistrados e o representante do Parquet não precisam de fazer exame!!! Custa acreditar professor, com efeito! É lamentável que o culto Professor com todo saber que possui, vem a Público dar sua opinião absolutamente distrocida, estou pasme!

 

3- A penas prá pensar culto Professor, em todo o País, de norte ao Sul, se quiser temos o Leste e Oeste pela mesma razão:Em quaisquer carreira que abrange Certame para à Magistratura e Promotor de Justiça, é exigidos dos candidatos à Prática forense; posso falar que aqui no meu Estado de Minas Gerais, o Mínimo aqui é de 3 (treis anos) para ser Magistrado ou Promotor de Justiça têm de haver esta prática de 3 anos.

 

4- Lado outro, como ver o culto Professor, não é verdade que o Magistrado não precisam de fazer exame de Ordem! pois já fez antes meu Deus do Céus! não pode adentrar na carreira de Magistratura ou Promotoria sem a Prática Forense; então falar, propagar notícia inverídica, é, querer ser sensacionalista, o que não é o caso do culto professor, que posso atribuir a isso um mal entendido ou um equívoco penso eu.

 

5- Ademais, o Próprio Conselho nacional de Justiça diz que tem de haver pelo menso 3 anos de Pratica Jurídica, para adentrar nas carreiras supra. Certamente São Advogado antes, inscrito regulamente na OAB,e, depois que passam, não podem mais advogar; como prescreve o Capitulo VII, ART. 27cominado com 28 e seus incisos. dê uma olhadinha também em todos os certame de concurso para a Magistratura desse País, verificar que: equivocou o Professor, pois o Tempo de Prática é exigido em todos os concurso afins; e só podem tomar posse quem realmente comprove estar escrito na OAB há mais de três anos.

 

Colho do ensejo para desejar melhor sorte na próxima vez.

 

 

JOSE AFONSO MACHADO DE MORAIS,adv.

OAB/MG 97.441.

Tel- (31) 2555-1866

 

 

 

Date:

Wed, 2 Apr 2008 08:08:25 -0700 (PDT)

From:

"fernando lima" <profpito@yahoo.com>

Subject:

Re: NÃO É VERDADE!!!

To:

"JOSE AFONSO DE MORAIS MORAIS"

 

Prezado colega José Afonso,

 

Tenha calma. Leia com atenção o meu artigo. O que eu disse é que o Provimento da OAB dispensou os magistrados e membros do MP do Exame de Ordem. E isso está ou não está escrito no Provimento nº109/2005, atualmente em vigor, colega?

Veja, também, que a imensa maioria dos magistrados não fez o Exame de Ordem, que só começou a ser exigido, realmente, a partir de 1996.

Veja, também, que não se deve confundir a exigência, recente (é da EC nº45), dos três anos de atividade jurídica, com as atividades da advocacia. Mesmo assim, o bacharel que se formar hoje, por exemplo, poderá trabalhar como assessor de juiz (cargo de confiança) ou poderá fazer um concurso para os diversos cargos que exigem apenas a qualidade de bacharel em direito (por exemplo, o delegado de polícia). Nesse caso, depois de 3 anos de ATIVIDADE JURÍDICA, ele já poderia se candidatar a um concurso de juiz ou do MP.

Para entender melhor o que é ATIVIDADE JURÍDICA, veja esta notícia do Consultor Jurídico: http://conjur.estadao.com.br/static/text/41465,1

 

Mas isso é recente.

Deixe que eu lhe dê um exemplo: o Fábio, que era estagiário no MP, trabalhava comigo, e quando estava concluindo o curso de direito fez o concurso para juiz e hoje está exercendo a magistratura, aqui no Pará. Aliás, para fazer esse concurso, foi preciso impetrar um MS, para que ele pudesse se inscrever, sem a apresentação do diploma. Depois de aprovado, foi chamado e apresentou o diploma. O Fábio nunca fez o Exame da OAB, porque nem teve tempo. A exigência dos 3 anos é bem recente.

Assim, colega, pense bem. Eu não estou sendo sensacionalista, porque eu não preciso disso e nem isso estaria de acordo com os meus princípios. O prezado colega é que está confundindo alhos com bugalhos.

No mais, quero lhe dizer que a forma pela qual o colega me interpelou não foi das mais educadas. Mas, mesmo assim, estou disposto a continuar este diálogo, para tentar me justificar, e para tentar fazê-lo compreender o meu artigo, em todas as suas nuances.

Um abraço do

Fernando Lima