Governo financia curso de direito reprovado

01.10.2007

 

Enquanto ameaça suspender vestibulares ou mesmo fechar faculdades de direito reprovadas no Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade, antigo Provão) e com resultados pífios no exame da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), o Ministério da Educação oferece crédito educativo, com juros subsidiados, a universitários que queiram estudar nesses mesmos cursos.

 

Das 37 faculdades de direito com os piores desempenhos na lista divulgada pelo MEC, na semana passada, ao menos seis poderão ser beneficiados ainda neste semestre pelo programa Financiamento Estudantil (Fies), que dá empréstimos aos estudantes.



O mesmo ocorre no programa Universidade para Todos (ProUni), outra iniciativa do governo para aumentar o acesso ao ensino superior. O ProUni, que dá bolsas gratuitas em instituições particulares a alunos de baixa renda, oferece vagas em faculdades de direito listadas entre as piores do país, segundo o cruzamento de dados realizado pelo ministério e a OAB. No ProUni, a lei determina que só podem ser excluídos cursos reprovados duas vezes. No Fies, porém, é o ministério que define as regras.



As inscrições no Fies relativas ao segundo semestre de 2007 terminaram na última sextafeira. Portanto, dois dias após o Ministério da Educação ameaçar punir cursos de direito reprovados. Pelo menos seis deles continuavam disponíveis para os estudantes interessados em obter crédito educativo na página da Caixa Econômica Federal na internet. O GLOBO pesquisou a disponibilidade para solicitação de crédito de 15 dos 37 piores cursos.



Quatro são do Rio de Janeiro: Universidade Veiga de Almeida, Centro Universitário da Cidade (UniverCidade), Centro Universitário Plínio Leite (Unipli) e Centro de Ensino Superior de Valença (no interior do estado). Os outros são paulistas: Universidade Bandeirante de São Paulo (Uniban) e Centro Universitário Nove de Julho.



A OAB quer o fim da proliferação de cursos de má qualidade no país, onde mais de mil faculdades têm autorização para funcionar. Ser bacharel em direito, porém, não permite o exercício da advocacia. Para isso, é preciso fazer o chamado Exame de Ordem, aplicado pela OAB. A maioria dos candidatos, no entanto, costuma ser reprovada.



Em 2006, calouros e formandos de 509 cursos de direito fizeram o Enade. Entre as instituições particulares e federais sob supervisão do MEC, 89 tiraram notas 1 e 2 (escala de 1 a 5). O mau desempenho ocorreu tanto no teste quanto na comparação dos resultados de calouros (alunos entre o primeiro e o segundo semestres) e concluintes.



Presidente da União Nacional dos Estudantes (UNE), Lúcia Stumpf pede medidas: - É um contra-senso, que mostra a fragilidade na avaliação das universidades. O MEC deve descredenciar do Fies e do ProUni as universidades que têm maus resultados. (A matéria é de autoria do repórter Demétrio Weber e foi publicada no jornal O Globo)



Informações complementares - Redação do JORNAL DA ORDEM

OAB/RS