DOIS COMENTÁRIOS DA JANE (e uma citação de R.B.)

 

O 1º diz respeito aos direitos fundamentais: disponível em:

http://www.conjur.com.br/static/text/68090,1

 

 Excelentíssimo Senhor Ministro Gilmar Mendes,

 

Agora sim!!

Suas palavras:

"Sinto-me absolutamente tranqüilo. Essa é a jurisprudência que o Supremo Tribunal Federal aplica a pobres e ricos sem distinção. O tribunal, na verdade, quer transformar os direitos fundamentais em direitos humanos de todos".

Altivez de conduta, se aplicada na prática.

A isto, denomina-se "palavra de honra".

Atitude de uma Corte Suprema, como o próprio nome sugere.

 

Tudo na vida há um propósito! Nada acontece por acaso.

Para os sábios, todo desconforto, mal-estar e intempéries da vida servem exatamente para tomarem consciência da verdadeira causa e ir a busca da solução para o bem comum.

Os direitos fundamentais são o alicerce de um Estado Democrático de Direito.

Mas para "TODOS":

É a dicção da CF/88, Constituição "Cidadã":

TÍTULO II

Dos Direitos e Garantias Fundamentais

CAPÍTULO I

DOS DIREITOS E DEVERES INDIVIDUAIS E COLETIVOS

Art. 5º TODOS são iguais perante a lei, SEM DISTINÇÃO de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade,...

 

 

O 2º Disponível em:

http://www.conjur.com.br/static/comment/68139

 

Excelentíssimo Senhor Ministro Marco Aurélio,

 

Qualquer ser vivo merece respeito, principalmente outro ser igual a Vossa Excelência.

Hoje, obtive plena certeza da cegueira que assola Vossa Excelência, comprovada através da Vossa afirmação:

"leigos não podem emitir entendimento sobre o que não conhecem. Deve haver impessoalidade na administração pública e é preciso afastar certas balizas que norteiam a judicatura".

 

O que nos difere é exatamente o fato de sermos desconhecedores e estarmos aqui em baixo, de olhos e corações abertos, percebendo o que acontece a nossa volta, de pés fincados no chão e sentindo na epiderme as tremendas injustiças praticadas pelos onipotentes e oniscientes.

Percepção que Vossa Excelência não é capaz de sentir, porque não tem olhos e muito menos sensibilidade para enxergar o próximo que está sob seus pés.

A nossa dessemelhança está, justamente, na cegueira devastadora dos que se sentem em plano superior e tem sérias dificuldades em baixar a cabeça e de sentir a presença de outrem.

Vossas Excelências da Suprema Corte até podem ser ilustres conhecedores da judicatura, mas infelizmente de cabeça erguida, sentindo-se em um pedestal, é impossível entender de ser humano e de justiça SEM DISTINÇÃO.

Vossas Excelências que se encontram em patamar tão superior ao nosso, com notável saber jurídico e reputação ilibada, não tem comprometimento com os leigos que sofrem e pagam o seu salário?

Sim, somos leigos com muito orgulho, mas não somos cegos e muito menos hipócritas.

A "FALTA DE RESPEITO" a tudo e a todos, avilta o mundo.

É a dicção da CF/88:

"Art 5º, inciso III – ninguém será submetido a tortura, nem a tratamento desumano ou degradante;"

Vossas Excelências fizeram um escarcéu pelo uso de algemas. Vossas Excelências nunca haviam presenciado tal fato e/ou nunca ouviram falar?

Vossa Excelência sabe que bateram o recorde no tempo de julgamento de um HC, por ordem de chegada?

Vossas Excelências não sabem das situações dos presídios brasileiros, dos postos de saúde, dos menores infratores, etc.. etc.. etc..?

Conforme o adágio popular: "pobre tem que morrer tudo", não é mesmo?

Perdoem a falta de entendimento dos leigos...

Vossas Excelências não têm nada a ver com esta situação, afinal estão acima de tudo e de todos.

A culpa é do juiz federal, da procuradoria, da defensoria pública, dos legisladores, do executivo e dos leigos.

STF! Ó STF! Onde estás que não respondes?

Em que mundo, em qu'estrela tu t'escondes 

Embuçado nos céus?

Há dois mil anos te mandei meu grito

Que embalde desde então corre o infinito... 

 Onde estás, STF?...

 

Que Deus os ilumine para que enxerguem a TODOS SEM DISTINÇÃO

Leiga, que aguarda a prática dos direitos fundamentais sem distinção pelo STF.

 

 

Ruy Barbosa, no pedido de habeas corpus contra Floriano, dizia aos Ministros dessa Corte: "Lembrai-vos, juízes, de que vós julgais a causa do povo, mas ele julga vossa justiça. E tal a grandeza e a miséria da vossa condição, que dele não podeis ocultar nem as vossas qualidades nem os vossos defeitos".