C O M E N T Á R I O S

 

Bom dia Fernando!

 

Como foi de feriado? À propósito, parabéns pelo dia do professor...desculpe o atraso, mas sincero.

 

Complementando comentários à matéria veiculada pelo jornal o Diário de S. Paulo, e divulgada pelo site espaço vital -  comentários do presidente da comissão de estágios exame de ordem do RS - sr.  Braz Martins, que  assim declarou:

 

"Das cerca de 40 mil pessoas que concluem anualmente um curso de Direito no Estado de São Paulo, só um terço dos bacharéis vira "doutor", segundo dados da comissão do exame da OAB-SP, que regulamenta a profissão.  Braz Martins. O índice de aprovados de 30,43% do Exame 132, realizado em julho, foi o maior das últimas 17 provas.

"- A mercantilização agressiva do ensino jurídico leva à necessidade de manter o Exame de  Ordem. Os dados são cruéis: dois terços não vão chegar à profissão - diz Braz Martins Neto, presidente da comissão de exame da OAB-SP. "

 

Comentários:


1º. A mercantilização do ensino jurídico, não se encontra  nas instituições de ensino superior aprovadas pelo MEC, mas sim, na "venda" dos bacharéis aos chamados cursos preparatórios para exame de ordem, eles sim estão lucrando muito com as reprovações. É sempre garantido, que os candidatos reprovados, prestarão o exame novamente (senão em sua totalidade, pelo em grade maioria, fora os recém formados, que mantém constante o de bacharéis prestando exame. ISSO SIM É MERCANTILIZAÇÃO DO ENSINO JURÍDICO!!!

 

Em dia do exame, na entrada da entidade onde será realizado, é distribuído aos bacharéis um jornal da OAB, que oferece inúmeros cursos preparatórios, pois todos sabem que dali, sairão aprovados, minguados 12% dos candidatos - esse filão é disputado quase a tapas pelos donos de cursinho. Na semana posterior ao exame, os candidatos reprovados, começam a receber ligações de alguns dos cursos, oferecendo descontos na matrícula, para que o infeliz candidato reprovado faça tal curso.

 - Pergunta-se: - Como nossos telefones e e.mails caem nas mãos dos cursos preparatórios?
2º. Como pode ele, ter tanta convicção de que o percentual apontado se concretizará; ou seja, como pode afirmar que 2/3 dos bacharéis não vão chegar à profissão?

 

De duas uma, ou ele está chamando os bacharéis de burros e incompetentes, OU A BOLA DE CRISTAL QUE USOU PARA FAZER TAL PREVISÃO, TEM DADOS BEM PRECISOS - QUAL SERÁ A FONTE?!!!

 

"Sem ela, o bacharel em Direito não assina nem petição. Hoje, são realizados três exames da OAB por ano. As datas são unificadas; o conteúdo, não. Até o início dos anos 90, havia limite de participações. Atualmente, o bacharel pode tentar quantas vezes quiser. A inscrição custa R$ 120,00. O próximo Exame de Ordem no RS será em ainda não tem previsão.”

 

Comentários:


1º - Pois é...a quaiis bacharéis ele está se referindo? - A pergunta é pertinente, porque existem milhares de bacharéis em direito, postulando em juízo sem a carteira de ordem.

 

- Então; como é possível, o bacharel em direito, postular em juízo representando o Estado, ou falar por ele, como queiram,  se ele mesmo (presidente da comissão de estágio e exame de ordem da OAB),  menciona o fato de que sem a carteira, o bacharel não assina nem petição??? - PALAVRAS DELE! - ONDE ESTÁ O RESPEITO AO PRINCÍPIO DA ISONOMIA??

 

A teor da lei - Estatuto do advogado), eles não poderiam, não é mesmo, é prerrogativa do advogado e não do bacharel...pois é...

 

Em São Paulo, o exame de ordem custa R$ 180,000 - Esse filão mercantil é disputado quase a tapas pelos dirigentes de cursinhos preparatórios"!

 

"O recordista nacional de tentativas já passou mais tempo em cursinhos preparatórios para o exame do que na faculdade.
- O recorde é de um candidato que fez 17 exames de ordem e nunca passou. Ele ainda tenta - conta Braz Martins. "

 

Comentário:

 

Note que chega às raias do desrespeito tal comentário, principalmente o "ele ainda tenta", que dá uma conotação de sarcasmo e humilhação ao bacharel em questão. Esse "...ele ainda tenta", indiretamente, lendo nas entrelinhas, que ele deveria desistir, pois não tem competência para passar; sendo que o que temos ouvido dos dirigentes da OAB, das estrelas que dão entrevistas, que o exame tende a ficar cada vez mais dificil, fundamentando na tal necessidade de selecionar os bons advogados. TRATA-SE DE DESCARADA CENSURA PRÉVIA - COMO ELE PODE PREVER QUE A REPROVAÇÃO NO EXAME, DEMONSTRA A QUALIDADE DO PROFISSIONAL?

 

Se este senhor fosse um pouco mais informado, além das "forças ocultas", que reprovam a maioria dos candidatos, saberia que inúmeros fatores influenciam na aprovação ou não dos candidatos, um deles, é o próprio exame, que atemoriza os candidatos, e os mata de ansiedade, ante o grande número de reprovações, entre outras tantas, abaixo em exemplo.

 

Em três provas que fiz, eu tinha certeza absoluta das respostas dadas a determinadas disciplinas, sabia que havia respondido certo, mas quando o gabarito saiu, justamente estas, não conferiam com o gabarito oficial apresentado pela OAB, ou seja, eu acertei, mas meu gabarito não batia com o da ordem. Se tivesse ocorrido em apenas uma prova, poderiam dizer; ela marcou errado na hora de passar para o gabarito...Mas em três provas??? Só na última que fiz, perdi 8 questões, as quais respondi corretamente, eu sabia as respostas; estranhamente, ao conferir, estavam posicionadas de forma diferente no gabarito OAB - Coincidência?

 

Além disso, deveria ser permitido ao candidato levar sua prova junto com ele ao final do exame, por que retê-la?

Por que temos que assinalar as questões na folha de provas à lápis?

Por que as provas só são disponibilizadas no site da OAB, depois de 24 horas, quando o certo, seria disponibilizá-la, logo após o término da prova?

Quem fiscaliza o exame de ordem? - A própria ordem??? - Alguma coisa está errada nessa história, e muito!

 

Outro exemplo, um colega de faculdade, me disse que não se conformava de eu não ter sido aprovada, quando ele, que só soube responder com certeza, 20 questões, o resto ele chutou todas!...ou seja, o fator sorte, o colocou na lista de aprovados, com 20 pontos. (bom pra ele, desejo o maior sucesso), o comentário é só para demonstrar que tal exame é questionável, quanto aos fins.

 

Diante disso, pergunto: O exame de ordem prova conhecimento?